Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Emoes de volta

Paulo Caculo - 30 de Setembro, 2017

Kabuscorp do Palanca e Atlético Sport Aviação (ASA) protagonizam hoje, às 17h00, no estádio dos Coqueiros, o desafio de destaque da abertura da vigésima sexta jornada do Girabola Zap, cujo jogo de cartaz reserva o aliciante 1º de Agosto - Recreativo do Libolo, agendado para amanhã, no estádio 11 de Novembro. Separados na tabela de classificação por vinte pontos (20), palanquinos (4º colocado, 43 pontos) e aviadores (13º/23), partem para este embate com os mesmos objectivos, vencer. Se o conjunto orientado por Romeu Filemon augura consolidar a terceira posição do campeonato e quiçá sonhar ainda com título, a turma de Paulo Saraiva deseja sair da zona aflita da classificação.
Num jogo com prognóstico reservado já que nesta fase do campeonato  a imprevisibilidade por vezes toma contas das equipas, espera-se por um dérbi bem disputado, equilibrado e que pode ser resolvido nos detalhes. Ainda assim, o Kabuscorp pela qualidade e o potencial do seu plantel tem uma relativa dose de favoritismo, apesar de nos últimos jogos o histórico dos seus resultados revelar uma intermitência, face a frequente alternância entre o oito e o oitenta.
Do outro lado do relvado estará uma equipa do ASA cujo treinador assumiu o compromisso de encarar todos os restantes jogos como se de autênticas finais se tratassem. E razões não faltam aos aviadores para tal atitude. A posição aflita que ocupam obriga-os a encarar a procura de pontos, como se do «pão para a boca» se tratasse.
De resto, estamos diante um grande jogo em perspectiva, com cenários interessantes, suficientes para espevitar o espectáculo e a emoção nas bancadas. Aliás, agitação nas bancadas é o que não deverá faltar ao jogo, sobretudo, a julgar pela ruidosa e envolvente massa associativa do clube do Palanca.
Ainda hoje, no Dundo, às 15 horas, o Sagrada Esperança da Lunda Norte recebe o 1º de Maio de Benguela, três dias depois dos proletários afastarem os diamantíferos dos oitavos da Taça de Angola. É verdade que este jogo pode não ser encarado como um ajustes contas, mas não é menos verdade que os lundas ainda não digerirem a forma como foram eliminados.
A equipa orientada por Ekram Asma partilha a terceira posição com os palanquinos e não estão, certamente, dispostos a entregar de bandeja a vantagem para o seu concorrente, quando têm possibilidades de somarem mais três pontos, em casa, diante de um adversário ao seu alcance.
Na deslocação ao Luena, o Santa Rita de Cássia tem a obrigação de justificar que ainda tem argumentos para pelo menos sair da cauda da classificação, gorada que está a possibilidade de garantir a permanência. Os maquisardes vivem igualmente períodos conturbados, razão pela qual não devem dar 'ofertas' aos católicos.  
Ainda que voltem a operar mais um milagre a continuidade da equipa orientada por Hélder Teixeira não depende apenas de si, mas sim de terceiros. Contudo, espera-se por uma equipa aguerrida como tem sido nos últimos jogos primando sempre pela dignidade e verdade desportiva.
O Bravos do Maquis que ainda não conseguiu encontrar-se na era Zeca Amaral longe dos níveis e exibições que têm pautado as formações orientadas por este técnico nacional, tudo vai fazer para pontuar em casa ante um opositor em que vencer é o mínimo que se pode exigir.
Já no Planalto Central, o JGM ( ainda não oficializou a sua desistência junto da FAF) tem um teste ao seu alcance em casa, às 15H00 frente ao Progresso da Lunda Sul, num duelo de aflitos, em que não existe favorito se atendermos o facto de perseguirem o mesmo objectivo e serem equiparados em termos de plantel.
Os dois conjuntos lutam pela "sobrevivência" no campeonato, mas apenas um deles deverá safar-se desta 'batalha' ou, na pior das hipóteses, os dois conjuntos podem ver esfumado o desejo de continuarem no Girabola. A equipa do Huambo é o 14º, com 21 pontos, ao passo que o grémio de Saurimo está no 15º posto, com 20.

