Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Cotel acredita na manuteno

Paulo Caculo - 07 de Junho, 2016

Antnio Chiby no comando dos estudantes traduz sentimento optimista

Fotografia: Paulo Mulaza

O rendimento da Académica do Lobito, na segunda volta do campeonato, pode ser muito melhor e ajuda a confirmar a concretização da ambição da equipa permanecer no Girabola Zap. Quem o diz é Ernesto Cotel, principal suporte técnico de António Chiby, no comando dos lobitangas. De acordo ainda com o também ex-médio dos estudantes, a exibição e os resultados logrados pela  equipa nos últimos jogos permite aos técnicos perspectivarem um resto de campeonato agradável, embora admita  a necessidade imperiosa do grupo redobrar esforços para a subir na classificação.

"Houve uma primeira fase do campeonato em que as coisas estavam complicadas, mas nós elementos da equipa técnica, sabíamos que tinha solução. Estávamos à espera de uma oportunidade da direcção para invertermos o quadro e acho que estamos a fazer um trabalho aceitável, que nos dá garantias de permanecermos na primeira divisão", adiantou-se a afirmar o treinador.

Ernesto Cotel considera, em face do rendimento dado a ver pela equipa nestas primeiras 14 jornadas, que o balanço que se pode fazer é positivo, sobretudo, na medida em que a Académica foi capaz de fugir às zonas de despromoção na tabela de classificação, facto que fez ressurgir a esperança num desfecho airoso na maior competição de futebol do país.
"Acho que dentro do daquilo que conseguimos fazer até agora, podemos avaliar de positivo o nosso trabalho.

Basta ver que há oito jornadas, éramos os últimos classificados e hoje estamos mais ou menos no meio da tabela. Podemos considerar de positivo o nosso percurso, porque tivemos uma recuperação satisfatória", acrescentou. O treinador garantiu haver no seio do grupo a certeza quase absoluta de que a equipa tem condições para cumprir com os seus objectivos.

Citou aspectos como a motivação e o optimismo como variantes que acredita estarem a ser fundamentais para unir o grupo em torno dos objectivos traçados para a presente época.

SEGUNDA VOLTA
“Precisamos de um jogador para cada sector”


Ernesto Cotel não escondeu a preocupação da equipa técnica em reforçar o plantel com mais três jogadores. O treinador considera a baliza, o meio -campo e o ataque são os sectores que devem receber mais-valias, com vista o objectivo do cumprimento de uma segunda volta sem sobressaltos.

"Quando termina a primeira volta do campeonato, normalmente as equipas preocupam-se em reforçar os respectivos planteis. Penso que com a Académica não acontece o contrário.  Entendemos que precisámos de mais um jogador para cada sector. Estamos com uma equipa com processos avançados, mas com alguma carência ainda em algumas posições e será dentro destes sectores que estamos a pensar em reforçar a equipa", esclareceu Ernesto Cotel.

"Já conseguimos um guarda-redes, um avançado matador e talvez iremos atrás de um ‘numero 10’ mais ousado. Se conseguirmos estes três jogadores, acho que a Académica pode fazer uma segunda volta mais tranquila", prometeu.

O treinador assegurou que a equipa -técnica manifestou à direcção do clube a intenção de reforçar a equipa, bem como indicou os nomes dos prováveis jogadores a contratar. Admitiu ainda Ernesto Cotel que algumas dificuldades financeiras podem travar a chegada destes jogadores ao plantel, mas confessou acreditar na sensibilidade do presidente do clube para as necessidades do grupo.

FUTURO DO PLANTEL
“Jovens da formação
têm lugar nos seniores”

Uma das estratégias que a Académica do Lobito continua a preservar é a permanente valorização de jovens talentos formados nas escolas do clube. Ernesto Cotel garantiu ser  a imagem de marca do clube petrolífero, e que continua a ser defendido pelos treinadores.

"O nosso clube tem uma escola de formação de futebolistas, que todos os anos oferece talentos à equipa principal, e às vezes não são aproveitados pelos técnicos que chegam ao comando da equipa principal. Infelizmente, existem técnicos que não apostam muito nos jogadores da formação e nós enquanto conhecedores destes jovens e do trabalho feito, não temos como não apostar", referiu o auxiliar de António Chiby.

Ernesto Cotel regozijou-se, por outro lado, com o facto de ser exemplo de produto saído das escolas de formação do clube e hoje promovido ao cargo de treinador. Considera haver na estrutura da formação, muitos jovens talentos com excelente margem de progressão, que podem ajudar a alimentar a equipa principal num futuro muito próximo.

"Tivemos um plantel formado com jogadores da diáspora, mas com alguns sem ritmo competitivo e no decurso do campeonato, alguns tiveram que rescindir com o clube e agora estamos a  corrigir tudo que não foi acautelado no princípio do campeonato", finalizou Cotel, fez referência ao facto de muitos dos jogadores estrangeiros não  renderam  o esperado.
PC