Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Disputa renhida

Betumeleano Ferro - 16 de Fevereiro, 2019

Tricolores e militares da Regio Sul acertam hoje a 11 jornada

Fotografia: Antonio Soares | Edies Novembro

O Petro de Luanda acerta o calendário esta tarde com o Desportivo da Huíla, a contar para a 11ª jornada, às 16h00 no Estádio 11 de Novembro, a pensar na vitória que permita encurtar para três pontos, a desvantagem em relação ao líder 1º de Agosto.
 Depois de desperdiçar a oportunidade de igualar o campeão nacional, isolado no comando, os tricolores estão sob a obrigação de triunfar, para ultrapassar o inesperado intruso que está competitivo demais e não quer sair da cómoda posição em que se encontra.
Antes mesmo da bola rolar, as duas equipas têm a percepção da disputa renhida em que estão envolvidas. A bem da verdade, existem contas antigas por saldar.
 O facto do Desportivo ser uma continuação do 1º de Agosto cria uma atmosfera diferente ao Petro.Se vencer sem “espinhas”, todos vão falar de superioridade, mas se acontecer o inverso, até pode ser um empate, as pessoas vão recordar e fazer colagem com o...Ainda bem, que o acerto de calendário ocorre num momento em que os dois contendores  provaram de que são capazes. Ninguém, está à espera de coisas extraordinárias esta tarde, a única certeza é que os três pontos, podem cair para cada um dos lados.
  Este, é dos jogos em que o ligeiro favoritismo de um lado, Petro , de modo algum significa garantia de um passeio tranquilo, ainda mais porque o Desportivo  está a fazer uma campanha, sem comparação.
A equipa da casa aposta em várias direcções, para colher tantos frutos quantos os possíveis. Esta dispersão tem energias e as suas consequências, mas nenhuma delas supera a recompensa.
É verdade que os tricolores jogaram na quarta-feira, mas se estão empenhados em várias frentes, é por que calcularam o custo com exactidão. Pensamos, não ser a hora de falar em cansaço, sobrecarga de jogos ou pouco tempo de recuperação!
A equipa tem de provar em campo que sabia o que estava a fazer, quando estabeleceu prioridades para a temporada, isto é, a competição doméstica e a fase de grupos das Afrotaças.
A precisar, à todo o custo de três pontos, para se aproximar do grande rival, os tricolores estão sob enorme pressão, a margem de erros é mínima. O atraso de seis pontos é considerável, demais, para soar o alarme. Entre diminuir ou permitir que aumente a vantagem do rival, fica claro que o Petro sabe qual a coisa certa a fazer, mas nada melhor do que esperar pelo fim dos 90 minutos, para ver se estão à altura das suas responsabilidades ou se vão ser negligentes, na hora.
O Desportivo da Huíla vem a Luanda sem a necessidade de provar nada a ninguém, só tem de repetir o que fez até agora. Não precisa de inventar mais nada, porque foi a humildade que deu todos os resultados favoráveis.
 A equipa militar do Lubango tem tudo o que precisa para sair de Luanda com um bom resultado, só tem de preocupar-se em repetir a receita que deu sucesso, quando prevaleceu sobre os adversários mais cotados.Se um empate ajudar na causa dos visitantes, o mesmo não se aplica aos anfitriões, pois, há a necessidade dos tricolores acertarem o calendário com atitude competitiva, mas precisam de fazer tudo o que estiver ao seu alcance para ficarem um lugar atrás do líder.

PETRO DE LUANDA
Beto Bianchi quer arbitragem limpa 

O treinador do Petro de Luanda, Beto Bianchi, espera hoje diante do Desportivo da Huíla, em acerto da décima-primeira jornada do Girabola Zap 2018/2019, por um bom trabalho da equipa de arbitragem e um jogo limpo, devido as constantes agressões que têm sofrido os jogadores tricolores. 
De acordo com o treinador tricolor, o Petro tem sido muito prejudicado nos jogos em casa e os jogadores sofrido muitas agressões, ante o olhar cúmplice dos árbitros.  
"Os árbitros têm às vezes más atitudes e ninguém fala disso. Peço humildemente que os árbitros vejam bem o trabalho que fazem. A nível mundial o futebol deve ser limpo", apelou.
A sobrecarga de jogos a que estão submetidos os jogadores do Petro de Luanda, em face ao calendário internacional, tem criados enormes dificuldades aos tricolores. Mesmo assim, de acordo com o técnico Beto Bianchi, o pensamento do grupo tem que estar virado unicamente na busca da vitória em todos os jogos e o desta tarde, no 11 de Novembro, não pode ser excepção. 
"Não posso dizer que está tudo bem com o grupo, devido o esforço do calendário, porque não deveríamos estar na situação em que estamos. Em outros anos, nenhuma equipa que estava nas Afrotaças passou por essa situação, mas temos que saber conviver com essa realidade e buscar soluções. Vamos ganhar esse jogo. Sempre que entramos em campo esse é o nosso objectivo", disse.  
O técnico hispânico brasileiro, reconheceu o potencial do Desportivo da Huíla, apesar de a sua equipa estar com boa prestação no Campeonato Nacional e nas Afrotaças, e avaliou o adversário como uma "pedra no sapato" a ter em conta.
 "Sei que o Desportivo da Huíla está bem classificado, apesar de vir de uma derrota contra o Sagrada Esperança, nós o conhecemos bem, é um adversário incomodo", referiu. 
O treino de ontem serviu para aliviar o esforço e aprimorar algumas tácticas de jogo,  avaliar os jogadores que estão com alguns problemas físicos e possibilitar poupar outros, que normalmente jogam os 90 minutos.                                                      EDVALDO LEMOS

PROBLEMAS FÍSICOS 
Tiago Azulão preocupa treinador
 
O avançado Tiago Azulão volta a ser uma incógnita para o duelo desta tarde, às 16h00, no estádio 11 de Novembro, diante do Desportivo da Huíla, de acerto à décima-primeira jornada do Girabola Zap 2018/2019. Uma situação já vivida antes do duelo de quarta-feira última, ante o Gor Mahia FC, para a segunda jornada da fase de grupos da Taça da Confederação. 
Tiago Azulão queixa-se de dores no tornozelo direito e ressentiu no jogo da Taça da Confederação. 
Com isso, o fantasma das baixas no plantel tricolor continua a dificultar a estratégia do treinador Beto Bianchi, pois na lista constam  já o médio-trinco Herenilson (há duas semanas), o médio-ala Vá e o extremo Job, três peças influentes na equipa do Catetão. 
O capitão Job, que regressou aos campos no jogo ante o 1º de Agosto, depois da  paralisação por dores nas costa, voltou a ressentir da dor durante o desafio com o Gor Mahia FC. Quanto ao trinco Herenilson continua sobre os cuidados médicos.
Deste modo, dos quatro jogadores, o médio Herinilson é a única certeza dos que não vão jogar esta tarde.  
O treinador Beto Bianchi lamentou o sucedido e diz que os sucessivos jogos que a equipa tem tido, são as causas do actual estado clínico do plantel tricolor.   
"Temos o inconveniente de muitos jogos seguidos. A verdade é que os jogadores estão a fazer um esforço sobre-humano, é praticamente o mesmo grupo de jogadores, que está a jogar os 90 minutos. Para quem sabe de exercícios físicos, temos que reconhecer isso e dar os parabéns aos jogadores pela atitude", disse.                                     

MÁRIO SOARES * CD HUÍLA
“Temos que ser uma equipa activa”