KABUSCORP/QUIM MANUEL 
“O único objectivo é vencer”

Depois de ter obtido na passada sexta-feira, uma vitória importante diante de um dos adversários directo, Petro Atlético de Luanda, resultado  que o recolocou na liderança da prova, a par do 1º de Agosto, a equipa do Kabuscorp do Palanca tem hoje mais uma difícil empreitada, quando defrontar às 15h30 no Estádio dos Coqueiros  a aguerrida formação do Progresso Associação Sambizanga, em jogo a contar para a oitava jornada do Girabola ZAP.
Quim  Manuel  técnico adjunto da turma do palanca disse ontem ao Jornal dos desportos que o adversário de hoje vai  tudo fazer  para contrariar ao máximo os objectivos da equipa do palanca traz em carteira.
"Estamos  cientes que isso vai acontecer a julgar pela boa forma competitiva que  os sambilas estão atravessar, mas apesar disso,  estamos precavidos e vamos ao jogo com muita atenção e dedicação com um único objectivo é vencer  o jogo para continuarmos na  grupo da frente", disse o adjunto de Filemon.
O espaço muito curto que ultimamente a equipa tem  realizado os jogos, é um aspecto que preocupa  o adjunto de Romeu Filemon , que advoga estarem a caprichar na gestão do plantel para que tudo corra a preceito.
"Não é fácil fazer jogos em tempo muito curtos, mas  como já está planificado,  não há outra solução que não seja uma melhor gestão do plantel para que os nossos objectivos sejam alcançados, aliás, já não se trabalha muita coisa, ou seja  cingimo-nos apenas na recuperação física dos atletas, o que até agora tem dado certo.
Quim Manuel adiantou que as vitórias  têm alcançado elevou  bastante os níveis anímicos do grupo e advoga que  continuam a trabalhar  no sentido de mantê-lo  nas empreitadas subsequentes."Sabem que as vitórias fazem bem e  a nós não foge a regra como podem constatar. Agora o mais importante é continuarmos a trabalhar mais e mais", disse.  
MANUEL NETO

ASA/ PAULO SARAIVA
“É um jogo pela salvação”

O técnico do Atlético Sport Aviação (ASA), Paulo Saraiva, manifestou a ingente necessidade da sua equipa vencer hoje, no Estádio dos Coqueiros, o jogo em que vai ter pela frente o Kabuscorp, referente à vigésima-sexta jornada do Girabola Zap de 2017, para reacender a esperança de conseguir a permanência na maior prova de futebol do país.
"Ao longo da semana nós trabalhámos mais para o sentido motivacional dos jogadores, porque eles têm que ter em mente a necessidade de ganharmos esta partida. É um jogo para a salvação", disse.
"Tenho respeito pela equipa do Kabuscorp, apesar de já lhe restarem poucas possibilidades de lutar pelo título deste ano. É um conjunto muito forte, mas ainda assim, acho que o ASA vai ganhar o jogo", acrescentou o treinador da formação aviadora.
Sobre o comportamento físico dos seus pupilos, Paulo Saraiva garantiu estarem aptos, apesar da sequência dos dois jogos da Taça de Angola, que foram disputados com um intervalo de poucos dias.
"Os meus jogadores estão preparados para esse duelo, apesar do desgaste físico que devem estar a sentir, em função dos dois jogos da Taça de Angola que disputámos de forma muito seguida. Aliás, isso nem pode servir de desculpas, na medida em que, tal como nós, o adversário também esteve envolvido nessa mesma competição", ressaltou.
Paulo Saraiva promete lutar até ao fim, no sentido de tentar salvar a "aeronave" de um possível despenho, advogando ter a consciência da ingente tarefa que tem pela frente.
"Temos consciência da tarefa que nos resta pela frente, de lutar até ao último suor para salvar a equipa da possível despromoção. Quando assumimos a responsabilidade de inverter o quadro negativo em que estava a equipa, fizemo-lo com toda certeza de que haveríamos de conseguir o objectivo e é nessa linha de pensamento que continuamos a trabalhar", assegurou. 
O técnico lamentou o facto de o ASA ter sempre que lutar até ao fim do campeonato para não descer de divisão, ao longo dos últimos quatro anos.
"É estranho que, nos últimos quatro anos a equipa do ASA tenha sempre de lutar até ao fim do campeonato, para não descer de divisão. A direcção faz vários esforços, troca de treinadores, mas mesmo assim a situação continua inalterável. É muito estranho isso", lamentou Paulo Saraiva. 
AUGUSTO PANZO