Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Director-geral do CDH pede calma aos adeptos

Gauncio Hamelay no Lubango - 11 de Março, 2019

O director geral do Clube Desportivo da Hula assegurou, que a meta no Girabola Zap 2018/2019.

Fotografia: Edies Novembro

A direcção do Desportivo da Huíla pede calma aos adeptos, amigos e simpatizantes do clube e solicitou igualmente para continuarem a afluírem aos campos, para apoiarem a equipa que compete no Girabola Zap.“Aos adeptos, as nossas sinceras desculpas pelo grande inicio de jogo e no final todos viraram-nos as costas. São momentos de futebol. E não queremos aqui recordar, jogos idênticos ou façanhas, que têm acontecido no futebol”, pediu. Carlos Manuel referiu que todo jogador de futebol sabe que isso acontece.
Por isso, “tenham calma e continuem a afluírem aos campos. Nós vamos averiguar como dissemos e ao seu tempo daremos resposta aos nossos adeptos.
 A esses, o nosso maior respeito. Por isso, não defraudaremos”, apelou. O director geral do Clube Desportivo da Huíla assegurou, que a meta no Girabola Zap 2018/2019, passa sempre pela manutenção da equipa.
“Dissemos sempre aos jornalistas que se nos deixarem ir, nós vamos até onde nos deixarem ir. Se isso implicar título será o título. Entretanto, volto a dizer que o grupo tem se encontrado bem. Não temos grandes estrelas.
Nós temos uma constelação, que está a dar esses resultados positivos”, disse. Reconheceu que, “infelizmente, vamos tendo alguns desadores que é este caso em particular. Não sei até que ponto essa polémica poderá influenciar nos futuros resultados”.Informou, que a direcção do clube manteve há dias, na cidade do Lubango, um encontro com o governador provincial da Huíla, Luís da Fonseca Nunes, com relação ao sucedido no jogo do dia 3 do corrente. “Fomos unânimes de que isso não pode afectar os futuros resultados.
 Que devemos impor-nos e conversar com os atletas”, salientou.Anunciou que o governador provincial da Huíla, Luís da Fonseca Nunes, programou um encontro com os atletas, no sentido de debelar situações do género.“Se foi quebra física, que podia ser hipoteticamente ou se foi por algum movimento de alguém, que considero não faça parte do grupo, se isso foi o que aconteceu, então vamos debelar, para que os resultados não sejam afectados no futuro”, ressaltou.
 Carlos Manuel sustenta que não acredita muito na conquista do título, porque essa ambição não passa somente pelos resultados futebolísticos, mas também por várias componentes que o Desportivo tem que se precaver para assim o fazer.“Somos uma equipa pequena, mas a experiência nos está dando algum ´know-how´, que pode chegar próximo disso.
Agora, os atletas têm dado uma resposta muito boa e positiva. E esperemos que isso que aconteceu no jogo diante do 1º de Agosto, que culminou com o empate de 3-3, não tenha afectado no aspecto psicológico dos atletas”, destacou. 

INDIGNAÇÃO   
Direcção acusa imprensa de sujar reputação do Desportivo 

O director-geral do Desportivo da Huíla, Carlos Manuel, considera haver pretensão de certo segmento da comunicação social, de sujar a reputação do clube e de veicular informações, que tendem a fazer perceber existir uma orientação à equipa de futebol, para facilitar e beneficiar o 1º de Agosto nos desafios do Girabola Zap 2018/2019.
“Quero pôr aqui claro, que é o que se tem passado e acho que os jornalistas pretendem, nas entrelinhas, também fazer passar que é, haver uma orientação da direcção ( do Clube Desportivo da Huíla) para se perder os jogos contra o 1º de Agosto. Não é a primeira vez. Isso já tem acontecido desde 2013. Querem sujar todo um trabalho de anos do Desportivo da Huíla”, indiciou.
Carlos Manuel, que falava aos jornalistas na sede do Desportivo, para emitir a posição oficial do clube, sobre o jogo passivo de alguns jogadores da equipa para, supostamente, beneficiar o 1º de Agosto, no desafio da 17ª jornada, apelou a imprensa a escusar-se de colocar em causa a idoneidade da direcção do grémio afecto à Região Militar Sul.
“Não ponham em causa a idoneidade da direcção do Desportivo da Huíla. O que aconteceu foi, quem sabe, uma quebra nos últimos 13, 14 minutos. Como a parte má é que sobressai, consideram mau o Desportivo ter empatado com o 1º de Agosto. Deveria ganhar?! 
É o único jogo que os jornalistas querem que o Desportivo ganhe? Os outros não interessam muito, não digam que actuamos sem verdade desportiva”, disse.