Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

De olho na Taa

Betumeleano Fero - 26 de Outubro, 2017

Tricolores defrontam tarde maquisardes no 11 de Novembro para primeira mo das meias-finais

Fotografia: Jo Cola, Edies Novembro

A matemática mudou por completo, as ambições do Petro de Luanda nesta temporada, em que o campeonato virou uma utopia, pelo que resta aos tricolores conquistar a Taça de Angola. O FC Bravos do Maquis, adversário desta tarde às 16h00, no Estádio11 de Novembro, é um carrasco recente e tem uma palavra a dizer na eliminatória, se a equipa luandense for negligente durante os 90 minutos.
Quase sem tempo para distracção, os tricolores têm de fazer pela vida para adquirir a motivação necessária a fim de ganhar vantagem, de preferência confortável na primeira mão. Com o título do Girabola bem distante, é importante que o Petro de Luanda reajuste os objectivos, faça da Taça de Angola a derradeira tábua de salvação para chegar à outra margem, com um troféu.
Em termos teóricos, os tricolores tem qualidade suficiente para abrir vantagem confortável para o jogo de resposta, tudo vai depender da atitude mental dos atletas. A expectativa adiada, na questão do título, fez adoecer o coração do Petro de Luanda, agora, é necessário levantar do chão e ver o que resta para tentar.
Os últimos jogos estão a provar, que os tricolores estão em queda livre, por isso, é importante que a equipa se esforce para fazer novo começo a partir de hoje, para  sair do 11 de Novembro mais perto da final. Adiar a decisão para a casa dos maquisardes, pode não ser uma boa ideia, dado os baixos níveis de motivação do Petro de Luanda nesta recta final de temporada.
O FC Bravos do Maquis vem a Luanda moralizado, para voltar a fazer história, fica claro que os tricolores estão de sobreaviso, mas os maquisardes vão aproveitar o aparente desnorte nas hostes adversárias, para aumentar as chances de apuramento.
Um empate, de preferência com golos, deve ser um dos objectivos a alcançar pelos maquisardes, resta esperar para ver que estratégia Zeca Amaral preparou para marcar e ganhar esperança, para a segunda mão no Luena.
Sem chances de exibir as mesmas armas em campo, o FC Bravos do Maquis vai usar o que tem, para pôr à prova os nervos do Petro de Luanda. Se for ousado pode contrariar os intentos dos tricolores, de tomar conta da eliminatória, é possível que os maquisardes  desfiram um golpe de eficácia que  perspective decidir em sua casa.
As grandes equipas dão sempre a volta por cima, nos grandes momentos, ninguém está à espera que o Petro de Luanda alcance um resultado elástico,  ganhar é o mínimo que se pede aos tricolores, para não hipotecar também as chances de erguer a taça. O FC Bravos sabe que tem baixa cotação na bolsa de apostas, mas tudo vai fazer, menos ficar de braços cruzados a ver o tricolor jogar a seu bel prazer.

AMBIÇÃO NO CATETÃO
Olhos nos olhos. Essa é a forma, como a equipa do Petro de Luanda encara hoje a partir das 16h00, o difícil embate frente ao FC Bravos do Maquis agendado para o Estádio 11 de Novembro, referente à primeira mão da meia-final da Taça de Angola, a segunda maior competição de futebol do calendário da FAF.
Embalado pela necessidade imperiosa de conquistar algum troféu na presente época, para servir de conforto ao plantel numa época em que volta a protagonizar um campeonato a nível das expectativas, os tricolores estão dispostos a \"arrumar\" com a eliminatória neste jogo.
Diante de um adversário complicado de bater, ao Petro é proibido vacilar, tão pouco surgir diminuído. E, para que tudo corra a preceito, Beto Bianchi trabalhou nos automatismos durante a semana que antecedeu o jogo, condição imprescindível para garantir o melhor nível.
À semelhança do habitual, o treinador do Petro espera que o triunfo sobre o Maquis de Zeca Amaral, bem como a qualificação para a final da Taça de Angola, seja uma consequência natural da acção demolidora, força colectiva do grupo e solidez competitiva da equipa.
Apesar da derrota no jogo passado, no Dundo, diante do Sagrada Esperança, para o Girabola Zap, o \"onze\" de Beto Bianchi não deve registar muitas alterações, deve o técnico do Petro reeditar os titulares.
Gerson será o guarda-redes, deve ser apoiado pelos centrais Maludi e Wilson, e os laterais Ari  e Mabiná ou Mira. No \"miolo\" da equipa devem actuar Herenilson em missão defensiva e Manguxi, Diney, Diógenes e Job na acção ofensiva.
De acordo com o que deixou transparecer nas sessões de treino, o treinador do Petro pode ter confiança no seu habitual sistema táctico, assente no 4X5X2. É a jogar neste modelo, que Beto Bianchi acredita que os seus jogadores rendam muito mais, e consequentemente a equipa desbobina o seu futebol.
Está é a filosofia de jogo que a massa peltrolífera, nomeadamente atletas, dirigentes e sócios esperam ver da equipa, no sentido de que está com um futebol eficiente e capaz de habilitar a equipa a passar as duas mãos, chegar à final e erguer o trofeu. É este o único caminho que sobra ao Petro nesta época.                            
PC

BETO BIANCHI
“Esperamos fazer um bom jogo”


O técnico do Petro de Luanda, Beto Bianchi, não altera o discurso em relação à antevisão dos jogos da equipa,  muito menos as probabilidades dos seus jogadores superarem hoje à tarde no Estádio 11 de Novembro, o FC Bravos do Maquis. O hispano -brasileiro reafirma que todos os jogos do campeonato são difíceis, pelo que encara este desafio com cautelas.
\"Esperamos um jogo, como outro qualquer. Será mais um jogo difícil. Todas as equipas estão em alta, esperamos fazer um bom jogo e vencer, que é o mais importante\", esclarece o técnico do conjunto petrolífero, que recorda a exibição no Dundo, cujo resultado acabou desfavorável.
“Penso que foi um jogo aberto, com muitas alternativas, infelizmente não transformámos em golos as oportunidades que criámos no percurso da partida. Esperamos vencer o jogo da Taça, porque queremos chegar à final\", acrescentou Bianchi.
O treinador deseja, igualmente, que a equipa seja capaz de dar sequência positiva às exibições,  redimir-se da derrota averbada no campeonato nacional. Confessou haver motivação e força anímica no seio dos jogadores, para tomar de assalto os objectivos de vencer a Taça de Angola.                                                 
PC