Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Drbi frio e sem emoo

Paulo Caculo - 17 de Junho, 2018

O resultado premeia a fraca capacidade de entrega dos dois conjuntos

Fotografia: Vigas da Purificao| Edies Novembro

A igualdade \"acordada\" ontem pelo Petro de Luanda e Progresso  Sambizanga, em jogo da décima sétima jornada do Girabola, ajusta-se perfeitamente ao labor patenteado pelas duas equipas, ao longo dos 90 minutos regulamentares.
Num dérbi fraco, qualidade medíocre e sem grande emoção nas bancadas, a única recordação que a pequena falange de adeptos presente no estádio 11 de Novembro levou para casa, foram as jogadas que resultaram nos golos de Tiago Azulão e Yano.
Embora tivesse pertencido aos tricolores a criação das maiores oportunidades na primeira parte, os sambilas foram sempre potentes para dar uma pronta resposta aos insultos do adversário.
Fruto do maior volume de jogadas ofensivas produzidas, foi com alguma naturalidade que o Petro chegou ao golo marcado, aos 14\', por intermédio do suspeito de sempre, Tiago Azulão, numa jogada de belo efeito, com grande mérito para o médio Carlinhos.
A verdade é que a vantagem dos tricolores não foi muito bem recebido pelos sambilas, que trataram de correr atrás do prejuízo, lutando pela posse de bola e criação de oportunidades. Umas vezes por Yano e outras por Balakai, o ataque do Progresso espelhava a imagem clara de um conjunto inconformado com a desvantagem.
Incapaz de chegar ao empate na primeira parte, o conjunto do Sambizanga teve de esperar pelos últimos 45 minutos para inverter o resultado. Mas, para tal, o Progresso teve de suar as estopinhas e fazer pela vida.
Hélder Teixeira teve de recorrer, inclusive, ao banco para refrescar as ideias no seu meio campo. As mexidas acrescentaram muito de novo ao futebol da equipa. Surgiu uma formação muito mais espevitada na segunda etapa da partida.
Os sambilas passaram a trocar melhor a bola e a procurar mais vezes as vias, para visar a baliza do Petro. Fruto desta postura evidenciada pelos sambilas, o jogo ficou muito mais equilibrado, com ambos os conjuntos a alternarem a posse do esférico e situações de golo.
Dado o grande volume de jogadas de perigo produzidas nos últimos dez minutos, previa-se que o Progresso podia chegar ao empate. Marcou aos 70’, mas em posição irregular.
Neste período do jogo, a qualidade individual de Balakai veio ao de cima e num drible, obriga Wilson a fazer falta na área. Na transformação da grande penalidade, Yano não desperdiçou, repondo a justiça no resultado, aos 80\'.
A ponta final do jogo foi muito mais emotiva, com os tricolores e sambilas a procurarem chegar ao segundo golo, mas, a verdade, é que nem Petro nem Progresso mostraram-se capazes de marcar, em virtude do festival de falhanço que protagonizaram, numa tarde em que trio de arbitragem esteve bem.