Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Dragan Jovic deixa os militares

JORGE NETO - 07 de Novembro, 2017

Dragan Jovic, despede-se da equipa depois da final da Taça

Fotografia: Jornal dos Desportos/ Edições Novembro

O técnico do 1º de Agosto, Dragan Jovic, despede-se da equipa depois da final da Taça de Angola, que se disputa no sábado às 16h00, no Estádio 11 de Novembro, diante do rival Petro de Luanda, em que se põe um ponto final ao vínculo contratual de três anos e meio.
Em entrevista publicada ontem, no site oficial do clube militar, o treinador revelou que a saída da formação rubro- negra deve-se a razões de saúde, ainda assim, procurou honrar o compromisso até ao fim.
"Já falei com o presidente, no próximo ano não continuo no clube. Em relação à questão contratual, penso ser importante esclarecer algumas dúvidas sobre a minha real situação", sublinhou.
"Depois da primeira volta do campeonato, fiz na minha terra exames médicos. Infelizmente, a minha saúde não está boa, e o médico proibiu-me de regressar a Angola, mas queria acabar o nosso trabalho e felizmente conseguimos ganhar o nosso primeiro objectivo", explicou o técnico bósnio.
Dragan Jovic acrescentou, que o retorno ao país para terminar o tratamento,  constitui uma prioridade, apesar de receber uma nova proposta de contrato da direcção do 1º de Agosto para orientar a equipa.
"Eu tenho de regressar à minha terra, para resolver a questão da minha saúde. Já falei com o presidente de direcção sobre isso, uma pessoa que foi sempre correcta comigo. Ofereceu-me novo contrato, mas infelizmente como eu disse, não posso continuar", lamentou.
O treinador reforçou, que a saúde está acima de tudo, mas deixou em aberto um possível regresso ao comando da equipa do Ex-RI-20. " Primeiro é a saúde, como sempre, esta análise significa que a  porta está  fechada para um ou dois anos, se o 1º de Agosto precisar de mim podemos trabalhar novamente.
O treinador reforçou que a saúde está acima de tudo, mas deixou em aberto um possível regresso ao comando da equipa do Ex-RI-20. " Primeiro a saúde, mas esta análise não significa que a porta está fechada. Nos próximos um ou dois anos, se o 1º de Agosto precisar de mim, podemos trabalhar novamente", precisou.
Revelou que com excepção de um dos seus adjuntos, que padece da mesma doença, a equipa técnica vai manter-se a mesma. "Vou sair com mais um treinador, que também tem o mesmo problema, mas parte da nossa equipa técnica fica aqui para ajudar o novo treinador do 1ºde Agosto", frisou.
Jovic disse que vai estar desligado dos campos nos próximos tempos, mas manifestou o desejo de um dia regressar ao clube militar, pelos laços criados ao longo dos três anos que esteve ligado ao Clube Central das Forças Armadas Angolanas.
 "Nos próximos seis meses, com certeza que não vou trabalhar como treinador, porque preciso de resolver esta situação. Não escolhi outro clube, mas se continuar como treinador, deve ser o 1º de Agosto", afirmou

FECHO DA ÉPOCA
“Queremos ganhar a Taça de Angola”  
 

Dragan Jovic reconheceu, que a revalidação do título do Girabola Zap foi o ponto mais alto desta época, para o 1º de Agosto, mas o técnico ambiciona acumular mais um troféu, com a conquista da Taça de Angola.
"Obviamente, que fizemos um bom trabalho, e penso que alcançamos o nosso primeiro objectivo. Ganhámos o Girabola 2017, a Supertaça, e vamos jogar à final da Taça  também com o objectivo de ganhar. Penso, que esta época foi boa, mas queremos ganhar a Taça de Angola", perspectivou.
Os sucessivos casos de lesões, que assolaram o clube rubro - negro, complicaram o trabalho da equipa técnica que teve de depositar a confiança no plantel à sua disposição. "Esta temporada foi bastante difícil, porque tivemos muitos problemas com jogadores lesionados", analisou.
"Mas com os atletas que temos, e o bom comportamento deles no treino e nos jogos, ajudaram a equipa técnica a alcançar todos os nossos objectivos", informou e acrescentou que "primeiro, precisamos fazer uma nova equipa", comentou para colmatar a brecha dos que saíram.
"Tivemos as saídas de bons jogadores depois do Girabola 2016, e a lesão de muitos outros, mas alcançamos o objectivo porque temos um bom plantel com jogadores novos que entraram na equipa, e aproveitaram as suas oportunidades. Confirmamos que este “time” é muito bom, e pode alcançar todos objectivos", destacou.
Jovic defendeu, que o segredo da revalidação do título esteve assente em dois pilares, no trabalho e respeito.
"Nós no 1º de Agosto, temos uma regra, o respeito e muito trabalho. Trabalhamos diariamente com este  princípio, e todos os jogadores sabem das suas tarefas, e quando entram no jogo cumprem. Para mim, é muito fácil explicar, o segredo é trabalho e respeito", afirmou.
O técnico sente-se honrado, de fazer parte de uma família tão grande, como a dos agostinos. "Estou satisfeito e feliz. Para mim, é uma grande honra ser treinador principal do 1º de Agosto, ser parte de uma equipa técnica com boas pessoas, óptimos treinadores, jogadores e dirigentes. Este, é o meu sentimento, no fim desta temporada", disse.

GIRABOLA
Calendário complica acesso à Liga


O calendário do Girabola Zap complica o acesso das equipas angolanas à fase de grupos da Liga dos Clubes Campeões Africanos, de acordo com o técnico Dragan Jovic, que considera importante a equipa militar atingir esse objectivo no próximo ano.
"Para o 1º de Agosto é muito importante que chegue à fase de grupos, mas penso que com esta agenda do nosso Girabola é muito difícil, porque a pré-eliminatória começa muito cedo, em Fevereiro", observou.
"Se o 1ºde Agosto passar a pré-eliminatória, vai ter mais oportunidade para jogar melhor na primeira e na segunda eliminatória, passo importante para chegar à fase de grupos", disse o técnico que este ano viu a sua equipa eliminada na primeira eliminatória desta competição.
"Em Março e Abril, o 1º de Agosto vai ter muitos jogos competitivos, pré-eliminatória e é muito difícil, porque vai  jogar o CHAN, e Angola vai participar. Obviamente, que o 1º de Agosto vai ter muitos jogadores na selecção nacional, e quando regressarem precisam de descansar e preparar a eliminatória. Esta pré-eliminatória, para mim é mais difícil para um clube angolano jogar na Liga dos clubes campeões", analisou Dragan Jovic.
O treinador bósnio alertou à necessidade do clube militar trabalhar para melhorar a sua prestação na competição africana, e sublinhou que o objectivo tem de ser sempre, o de melhorar a prestação anterior.
"Em cada novo ano, temos de jogar melhor. Este ano fizemos bom trabalho competitivo, com perspectivas domésticas, mas queríamos mais. No próximo, o 1º de Agosto quer fazer melhor na Liga dos Clubes Campeões, e penso que a direcção já pensa  nisso, e o clube vai fazer um melhor resultado nesta competição", concluiu.