Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Desportivo enriquece plano de treino

Benigno Narciso, Lubango - 31 de Agosto, 2016

Jogadores do plantel dos militares da Regio Sul esto determinados em afastar o mau momento que a equipa enfrenta no campeonato nacional

Fotografia: Eduardo Pedro

A equipa - técnica do Desportivo da Huíla (CDH) vai enriquecer, nos próximos dias, o plano de preparação da semana, com a realização de jogos de controlo, de modos a avaliar, corrigir e elevar os níveis competitivos necessários para disputar  em melhores condições as próximas oito jornadas do Girabola Zap 2016, competição que regista uma pausa de 19 dias.

A agenda vai ser materializada com a realização de testes, diante de adversários de “peso” que evoluem no Girabola Zap, como o 1º de Maio de Benguela e a Académica do Lobito. O terceiro jogo pode ser com um misto da Huíla, como frisou ontem no Lubango, o adjunto Lacerda Tchipongue.
“Temos previsto a realização de jogos de controlo. Prevemos efectuar uma pequena deslocação a Benguela, para jogarmos com o 1º de Maio e com a Académica do Lobito. Temos também o misto da Huíla,  que nos tem ajudado muito, para além de possuir atletas com níveis que estão dentro dos nossos interesses, está sempre disponível”, disse.

Enquanto isso, no relvado do Estádio de Nossa Senhora do Monte, o grupo às ordens de Ivo Traça trabalha com rigor e disciplina. A meta passa para além de conservar os níveis já adquiridos, elevar a adquirir condições “nunca antes alcançadas”, pois só assim pode ser possível efectuar a desejada revolução, sobre os resultados menos conseguidos, conquistar vitórias e materializar o objectivo traçado: a manutenção.

A 13ª posição, que a equipa ocupa na tabela de classificação com 23 pontos, apenas acima dos três últimos colocados na zona de despromoção, inquieta o técnico  Ivo Traça e coadjutores.Essa condição faz prever mais rigor e atenção no trabalho, assim como encarar com responsabilidade redobrada, os próximos desafios, que devem ser “autênticas finais”, a começar  pela deslocação no dia 11 de Setembro, a Luanda, onde enfrenta o Petro de Luanda, desafio a contar para a 23ª jornada da prova.

Depois de ter protagonizado este ano, o seu melhor arranque de sempre em participações no Girabola, em que a equipa chegou a liderar de forma isolada, os comandados de Ivo Traça entraram em “queda livre”, ao atravessar um período de 12 jogos sem vencer, interrompida com o triunfo diante do ASA, na última jornada, daí a necessidade de vencer. Para o efeito, a equipa aposta no trabalho que efectua na capital huilana, com o grupo completo.