Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Direco critica actuao de Talaya

14 de Julho, 2018

O Petro de Luanda apresentou uma reclamao Federao Angolana de Futebol (FAF

Fotografia: Paulo Mulaza | Edies Novembro

O Petro de Luanda apresentou uma reclamação à Federação Angolana de Futebol (FAF), no passado dia 10, em função da actuação do árbitro Paulo Talaya, no desafio diante do Sporting de Cabinda
A direcção do clube considera, que o árbitro cometeu irregularidades durante a disputa, que terminou em empate a uma bola. A informação foi prestada à imprensa, em Luanda, pelo presidente do clube petrolífero da capital, Tomás Faria, no final de um encontro com a direcção da FAF.
De acordo com o dirigente, após analisado o lance polémico que deu o golo do empate (1-1) à formação leonina da província de Cabinda, a sua agremiação decidiu manifestar o seu descontentamento junto do órgão que rege a modalidade em Angola.
“Verificamos, cuidadosamente, a trajectória e pensamos que a bola embateu no poste e não ultrapassou a linha de golo. Vamos aguardar o desfecho do caso”, disse Tomás Faria, que foi indicado como porta-voz da reunião que se realizou na sede da FAF.
A reunião contou com a presença dos presidentes do 1º de Agosto e do Interclube, respectivamente, Carlos Hendrick e Alves Simões, e abordou questões relacionadas com a calendarização da segunda volta e do conselho de disciplina, devido às várias penalizações.
Estes assuntos serão analisados na próxima assembleia-geral da FAF, que vai decorrer no dia 25 deste mês de Julho.
O presidente do Conselho Central de Árbitros de Futebol de Angola (CCAFA), Jorge Mário Fernandes, informou que este caso polémico que ocorreu na 22ª jornada no Estádio do Tafe, em Cabinda, entre o Sporting local e o Petro de Luanda, está a ser revisto.
“Nós recebemos as imagens da Televisão Pública de Angola (TPA) e da ZAP/TV e estamos a analisar sem pressas, para não tomarmos decisão precipitada. Temos algumas dúvidas, mas vamos com cuidado’’, disse.
O responsável da arbitragem do futebol nacional indicou, que este assunto só pode transitar para o Conselho de Disciplina, caso haja provas de suborno, para as devidas punições.
Ao contrário disso, prosseguiu, se for apenas um erro normal, vão ser tomadas as medidas internas do Conselho.
“Posso garantir-vos, que de momento, o juiz Paulo Talaya está suspenso até se apurarem os factos, se terá agido propositadamente ou despropositado. A bola não bateu no posto, tão pouco no travessão, mas na rede. A única dúvida que pode persistir, é se a bola ultrapassou a linha de golo”, rematou.