Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Despique at ao fim

Daniel Melgas/ Luena - 05 de Outubro, 2015

Golo marcado pelo defesa central Ikuma aos 85 minutos leva deciso do ttulo do Girabola 2015 para a ronda final

Fotografia: Paulo Mulaza



O Maquis foi bravo no jogo que poderia determinar o campeão do Girabola 2015. Melhor, ontem, quando todos acreditavam que o Libolo fosse capaz de conquistar o ponto que necessitava para fazer a festa, os maquisardes acabaram por mandar os libolenses guardar, mais uma vez, o champanhe para festejar em outra casa.

A "bomba" de Ikuma, aos 85 minutos, quando o jogo estava empatado a uma bola, resultado que favorecia ao campeão em título, acabou por ser o grande momento do desafio. Ou seja, com o golo marcado o Maquis não só reacendeu as esperanças em relação a manutenção na Primeira Divisão, como impossibilitou com que o Libolo fizesse ontem, no Luena, o tetracampeonato.

Um início à campeão, com perigo evidente de golo aos três minutos, foi assim à entrada do Recreativo do Libolo, com Rudy a ser o protagonista daquele que seria o tento inaugural. A resposta do Maquis foi fraca, com um remate intencional de Djó, mas anulado pelo guardião Nilton.Os minutos subsequentes foram de intensos equilíbrios, com um relativo domínio libolense, carregado nas costas por Edy Boyom, Fredy e Diawara, porém, nas tantas vezes que chegaram à baliza de Carlitos faltou eficácia, apesar da vantagem no jogo aéreo.

O Maquis, comandado pelo tridente Djó, Kiloy e Benvindo, com ajuda de Chole, deram muito trabalho ao campeão, o que ficou evidenciado na jogada do golo. Lelo, nas novas funções de médio trinco, ganhou a bola no meio campo e colocou Kiloy a correr e com um cruzamento de classe o miúdo Kiloy, que vem das camadas de formação, recepcionou a craque e, em velocidade, cruza para grande área, no cabeceamento certeiro de Chole,
batendo Nilton, pela primeira vez, aos 24 minutos, resultado com que terminou a primeira parte.Na segunda parte, o domínio maquisardes prevaleceu até aos 72´, altura em que o Libolo empatou por intermédio de Mingo Sanda. Antes, aos 48´, o FC Bravos do Maquis perdeu o médio Djó, expulso por agressão.

O golo do Libolo, que o confirmava campeão do Girabola 2015 caiu como um balde de água fria, molhando os adeptos presentes ontem no estádio Mundunduleno, que registou um clima frio, devido a chuva que caiu no inicio da tarde. Quando  mais ninguém esperava, num cruzamento de canto de Kiloy, apareceu o defesa central Ikuma para marcar o golo que pode ser importante para as contas da permanência, com um potente remate de fora da grande área, na ressaca de um pontapé de canto, o que fez renascer as esperanças maquisardes e a festa no Mundunduleno, como do final do Girabola 2015 se tratasse.

ARBITRAGEM
 O árbitro Osvaldo Félix, auxiliado por Sebastião da Silva e José Félix, foi contestado em alguns lances, mas sem influência. Mostrou sincronia com a sua equipa, sentido de disciplina, pedagogia e bom momento físico. Contudo, o trio realizou uma segunda parte incaracterística. Osvaldo Félix e elenco “perderam-se” no jogo e passaram a errar mais, sobretudo no capítulo técnico, com muita falta de sincronia.

INTERCLUBE VS DOMANT
Domantinos “batem o pé ” aos polícias

A repartição de pontos entre o Interclube e o Domant FC, em face ao empate a uma bola, acabou por penalizar os polícias. Foi um jogo sem muito atractivo, visto que as duas equipas tem as suas situações resolvidas no Girabola. Ainda assim, foi o Interclube, a jogar em casa, quem tomou as rédeas do jogo. Aos três minutos, os polícias tiveram o primeiro grande perigo com Moco isolado a rematar forte para a defesa de Lamy.

O mesmo sucedeu aos 10´, mas por Kêmbua, que de cabeça mandou a bola para o travessão. A partir do minuto 20, a equipa do Bengo equilibrou o jogo e passou a atacar mais, obrigado a equipa de Vaselin Vesko a recuar na defesa. Fruto da pressão que exercia sobre a defensiva dos polícias , o Domant FC chegou ao golo por intermédio de Devigor, de cabeça, a responder um bom cruzamento de Abel Manfuila.

Os polícias não se fizeram rogados e foram atrás do prejuízo e um minuto depois, num cruzamento de Filipe a bola bate na mão de Kaká e o árbitro marcou o competente penálti. Moco, melhor marcador dos polícias, cobrou com categoria, empatando a partida. Na segunda parte as duas entraram com a mesma disposição. O Domant a querer mostrar que apesar de já estar despromovido, continua a praticar bom futebol, não dando margem à equipa da Polícia.

Bem no final da partida, Kêmbua teve uma boa oportunidade para marcar, porém, mais uma vez, a trave negou-lhe o golo. À medida que o jogo se encaminhava para o termino, os polícias carregavam mais à procura do golo da vitória, porém , a equipa do Domant conseguiu defender-se com categoria, não  dando hipótese ao adversário. A equipa de arbitragem liderada pelo João Goma esteve bem no jogo. 
VALÓDIA KAMBATA