Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Crise coloca ASA numa maré de incertezas

Augusto Panzo - 01 de Dezembro, 2017

Histórico do futebol nacional atravessa crise por incumprimento dos patrocinadores

Fotografia: Edições Novembro

A equipa principal de futebol do Atlético Sport Aviação (ASA) está mergulhada na incerteza, depois da sua despromoção à segunda divisão, pois, presume-se que ninguém queira arriscar a assumir a responsabilidade, em função da débil condição financeira que o clube atravessa, soube ontem o Jornal dos Desportos, de uma fonte ligada ao grémio liderado por Elias José.
\"Não se sabe ao certo em que pé vai ficar essa equipa, porque ninguém quer arriscar o seu nome assumindo o destino do conjunto, tendo em conta as dificuldades financeiras acumuladas ao longo dos últimos quatro anos. Não sei se o futebol sénior vai acabar, mas também não estou a ver essa equipa a continuar, mesmo na Segunda Divisão, em função da incómoda condição económica que vem atravessando\", referiu.
A fonte revelou que o atraso na disponibilização de verbas por parte dos patrocinadores terá sido a grande razão do fracasso do ASA, pois, a direcção não conseguiu ir a tempo no mercado, em busca de bons jogadores.
\"O ASA não tinha como se safar dessa despromoção, porque os patrocinadores não cumpriam com regularidade os seus compromissos. Não alocavam as verbas a tempo e hora e isso criava muitas contrariedades para a direcção. Imagine que o clube necessita de dinheiros logo no arranque da preparação da época, para facilitar as contratações de bons jogadores, mas as verbas eram apenas disponibilizadas lá por volta de Abril ou Maio. Aí você não consegue fazer praticamente nada. Então foi isso que vinha acontecendo no clube do aeroporto\", revelou. 
Segundo a fonte, apenas um deles cumpria com regularidade os seus compromissos, no caso o Porto de Luanda.
\"Desde que a Taag retirou o patrocínio ao ASA, a equipa mergulhou numa considerável crise financeira, porque os outros patrocinadores deixaram de prestar a devida atenção que o clube devia merecer. O único patrocinador que, embora o vinha fazendo com um ligeiro atraso, mas cumpria com o seu dever é o Porto de Luanda. O dinheiro deste patrocinador é que vinha aguentando a equipa do ASA nas viagens e hospedagem de jogadores durante o Girabola. Infelizmente era uma verba ínfima em relação às necessidades\", esclareceu.


GIRABOLA ZAP 2018
Aviadores sonham com prováveis desistências


As possíveis desistências que possam vir a ser anunciadas pelos clubes nos próximos tempos alimentam as esperanças do clube aviador, quanto a uma possível continuidade no Campeonato Nacional de Futebol da Primeira Divisão, Girabola Zap, segundo disse ao Jornal dos Desportos, fonte ligada ao ASA.
\"Vamos ver o que pode acontecer nos próximos tempos, porque possivelmente haverá algumas desistências da parte de certos clubes que financeiramente se encontram em condição difícil. Aí o ASA pode encontrar uma tábua de salvação para se safar da situação de despromoção. Sabe que a crise é quase generalizada nos clubes e muitos deles já vinham manifestando a intenção de abandonar a competição por esse facto. Então vamos esperar, para ver o que pode acontecer mais para frente\", afirmou.
Se de facto isso ocorrer a equipa do Atlético Sport Aviação vai ser a penúltima, daquele grupo de clubes que participou no primeiro Campeonato Nacional da Primeira Divisão,  Girabola Zap, após a independência, que foi disputado em 1979 e que consagrou o 1º de Agosto como campeão.
O conjunto militar do ex-RI 20, campeão em título do Girabola Zap, é agora a única sobrevivente do grupo a resistir da queda de divisão.
A fonte, conhecedor dos factos, elogiou o comportamento do presidente de direcção, Elias José, pelo facto deste ter salvo várias vezes o clube com dinheiros tirados do seu bolso, por isso a manutenção do ASA na primeira divisão deveria ser um prémio para ele.
\"Não adianta pensarmos aqui que alguém viria substituir o presidente Elias José na direcção sem viver sobressaltos, enquanto os patrocinadores se mantivessem no alheio em relação a alocação de verbas. Num gesto de louvar, já vi por várias vezes o senhor Elias a colocar seu dinheiro em benefício do clube, sobretudo nos momentos mais críticos\", considerou.
AP