Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Desportivo da Hula derrota Libolo

Morais Canmua, no Lubango - 21 de Outubro, 2017

Desportivo vence e confirma bom momento de forma na ponta final do campeonato nacional

Fotografia: Jos Soares

Com grande sentido de oportunidade, voluntarismo e capacidade técnica acima da média, o Clube Desportivo da Huíla, venceu ontem, no estádio do Ferroviário da Huíla, o Recreativo do Libolo, por 2-1. O técnico Mário Soares cumpriu a promessa de presentear os adeptos com uma vitória e uma boa exibição, no jogo de abertura da 28ª jornada do Girabola Zap 2017.
Com uma motivação acima da média e bastante confiantes, os militares da Região Sul entraram dispostos a manter a postura das últimas jornadas em que venceram o Petro de Luanda e Progresso do Sambizanga, mostrando um ascendente de forma desportiva e qualidade na ponta final do campeonato. 
A jogar em casa, o Desportivo cedo mostrou algum fulgor trazido das duas últimas jornadas, cedo também assumiu o favoritismo da partida com o objectivo de se manter na senda dos bons resultados.
Com um sistema táctico pautado por um cariz ofensivo, embora com pouca intensidade numa jogada de insistência, Kembwa, defronte à baliza rematou ao lado. O mesmo jogador volvidos cinco minutos, voltou a desperdiçar mais uma oportunidade.
Apenas aos 24’ o Libolo despiu-se do cansaço devido ao facto de ter chegado tarde ao Lubango e sequer ter efectuado os habituais e indispensáveis exercícios de aquecimento, o que terá influenciado no comportamento da equipa.
Aos 33’ Paizinho, quase visou a baliza contrária, mas a consistência defensiva do Desportivo evitou que o pior acontecesse. Aos 37’ num contra-ataque venenoso, Cristian rematou com efeito forçando o guarda-redes libolense a efectuar a defesa da tarde, defendendo a bola para canto.
Na sequência da cobrança do respectivo pontapé de canto, a bola sobrou para Bonifácio no \"coração\" da área e atirou a contar. Eram decorridos 38’. Em vantagem, o Desportivo da Huíla geriu o jogo até ao final da etapa inicial.
No reatamento, logo aos 47’, Cristian, rematou ao lado avisando o adversário de que tinha pretensões de ampliar o marcador. Embora de forma tímida, os visitantes ripostavam com pouca confiança no seu jogo. No ataque Figo, era o único inconformado, mas esteve sempre desapoiado.
Às entradas de Nandinho e Ito para os lugares de Nelito, aos 55’ e o amarelado Kuagica, aos 59’ provocou um ligeiro equilíbrio, já que Chara, como trinco, perdia no confronto directo com os médios do CDH, principalmente Bruno de Jesus e Bruno.
Passando a defesa central, Chara não produziu a consistência que se impunha, já que aos 76’ Nandinho, médio militar, viria a ampliar o marcador, numa jogada de insistência em que toda defensiva contrária falhou.
O segundo golo foi apenas a confirmação do que aconteceu aos 69’ com o sector mais recuado da equipa de Calulo a claudicar e provocar uma grande penalidade, que o capitão militar, Chiwe, não soube aproveitar atirando ao lado da baliza defendida por Manaia.
Perdendo, por 2-0, os libolenses não viraram cara à luta. Mesmo sem a consistência que se impunha, lançou-se ao ataque tendo marcado um golo de consolação já em cima do minuto 90, por intermédio de Paizinho, num brinde de um defensor contrário.
O resultado não sofre contestação, num jogo em que os rapazes de Mário Soares foram superiores e confirmaram o bom momento de forma que atravessam.


OPINIÃO DOS TÉCNICOS


MÁRIO SOARES
CDH

Ganhamos bem
Foi um jogo bom em que a minha equipa jogou bem e ganhou com uma boa exibição. Temos um plantel jovem e que cresce na competição.  Sofremos um golo estranho, mas vamos corrigir com trabalho e continuarmos nesta senda. Felicito os meus jogadores para continuarem assim e melhorem.\"

ANDRÉ MAKANGA 
R. LIBOLO

Falhamos muito
Sabíamos que iríamos jogar com uma equipa bem arrumada, ainda assim criamos inúmeras oportunidades de golos mas não conseguimos concretizar. Temos que parabenizar o Desportivo que aproveitou bem as oportunidades que criaram. Vamos continuar a trabalhar para vencermos os dois jogos que ainda faltam.


ARBITRAGEM
Bom trabalho


O árbitro Bernardo Moreira, que veio de Luanda, fez um trabalho exemplar. Bastante interventivo, com boa postura e frescura física, soube aplicar os fundamentos do jogo, quer no capítulo técnico e disciplinar. Fez o seu trabalho com autoridade, mas foi pouco autoritário. O trio de arbitragem sai da Huíla sem mácula e com um trabalho relevante.

MELHOR EM CAMPO
Bruno de Jesus
o maestro da equipa


Forjado nas escolas de formação do1º de Agosto o jovem continua a surpreender pela positiva. Jogou e fez jogar a sua equipa com muita classe, assumindo as \'despesas\' do jogo numa tarde em que foi simplesmente o maestro do meio campo dos militares da Região Sul.