Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Desportivo e Maio abrem ronda amanh

Betumeleano Fero - 08 de Março, 2018

Militares da Regio Sul saram derrotados diante dos sambilas na ltima jornada do Girabola Zap.

Fotografia: Paulo Mulaza

À procura de pontos para a manutenção, é o ponto alto do jogo Desportivo da Huíla - 1º de Maio de Benguela, que abre amanhã às 15h30 no Ferrovia, a contar para a quinta jornada do campeonato nacional. Os proletários têm um jogo em atraso, contudo, aparentam estar melhor do que os militares da Região Sul, já que estão com o passo mais acertado nas últimas rondas.
Os proletários vão ao Ferrovia com elevada motivação, o empate com o Petro seguido de vitória na jornada anterior, são evidências de crescimento. Ainda não é tempo da bonança, é verdade, mas o 1º de Maio tem de aproveitar o momento para amealhar o  número possível de pontos, para ir ao encontro da meta para a manutenção.
A regularidade de resultados, é o que o 1º de Maio ambiciona alcançar, sobretudo, diante de adversários da sua bitola. Os proletários sabem que os militares são  concorrentes, então, têm de mostrar atitude competitiva para evitar falhas, jogos como os de amanhã são para ganhar ou ganhar, não há margem para erro porque no final pode valer a permanência ou a descida de divisão.
Os proletários estão com um desempenho aceitável no Girabola Zap, isso é bom, porque  vai dar-lhes confiança necessária para abrir o jogo no Ferrovia. O Desportivo é um adversário equivalente, entretanto, o 1º de Maio vai fazer pela vida para  esticar-se  somar e seguir, sem precisar de mais tarde pensar em milagres nos jogos com os oponentes mais fortes.
As contas do Desportivo da Huíla não estão como pretendia, os militares costumam ser negligentes quando não devem e então não pontuam, motivo por que a partir de agora têm de renovar a atitude , caso contrário, vão fazer um campeonato de recuperação que nem sempre é o ideal, porque aumenta os níveis de ansiedade por cada mau resultado, e é um passo em direcção ao abismo, diga-se segunda divisão.
Os militares acostumados ao convívio com as dificuldades, uma vitória sobre os proletários pode constituir uma tarefa complicada, mas alcançável. É verdade, que a intermitência de resultados é real, porém, de modo algum significa que o Desportivo esteja fraco demais, ao ponto de não ter apetite para vencer.
Como é de praxe, os militares vão ser ousados no seu Ferrovia , mais importante do que tomar o controlo do jogo, é matar a esperança proletária de pontuar extramuros.  Todos os desafios são feitos em bons e maus momentos, ninguém precisa de ensinar ao Desportivo qual é a altura ideal para não vacilar, dado que a lição do empate na estreia com o Interclube constitui uma lembrança que os militares têm de olhar sempre, para não desperdiçarem quando estiverem com a mão na massa.