Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Desportivo da Hula refora segurana no Estdio do Ferrovirio

Benigno Narciso - Lubango - 18 de Outubro, 2017

Adeptos de equipas tm mau comportamento cvico nos jogos disputados na cidade do Lubango

Fotografia: Contreiras Pipa Edies Novembro

A direcção do Clube Desportivo da Huíla (CDH) vai reforçar as medidas de segurança no Estádio do Ferroviário, no Lubango, com vista aos próximos jogos oficiais da equipa no Girabola Zap, com a introdução de novas regras de segurança ao recinto desportivo.

A decisão de introduzir novas medidas de segurança tem por objectivo, prevenir e banir desacatos semelhantes aos registados nos desafios anteriores, com destaque para as cenas ocorridas no encontro entre o Petro de Luanda, pontuável para a 26ª jornada do Girabola Zap 2017, em que a formação huilana venceu, por 2-0, de acordo com o director de Marketing e Imagem do clube, Adriano Lopes.

“Estamos a acautelar, com muita acuidade, os jogos subsequentes no Estádio do Ferroviário, para que situações menos boas não se repitam. Tivemos situações no jogo com o Petro que  se pretende combater, são as arruaças protagonizadas por adeptos da equipa que defrontamos. Rasgaram a bandeira gigante do Desportivo, subiram nos muros e terraços, quebraram barreiras de segurança e no parque de estacionamento esvaziaram pneus das viaturas. Descarregaram toda a ira e o desalento da derrota”, definiu.

Para o efeito, justificou que as medidas a introduzir consubstanciam-se no cumprimento obrigatório das regras de segurança, difusão permanente das indicações a observar em caso de eventual situação de emergência, abertura por fora e por dentro dos portões para  a evacuação rápida de espectadores, proximidade de 50 a 100 metros de adeptos para exibição do bilhete de ingresso a fim de se evitarem aglomerados junto dos portões, dentre outras.

“Obrigar a respeitar as medidas de segurança, a proximidade aos portões na ordem de 50 a 100 metros para o exibir do bilhete para o acesso ao interior ao Estádio, e assim evitarem aglomerado de pessoas nas entradas, bem como combater as entradas forçadas. Outra medida cautelar é manter os portões abertos, duas horas antes da partida, abertura das entradas por fora e dentro para evacuação fluída dos adeptos, e indicação dos procedimentos a tomar pelos adeptos em caso de emergência”, descreveu.


ARRUAÇA NO ESTÁDIO
Desportivo reprova adeptos do Petro


O director de Marketing e Imagem do Desportivo da Huíla, Adriano Lopes, revelou que a direcção do grémio huilano qualifica de “autêntica falta de espírito desportivo e desrespeito às cores do clube”, os desacatos protagonizados pelos adeptos do Petro de Luanda, no Estádio do Ferroviário, no Lubango, depois da derrota (2-0) no desafio da 26ª jornada do Girabola Zap 2017.

“Foi de facto uma arruaça protagonizada por alguns aficionados, afectos à equipa que defrontámos (Petro de Luanda) na jornada 26. No fim do jogo, pura e simplesmente, rasgaram a bandeira gigante que estava no nosso Estádio, descarregaram toda a ira, no  desalento pelo resultado menos conseguido no campo.

Outro comportamento que desencorajamos, foi o esvaziar de pneus das viaturas no parque de estacionamento. Consideramos que é uma autêntica falta de fair-play, falta de respeito aos símbolos do nosso emblema, e de outros clubes”, reprovou.

Referiu, que no desporto e no futebol em particular, todos jogam para vencer e representar bem as cores do clube que se representam. Contudo, apelou ao respeito pelo resultado, saber ganhar e perder.

“Todos gostamos de facto, que as nossas cores sejam bem representadas, mas acima de tudo também sejam respeitadas. Saber perder e alegrar-se na vitória, mas respeitar o resultado, é uma virtude do bom desportista”, considerou.

Qualificou, que quem vai aos Estádios precisa de se sentir confortado e seguro, premissas que a direcção do Desportivo sempre garantiu a todos aqueles que afluem ao Ferroviário.

Desencorajou, por isso, aos incapazes de acatar as indicações de segurança a comparecer no estádio, por considerar que o recinto desportivo constitui um local em que as claques e adeptos opostos podem coabitar sem desacatos, nem afrontas físicas.

“Quem vai ao estádio precisa de sentir-se reconfortado, em segurança. É a nossa bandeira, damos isso a todos os que se deslocam ao Ferrovia, e continuar a fazê-lo.

Por isso, aqueles que não acatam as indicações, vamos pedir para não irem ao Estádio, fiquem em casa, vejam pela televisão, ouçam ou acompanhem os jogos por outra via. O Estádio é um local de alegria em que as claques devem coabitar sem problemas, desde que respeitem as regras de jogo”, considerou.  
BN