Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Desportivo promete "reviravolta"

Morais Canmua -Lubango - 06 de Maio, 2015

Direco da equipa militar da Regio Sul acredita na reviravolta e concede voto de confiana equipa tcnica liderada por Ivo Traa

Fotografia: Arimatia Batista

O director administrativo do grémio,  Ezequias Domingos, considera que a má fase que o Clube Desportivo da Huíla atravessa no Girabola,  em que  ocupa a 14ª posição com nove pontos,  nem por isso, provoca reboliço nas suas hostes. O dirigente sustenta, que a direcção do clube, acredita na reviravolta e concede voto de confiança ao técnico Ivo Traça. “Não há com que se preocupar”, disse o dirigente e adiantou que da parte da direcção “tudo tem sido cumprido e acautelado”, afastou a hipótese de haver insuficiências no pagamento de salários e prémios de jogo aos jogadores e outros incentivos.

“O que se põe aqui é apenas o redobrar de um trabalho estrutural, quer técnica como psicologicamente, ao atletas, porque de nossa parte está tudo em dia”, disse Ezequias Domingos para quem a crise é apenas cíclica e passageira.

O dirigente, apesar de não especificar as razões profundas da visível crise de resultados, esquivou-se a abordar aspectos técnicos, limita-se a dizer que a sua direcção tem pontualmente aconselhado os técnicos nas questões que acha pertinente.

O facto de a equipa  não pontuar há quatro jogos, ter uma média de golos marcados precária, tendo sofrido avulumado número deles, soma  nove  pontos nas últimas posições da classificação, constitui uma “grande preocupação” da direcção, mas ainda assim, segundo ele, “moderada”.

“Ainda temos muito campeonato pela frente. Temos consciência que devemos recuperar agora, mas confiamos na capacidade dos técnicos e atletas que temos, por isso, aconselhamos calma e ponderação”, defendceu.


12ª JORNADA
Jogo com Petro
empenha o grupo


A equipa do Clube Desportivo da Huila, prepara a todo o gás, o desafio referente a 12ª jornada diante do Petro de Luanda, aprazado para domingo no estádio da Tundavala.

Ontem, no relvado do estádio do Ferroviário da Huila,  no período da manhã, Ivo Traça centrou as atenções nos aspectos de concentração defensiva e finalização de jogadas ofensivas. As insuficiências registadas no jogo da jornada passada diante do Sporting de Cabinda em que sofreram o primeiro golo aos seis minutos de jogo,  provocou atenções especiais.

O jogo diante do Petro de Luanda, trás alguns aditivos, que fazem os atletas apostar na sua reabilitação e consequentemente da equipa. Os petrolíferos são um adversário de grande gabarito,  “acaba por trazer motivações adicionais em cada um dos jogadores que apostam em dar o seu melhor”, disse o técnico Ivo Traça. Para ele, o trabalho que vamos desenvolver durante a semana vai ditar o rendimento do desafio.

Hoje, a equipa volta à labuta, no mesmo período e local para começar a desenhar a estratégia a utilizar no desafio diante dos petrolíferos, que trazem o orgulho ferido depois de na jornada passada terem perdido diante do Kabuscorp do Palanca. Tal como tem sido, seu pronunciamento, Ivo Traça sustenta nao temer nenhum adversário,  “apenas respeitamos”. Para o jogo de domingo na Tundavala, promete “assumir as responsabilidades e fazer bem os trabalhos de casa”.
MC


PRESTAÇÃO DA 1ª VOLTA
“Quem morre de véspera é o peru”


O director do clube huilano apontou como exemplo provas passadas em que o Desportivo da Huíla terminou a primeira volta com seis pontos, em 2001, e com dez pontos em 2005, tendo recuperado no segundo turno da prova.

“Parece uma sina, sempre tivemos primeiras voltas sofríveis devido a factores inexplicáveis mas conseguimos recuperações titânicas na segunda etapa da prova”, disse.

No Girabola do ano passado, por conta dos maus resultados, o técnico Mário Soares foi afastado numa altura como esta, concretamente à entrada da 12ª jornada, quando a equipa somava apenas sete pontos em 11 jogos.

No presente Girabola, sob o comando de Ivo Traça, a equipa não conseguiu mais do que duas vitórias, três empates e seis derrotas, tendo marcado sete golos e sofrido 14. Sobre isso, o director administrativo aconselhou calma aos sócios e aficionados, prometendo uma recuperação efectiva nos próximos desafios.Para si, é inexplicável “a excessiva apatia, falta de ambição e dinamismo por parte dos atletas”, razão pela qual assegurou que “um profundo trabalho psicológico tem sido feito no seio dos jogadores”.

Em relação ao calendário de jogos que a equipa tem por cumprir até ao término do primeiro turno do campeonato, Ezequias Domingos sustentou que tudo pode ser possível, porque, tal como fez questão de sublinhar “quem morre de véspera é o peru”.

O Desportivo da Huíla defronta na 12ª jornada o Petro de Luanda em casa, para na jornada seguinte medir forças com o Interclube, em casa deste. Na jornada 14 recebe o ASA para fechar a primeira volta em Saurimo, onde defronta o Progresso da Lunda Sul.
MC