Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Dado promete baliza segura

Joaquim Suami | Cabinda - 22 de Agosto, 2015

Dado, prometeu ontem, no sofrer nenhum golo no jogo desta tarde

Fotografia: Paulo Mulaza

O guarda-redes do Sporting de Cabinda, Dadão, prometeu ontem, não sofrer nenhum golo no jogo desta tarde, às 15h30', no estádio do Tafe, na recepção a Académica do Lobito, em partida pontuável para a 23ª jornada do Girabola.

“Prometo a todos os adeptos do Sporting de Cabinda que a partir do jogo com a formação da Académica do Lobito, não voltarei a permitir que nenhum golo entra na minha baliza. Aliás, daqui em diante a minha prestação na baliza será diferente”, declarou.

Reconheceu que a sua baliza tem sido "violada" devido a falha de posionamento dos centrais, mas esperam inverter o quadro. “Os golos que tenho sofrido tem sido por má posicionamentos dos defesas centrais, mas o técnico Lusaduso Medart chamou atenção dos mesmos e durante a semana de preparação orientou como devem posicionar-se quando o adversário está a avançar para o ataque com o objectivo de impedir a violação da baliza”, revelou.

Garantiu, por outro lado, que falhas do genero não se vão repetir. “Esperamos que esses erros já não voltam a acontecer, porque, daqui em frente vamos ter um Sporting de Cabinda com espírito vencedor a procura de obter bons resultados que vão começar com o jogo diante da Académica do Lobito”, referiu.

Dadão estranha o comportamento dos seus colegas, pelo facto de não conseguirem manter a concentração quando a equipa está em vantagem e considera procupante para  uma formação que quer permanecer na Iª Divisão.

“Estamos a ter pouca concentração durante os jogos, em que nas primeiras partes, saímos sempre a ganhar e logo no inicio da etapa complementar sofremos golos, o que é preocupante”, sublinhou.

“O treinador está sempre a conversar com o grupo para invertermos a situação. Estamos a trabalhar com toda a força para que possamos ultrapassar este problema. Temos excelentes atacantes e têm marcado golos, mas o problema tem partido dos centrais que não conseguem travar os avançados das equipas adversárias”, explicou.

Referiu que, para o desafio desta tarde diante da formação da Académica do Lobito, a formação do Sporting de Cabinda preparou-se bem para somar os três pontos a fim de alegrar os adeptos, que vão estar hoje em peso, no estádio do Tafe, para o seu calor aos jogadores e equipa técnica.
Joaquim Suami | Cabinda.


ACADÉMICA
Estudantes do Lobito
desafiam fúria do leão


O técnico da Académica do Lobito, Ekrem Asma, reiterou ao Jornal dos Desportos, a pretensão da sua equipa somar esta tarde os três pontos frente ao Sporting de Cabinda, pese embora, reconhecer o potencial da formação leonina, adversário bastante complicado a jogar em casa.

Reconheceu que os leões pretendem abater todas as suas presas no estádio do Tafe, para manterem intactos os objectivos, mas o treinador alemão garante estarem prevenidos para evitarem a perca de qualquer ponto ante um adversário, considerado do seu campeonato.    

“Estamos cientes daquilo que vai ser o jogo em Cabinda. O adversário vem de uma derrota caseira e promete não mais desperdiçar pontos, o que desde já constitui um sério aviso para a minha equipa que, de igual modo, espera ganhar para continuar a lutar de forma animada pela sua permanência no Girabola”, afirmou o timoneiro da formação lobitanga, visivelmente, optimista pela conquista de um bom resultado esta tarde.

Ekrem Asma lamenta o facto de nas últimas jornadas, os jogos terem sido decididos pela má actuação do trio de arbitragem e acabam por “estragar” todo um trabalho desenvolvido ao longo da semana, com os prevaricadores a manterem-se impunes, na maioria das vezes.

“Espero que em Cabinda, as coisas corram a contento e que o vencedor, justifique em campo, isto é, isento de interferência de terceiro para o bem da modalidade e o respeito de quem trabalha todos dias para fazer o seu melhor”, sustentou.

Para a "Operação Cabinda", o professor Ekrem Asma convocou dois guarda-redes (Wilson Alegre e Micha); sete defesas (Adolfo, Zuzi, Vado, Libero, Oliveira, Poko e Nelito); seis médios (Bugo Jazz, Lourenço, Effemberg, Belito, Clóvis e Cachi); e três médios (Jorge Kadú, Joka Palana e Jacek Magdzinsk).
A princípio qualquer um, pode ser chamado para integrar o “onze” inicial esquematizado, tacticamente, em 4x4x2 desdobrável para 5x4x1/3x5x2, óbvio, dependentemente da desenvoltura do jogo ao longo dos 90 minutos.
Júlio Gaiano | no Lobito