Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Desportivo espreita vitria na Cala

BETUMELEANO FERRO - 30 de Novembro, 2019

Huilanos tm misso difcil na deslocao ao terreno dos caalenses

Fotografia: Aro Martins (Hula) | EDIES NOVEMBRO

O Desportivo da Huíla é capaz de espremer-se ao máximo esta tarde, na deslocação extramuros ao reduto do Clube Recreativo da Caála "CRC", a partir das15H00, em busca da vitória que lhe vai permitir retirar o proveito possível das "férias" da Académica e Libolo, que não jogam este fim-de-semana porque os adversários, 1º de Agosto e Petro, vão estar engajados nas Afrotaças, para ultrapassar os libolenses e igualar os estudantes com os mesmos 25 pontos.
A troca de posição vai ser como subir apenas um degrau, ainda assim vale todo o sacrifício possível, pois vai permitir pressionar as equipas que ocupam a terceira e a quarta posição, respectivamente.
Os militares da Região Sul há anos que consolida a sua posição no campeonato angolano, ao contrário do CRC que há poucas jornadas trocou de treinador e, uma vez mais, foi a busca de David Dias.
A diferença entre as duas equipas é evidente. A formação do Lubango continua a ser regular na colheita dos pontos, uma realidade que o confrade do Huambo ainda desconhece, motivo por que mudaram o comando técnico, para tentar chegar ao mesmo nível dos melhores do Girabola.
A troca de treinadores ainda não deu resultados imediatos ao Interclube de Angola. A direcção dos polícias continua igual a si mesma e, aceita sem receio ser como o teimoso que tem paciência para experimentar tudo até encontrar o fato da sua medida. Esta tarde no 22 de Junho, 15H30m, o Interclube vai tentar pôr em sentido o irrequieto Wiliete de Benguela, cuja estreia no campeonato está a ser marcada por resultados surpreendentes, até contra os colossos do nosso futebol.
Ivo Campos está a começar como treinador principal, mas durante os anos consecutivos em que foi adjunto de Zeca Amaral teve a oportunidade de ver como jogam as equipas de Agostinho Tramagal.
É verdade que o técnico rival tem mais anos de casa, mas o novato está proibido de falhar contra o primodivisionário. A sua direcção quer que justifique o voto de confiança para ter tempo de aquecer o banco em que senta e, nem o facto do Wiliete entrar em campo com um ponto de vantagem vai dar desconto ao líder dos polícias.
A viver momentos de grande intermitência competitiva, o FC Bravos do Maquis vai tentar somar no Mundunduleno três pontos contra o Sporting de Cabinda. O momento competitivo favorece os leões, pois não estão muitos furos acima dos maquisardes.
O Sporting é 6º, com 17 e o Maquis  9º, com 15, mas fica evidente que os anfitriões vão ter de fazer um esforço extra para conseguir abater o seu oponente, que tem feito uma campanha mais regular e consistente.
O 1º de Maio ainda vive no doce passado, por isso o Ferrovia do Huambo vai esta tarde ao Municipal tentar obter uma vitória, capaz de ser decisiva na fuga à despromoção. O jogo começa às 15H30, com os proletários a serem forçados a fazer pela vida para prevalecer diante do estreante.
A mudança de treinadores já faz o Sagrada Esperança dar um ar da sua graça. Contudo, ainda é cedo para tirar todas as conclusões possíveis, mas há motivos para esperar que amanhã a partir das 15, no 4 de Janeiro, os diamantíferos prolonguem a bonança diante do Santa Rita, lanterna vermelha do campeonato nacional.
O Cuando Cubango FC e o Progresso Sambizanga estão separados por um mísero ponto e, a jogar nos Eucaliptos na condição de dono da casa,  tem de mostrar atitude competitiva para impedir a ultrapassagem dos sambilas.
A equipa anfitriã tem visto os visitantes a pagar o preço alto dos problemas internos, mas se manter o foco nisso pode chorar e ranger os dentes no final do jogo, que começa amanhã às 15 horas.