Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Drbi centra atenes

Betumeleano ferrao - 30 de Julho, 2017

Campeo defronta s 15h00 no Luena os maquisardes com o pensamento virado apenas na conquista dos trs pontos

Fotografia: Jornal dos Desportos

O 1º de Agosto defronta hoje à tarde no Luena o FC Bravos do Maquis com a ambição de tentar lançar pressão ao rival Petro de Luanda. O jogo dos militares começa e termina uma hora antes do dérbi dos tricolores com o Kabuscorp, no Luena inicia às 15h00,  em Luanda às 16h00. Uma vitória sobre os maquisardes vai atingir um objectivo duplo, cimentar a liderança e forçar o maior oponente a fazer o mesmo aos palanquinos.

Sem liberdade de escolha, no que diz respeito ao resultado, o 1º de Agosto vai ao Mundunduleno em busca de mais uma vitória, o momento por que passa a equipa é o ideal para somar e seguir, a fim de alargar o fosso pontual com a concorrência. Um empate até seria melhor do que a derrota, mas na mente dos militares há espaço para tudo, menos para desperdício de pontos nesta fase em que estão bem destacados na liderança.

Às vezes, os maquisardes costumam prevalecer em casa sobre os militares, isso significa que o nível de prontidão do 1º de Agosto está mais elevado do que nunca antes. O líder do Girabola Zap tem de perceber que está sob a obrigação de ganhar para se manter firme e inabalável na corrida pelo título, na qual conquistou uma vantagem folgada, embora à condição.

O FC Bravos deve estar feliz pelas condições em que vai receber o 1º de Agosto, de antemão os maquisardes sabem com que postura os militares vão ao Mundunduleno. A pressão que o 1º de Agosto vai fazer em todos os momentos vai cobrar uma grande exibição do Maquis, ou faz pela vida para equilibrar ou vai assistir ao passeio do líder.

A espera de um deslize dos militares no Luena, os tricolores vão ao dérbi com os palanquinos com a ambição de começar a recuperar o terreno perdido, por causa dos compromissos da selecção nacional. Somar os 3 pontos é mais do que uma obrigação para o Petro, pois para voltar ao topo da classificação os tricolores têm de passar por todos os adversários.

O grande dilema do Petro é encontrar o antídoto certo para prevalecer sobre o Kabuscorp, pois os palanquinos têm obtido grandes resultados contra os rivais de Luanda, até mesmo quando aparenta estar a jogar muito pouco. Os palanquinos voltaram a desacelerar no campeonato, aos poucos começam a mostrar cansaço para voltar a apanhar o comboio do título, mas esta tarde pode sair do 11 de Novembro com a esperança renascida com os 3 pontos diante do concorrente directo.

O Kabuscorp está desesperado para recuperar a boa forma dos velhos tempos, um triunfo sobre os tricolores pode ser determinante para recuperar as alegrias do passado. A obrigação de vencer é a mesma para as duas equipas, ainda bem que é assim porque o 11 de Novembro pode ser pequeno demais para conter a revolta dos dois contendores. O detalhe mais importante esta tarde pode ser a capacidade mental, realmente, quem souber segurar melhor as suas emoções vai encontrar o caminho seguro da vitória.

O dérbi entre tricolores e palanquinos é mais do que um tira-teimas entre duas equipas sedentas de pontos, a bem da verdade é mesmo um jogo de alto risco que merece acima de tudo uma arbitragem imparcial, incapaz de dar razão a quem gosta de repetir que as segundas voltas são dos dirigentes que corrompem árbitros.