Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Emoes da Fina-Flor de regresso

Antnio Flix - 05 de Setembro, 2016

As equipas que lutam pelo ttulo aproveitaram a paragem do campeonato que serviu para redefinir estratgias

Fotografia: M. Machangongo

Terminada a paragem de 19 dias no Girabola Zap devido ao torneio da FESA e dos Palancas Negras para as eliminatórias ao CAN de 2017, o campeonato está pronto para que as equipas regressem à competição e os adeptos às emoções.

Sexta-feira à noite  no Estádio 11 de Novembro, o Benfica de Luanda recebe o Porcelana FC do Cuanza Norte para a 23ª jornada, conforme a programação da Federação Angolana de Futebol.

Para sábado, estão previstos os jogos 4 de Abril do Cuando Cubango-Recreativo do Libolo,  Atlético Sport Aviação -1º de Maio de Benguela, e Petro de Luanda -Desportivo da Huíla.

No domingo, constam os  jogos, Interclube -Kabuscorp do Palanca, Académica do Lobito -Recreativo da  Caála, Progresso do Sambizanga-Progresso da Lunda Sul e 1º de Agosto -Sagrada Esperança da Lunda Norte.

De hoje até ao dia do jogo de sexta-feira e os de sábado e domingo, perspectiva-se que as equipas estejam em fase de contínua preparação, para que reiniciem mais sólidas do ponto de vista técnico e táctico, para boa exibição que redundem em bons resultados e elevação na pontuação actual.

Para o grupo de equipas que lutam pelo título, sobretudo as cinco primeiras: - 1º de Agosto, Recreativo do Libolo, Petro de Luanda, Kabuscorp e Interclube - o benefício da paragem foi mais proveitoso porque puderam recuperar vários jogadores lesionados, que estão agora disponíveis como peças fundamentais, rumo às vitórias e objectivos definidos para  o campeonato que já vai na segunda volta, a sete jornadas do fim.

Nem estas equipas, nem as que estão no meio da tabela, tão pouco as que estão no fim, se devem queixar por que o Conselho Técnico Desportivo da Federação Angolana de Futebol (FAF)  programou  um interregno que alegada ou eventualmente as atrapalhasse.

É claro que pode haver algumas equipas a pensar assim, através dos seus técnicos e dirigentes, de que ficaram beliscadas nos seus interesses porque estavam no pico da forma desportiva  à saída da 22ª jornada. Mas pouco deve colher essa justificação.

 Dezanove dias devem ter sido de facto úteis se aproveitados, para se afinarem as defesas, linhas médias e ataques. E mais ainda: outra vantagem é  do ponto de vista de dificuldades e encargos financeiros, o interregno só pode ter sido bem aproveitado para que as  equipas afectadas  mobilizassem os seus recursos.