Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Drbi na capital centraliza atenes esta noite

Betumeleano Ferro - 18 de Setembro, 2016

O Kabuscorp e o ASA cruzam-se num momento de estabilidade.

Fotografia: Jornal dos Desportos

A entrada em cena do 1º de Agosto para o cumprimento da agenda, não tira  protagonismo aos demais jogos previstos para domingo. Nenhum dos outros embates tem importância para a questão do título, é verdade, mas há motivos para acreditar que a Huíla vai fervilhar com o Desportivo - Benfica, e no Huambo, vai ser bom de se ver o Caála - Progresso da Lunda Sul, enquanto nos Coqueiros fica ao rubro o dérbi Kabuscorp - ASA.


Com excepção dos militares da Região Sul, mais nenhuma das equipas que jogam hoje corre risco de descer de divisão. Nesta perspectiva, há motivos para acreditar que os encarnados entram folgados no Ferrovia, até porque há muito que voaram para a zona de segurança, a aflição que agora mora nas hostes do adversário.

A equipa de Ivo Traça precisa mais do que vitórias morais, e esta tarde até pode trocar a boa exibição por três pontos, ainda assim, podem demorar a fugir da zona de acesso à despromoção, mas é possível que esta tarde dêem um ar da sua graça.

A equipa orientada por Zeca Amaral, apesar de estar distante da zona de despromoção, não está a ser constante no que pretende, e a maneira inesperada como alterna o bom com o mau pode fazer que o resultado no jogo com o Desportivo não cause surpresa, a quem acompanha o intermitente voo da águia no campeonato.

No Huambo, o Clube Recreativo da Caála "CRC" tem um osso duro de roer, na recepção ao Progresso da Lunda Sul. As duas equipas têm o mesmo nível competitivo, mas nada indica que apareçam com a mesma sede de vencer.

O CRC gosta de tirar proveito do factor casa, enquanto o adversário aposta  em pontos ensacados fora, um dado a reter porque é capaz de ser determinante na atitude competitiva dos contendores e ditar o desfecho da partida. A equipa caseira deve  tirar proveito dos dois trunfos que tem em mãos, o clima e o facto de jogar diante do público, mas tem de ter muito cuidado para manter o equilíbrio entre os sectores, e evitar que o adversário se empolgue  para pontuar com uma vitória ou empate.

A hora do dérbi entre palanquinos e aviadores favorece o rendimento dos atletas, nada melhor do que esperar pelos 90 minutos para aferir com exactidão, se o clima espevitou as duas equipas na procura da vitória.

O Kabuscorp e o ASA cruzam-se num momento de estabilidade. A tempestade  deu lugar à bonança, um item capaz de influenciar na atitude competitiva dos contendores. No plano teórico não parece haver motivos para remeterem-se à defesa,  espera-se um jogo aberto, os dois planteis têm qualidades para fervilharem do princípio ao fim, o Estádio dos Coqueiros.

Romeu Filemon e pupilos perderam em definitivo o comboio do título, enquanto do lado contrário, jornada após jornada, dissipam-se as dúvidas quanto à permanência na prova. Ainda assim, é difícil atribuir doses de favoritismo. Os palanquinos têm mais individualidades, os aviadores demonstram mais força mental, e é isto que faz a diferença, desde que a equipa começou a acelerar sob comando de Corola.