Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Desportivo regista melhor arranque

Morais Canmua -Lubango - 26 de Março, 2016

Militares huilanos digeriram primeira derrota no Campeonato Nacional de Futebol da Primeira Diviso e esperam regressar s vitrias na recepo ao Interclube

Fotografia: Arimatia Batista

O Clube Desportivo da Huíla teve nesta época o melhor início no campeonato nacional da I divisão. Ao cabo de cinco jornadas disputadas, a equipa orientada por Ivo Traça somou dez pontos, fruto de três vitórias, uma derrota e o mesmo número de empate.

Os militares da Região Sul ocupam neste momento a segunda posição na tabela classificativa acima dos candidatos ao título e de formações com objectivos mais ambiciosos em relação à formação huilana que traçou como meta a melhoria da prestação em relação ao ano anterior.

Depois de um arranque triunfante nos primeiros três jogos frente ao Sagrada Esperança da Lunda Norte, em casa, Porcelana F. C, no Cuanza Norte e o Progresso do Sambizanga, em Luanda, todos por apenas 1-0, liderou a prova a par do 1º de Agosto com nove pontos. 

Na quarta ronda surgiu o primeiro empate caseiro 2-2 com o 1º de Maio de Benguela e na jornada seguinte averbaram a derrota na visita ao Kabuscorp do Palanca por 2-1, ainda assim conserva a segunda posição.

Face aos resultados alcançados, o Clube Desportivo da Huíla protagonizou o melhor arranque de sempre, enquanto o pior aconteceu no Girabola 2003, em que ao contrário do actual, nas cinco primeiras jornadas averbou  derrotas.

Na altura, sob o comando do técnico Ndunguidi Daniel substituído depois por João Machado, o CDH terminou a primeira volta com seis pontos. Nesse ano, enterrou a malapata,  apesar de realizar  uma segunda volta irrepreensível não conseguiu evitar a despromoção.

A primeira participação no Girabola aconteceu na época de  2002, altura em que ascendeu ao maior escalão do futebol nacional. Das 12 edições como “inquilino” da prova, a equipa nunca teve um arranque tão auspicioso como este.

As melhores classificações do grémio militar da Região Sul na alta roda do futebol nacional ocorreram em 2006 e 2013. Com Jorge Humberto Chaves, primeiro, e Agostinho Tramagal depois, a equipa terminou a prova em sexto lugar com 36 pontos, com dez vitórias,  seis empates e dez derrotas.

Sete anos depois com o técnico Mário Soares à cabeça,  a equipa logrou alcançar igualmente o sexto lugar com 42 pontos, resultados de dez vitórias, 12 empates e oito derrotas, nessa mesma época foi finalista vencido da Taça de Angola e conquistou o direito de disputar  as competições africanas, caiu na segunda eliminatória diante da experiente equipa tunisina do Bizertin.


ÉPOCA 2016
Direcção augura
boa classificação


Com a manutenção da equipa técnica e o grosso do plantel da temporada passada, a direcção do Desportivo da Huíla apostou além da manutenção na prova a melhoria da classificação e o sexto lugar de 2006 e 2013 posição mais alta até ao momento.

Os resultados alcançados até ao momento deixam antever uma campanha airosa e os militares da Região Sul têm a percepção que podem fazer já o seu "pé de meia" e perspectivar uma segunda volta descansada, apesar de reconhecerem que muito ainda pode acontecer neste primeiro turno da prova.

Aliando à posição que ocupam e as exibições demonstradas, conferem um grande alento ao conjunto que conhece muito bem as peripécias que encarnam o campeonato, por isso, o arranque “demolidor” serve de catalisador para os jogos subsequentes.

De resto, nem com as saídas de vulto do lateral direito Sidney, dos médios ofensivos Baby e Josy, e do atacante Emanuel Mbongó,  o plantel ressentiu-se. Em contrapartida, a equipa conta agora com o concurso de alguns atletas vindos dos escalões de formação, com destaque para Malamba e Mendes.

Para além destes, as entradas do atacante Bebucho, ex -1º de Maio de Benguela, do médio Adão (irmão mais velho de Mingo Bille) e do guarda-redes Nuno ex -Interclube tornaram o plantel mais forte.

Trabalho
Militares preparam sexta ronda


Com o objectivo de trilhar o caminho das vitórias no Girabola Zap 2016, após a derrota na ronda passada, o Desportivo da Huíla está a preparar-se para o jogo com o Interclube, com muitas cautelas.

O duelo frente aos policias, adversário que tem o orgulho ferido devido ao desaire tido em casa, obriga os militares da Região Sul a aplicarem-se  a fundo para reverem e corrigirem os erros cometidos no jogo passado.

O técnico Ivo Traça depois de conceder alguns dias de "férias" ao plantel, reiniciou ontem a preparação no relvado do Estádio do clube Ferroviário da Huíla. A recuperação física e aprimoramento de alguns conceitos técnico-tácticos dominaram a sessão de trabalhos. Quanto ao jogo de domingo no Lubango, Ivo Traça assumiu que a expectativa é grande e os objectivos passam por alcançarem mais um triunfo para manter na vertente das vitórias.

"Queremos continuar a somar pontos e a fazer da melhor forma o nosso trabalho. Respeitamos o nosso adversário, mas em nossa casa mandamos nós", ressaltou o técnico para quem a diferença posicional entre as duas equipa "não diz absolutamente nada".

À entrada da sexta jornada do Girabola Zap 2016, o Clube Desportivo Huíla, durante três rondas comandou exa-quo com o 1º de Agosto, é o segundo classificado com dez pontos, enquanto o Interclube ocupa à 11ª posição com seis pontos.
MC