Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Disputa at ao fim

Betumeleano Fero - 25 de Agosto, 2018

Os militares tm um adversrio modesto, Cuando Cubango FC, enquanto o tricolor mede foras com o Sagrada, a equipa que lhe devolveu a esperana.

Fotografia: Jornal dos Desportos

O Girabola Zap 2018 está a uma ronda do final, curiosamente, do campeonato também só restou um único atractivo, a definição do campeão. Há dois cenários possíveis: o título pode cair para o 1º de Agosto ou para o Petro de Luanda. Se acontecer a esperada revalidação dos militares, vai ser uma repetição que já começa a virar moda, pois será a terceira vez consecutiva, mas se os tricolores acabarem com esta rotina, vão fazer uma das festas mais ruidosas da sua história, por superar o rival na última ronda.
A ditadura militar voltou a fazer mossa no Girabola Zap nas últimas temporadas, com a particularidade disso estar a acontecer sempre à custa do Petro de Luanda, eterno adversário do 1º de Agosto. As estatísticas de 2016 e 2017 mostram o mesmo denominador comum, os rivais travam o mesmo despique de sempre até quase perto da meta, depois o tricolor morre na praia, tudo fazia crer que a história voltaria a se repetir, mas os resultados da 29ª jornada, empate militar e vitória tricolor, inverteram esta tendência, pelo que o filme de 1996 vai ser repetido, no próximo dia 2 de Setembro do corrente.
Por exemplo, em 2016, época de estreia de Beto Bianchi, o 1º de Agosto disparou de imediato na primeira volta, mais do que o título de campeão do turno inicial terminou com confortáveis 5 pontos de vantagem sobre o Libolo, segundo classificado, enquanto o Petro foi terceiro com 27.
Os 8 pontos de atraso pareciam a morte do artista, mas a chegada de Tiago Azulão, na segunda volta, colmatou a falha dos golos, motivo porque quando o \"relaxado\" 1º de Agosto empatou duas vezes seguidas, 22ª e 23ª, o Petro acelerou e ficou à três pontos de desvantagem, a questão do título ganhou um novo ímpeto, porque os colossos do campeonato voltaram a ser os gigantes em duelo.
A diferença pontual manteve-se até os minutos finais da 29ª, o 1º de Agosto terminou o jogo mais cedo, porém ficou no relvado, a roda no círculo central com o rádio ao ouvido tinha razão de ser, o Petro falhava golos e ameaçava desfazer o nulo nos Coqueiros com o Benfica. Tão logo, soou o apito final no velhinho, como também o estádio às vezes é chamado, os militares fizeram a festa do desjejum, a atitude de espera que perdurava desde 2006 terminou com a consagração antecipada.
Com 66 pontos, 6 de vantagem, o 1º de Agosto entrou no clássico enfaixado de campeão, pelo que o desaire de 1-0 apenas serviu de consolação para o Petro de Luanda, mas a certeza ficou, os rivais poderiam ter feito o inédito, disputar o título na última jornada, mas como o tricolor tropeçou a uma ronda do fim, os militares aproveitaram o mal que veio para bem.
A revanche tricolor poderia ter acontecido de imediato em 2017, o Petro dobrou o turno inicial como campeão, mas o pontito de vantagem era um lembrete eficaz de que o rival ainda tinha de ser tido e achado. Quando na 24ª o 1º de Agosto venceu o clássico e a partir daí houve trocas constantes no comando do Girabola Zap, mas é ponto assente que a separação das águas só aconteceu na jornada 28, o Petro perdeu com o Sagrada, o 1º de Agosto arrancou a ferros 2-1 sobre o Progresso da Lunda-Sul e ficou a uma vitória do bis, portanto, ao ganhar na 29ª só tinha de cumprir calendário no fim, pois os pontos derradeiros em nada influenciariam os festejos, 1º de Agosto (65) e Petro (62), foi a pontuação final.
Essa época, a história voltou a ser escrita da mesma maneira. O 1º de Agosto foi rápido a chegar ao 2-0 e, a partir do clássico, a esperança do Petro de Luanda começou a morrer a cada jornada em que o 1º de Agosto mantinha o apetite pelas vitórias. As más lembranças do passado prenunciavam o mesmo das 3 temporadas consecutivas, depois de tirar do caminho o último obstáculo montanhoso, tudo indicava que o campeão iria revalidar por antecedência, mas não é isso o que vai acontecer desta vez.
O inesperado aconteceu mesmo, assim vai ser a última jornada a definir o campeão, ganhar ou ganhar é o lema para o 1º de Agosto e o Petro de Luanda. Os militares têm um adversário modesto, Cuando Cubango FC, enquanto o tricolor mede forças com o Sagrada, a equipa que lhe devolveu a esperança.