Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Desportivo novo lder condio

10 de Abril, 2016

O Desportivo da Hula est com uma caminhada imparvel nessa fase do Girabola Zap 2016.

Fotografia: Jornal dos Desportos

O Desportivo da Huíla está com uma caminhada imparável nessa fase do Girabola Zap 2016. Ontem derrotou o Atlético Sport Aviação (ASA) em pleno Estádio dos Coqueiros por 2-1, com golos apontados por Cassinda, vindo do banco no reiníco da partida, aos 52´, e Kialunda, que marcou na própria baliza, sob pressão do adversário aos 70´.

O golo do ASA foi apontado por Guelor, aos 75´, na cobrança de uma grande penalidade resultante do derrube de Minguito por Tchitchi na grande área do Desportivo da Huíla.

A partida começou com uma pressão da equipa aviadora, tal como lhe cabia o direito, ao que conseguiu criar muitas oportunidades de golos, mas com uma pontaria mal afinada, não foi capaz de violar as redes à defesa do seu guarda-redes Nuno.

A equipa treinada por Roberto do Carmo "Robertinho" esteve mesmo à beira do golo aos 3 e 4 minutos do jogo, mas a determinação do guarda-redes Nuno em não sofrer golo falou mais alto, tal como veio a acontecer no minuto 38, com este guarda-redes a negar o tento ao Guelor, atirando com uma palmada para lá da pequena área. Não sendo mero assistente no rectangulo de jogo, o Desportivo da Huíla, manietado pela alta temperatura que se fazia sentir no relvado, foi respondendo na medida do possível, e foi nessa toada que se chegou ao intervalo, com o empate a zero bola.

No reatamento, Ivo traça efectuou duas substituições simultâneas, pondo em campo Cassinda e Yuri, para os lugares de Nanay e Chiwe, trocas que vieram dar outra dinâmica ao ataque do conjunto da Região Milita Sul.

Fruto disso, o treinador do Desportivo viu sua aposta surtir efeito, ao marcar o primeiro golo por intermédio de Cassinda, aos 52´, e o segundo, aos 70´, através de um auto-golo apontado por Kialunda, devido à forte pressão que a equipa da Huíla exercia sobre o adversário.

Ainda assim, mesmo a perder por 2-0 o ASA não ficou no alheio, batalhou à exaustão até que chegou ao tento de honra, apontado por Guelor na cobrança de uma grande penalidade. O trabalho do árbitro Armando da Silva, bem como os seus auxiliares Miguel Luvumbo e Manuel Lobe foi razoável, num jogo em que o melhor em campo foi sem dúvidas, o guarda-redes Nuno, pelas excelentes defesas que efectuou ao longo da contenda.