Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Emoo, alegria e cor nos festejos do "tetra"

Jorge Neto - 20 de Maio, 2019

A equipa e adeptos do 1 de Agosto no festejo da conquista do tetracampeonato

Fotografia: Edies Novembro

Um grande  ambiente de total emoção, alta  euforia envolveu, ontem,  a equipa e adeptos do 1º de Agosto no festejo da conquista do tetracampeonato, após a vitória de ontem diante do Kabuscorp do Palanca, com o avançado Mabululu a colocar a cereja no topo do bolo.

Em maior número no estádio 11 de Novembro, os adeptos do conjunto rubro e negro mostraram sempre confiança de que iriam vibrar com a conquista do título de campeão nacional, apesar de terem que roer as unhas durante quase todo o primeiro tempo. Aliás, o tão ansiado grito do golo aconteceu apenas aos quarenta e seis minutos.

Antes do golo, os adeptos dos palanquinos acreditavam que podiam vergar os militares, averbando-os a primeira derrota no Girabola Zap, e impedirem os pupilos do sérvio Dragan Jovic de festejarem na sua casa o tetracampeonato.

Nas bancadas as claques das duas formações faziam a festa, onde a cor mais visível foi o vermelho, característico dos dois conjuntos, que, apesar do interesse que o jogo tinha, não chegou para encher a nova catedral do futebol angolano.Cada vez que os militares estiveram perto do golo ouvia-se um ensurdecedor "goloaaa", que fazia bater mais rápido o coração dos adeptos agostinos, que aos poucos apostaram na paciência para festejar o golo do título.

Apesar de estarem concentrados no seu jogo os adeptos militares mantinham bem atentos os ouvidos ligados à rádio para acompanhar o desafio do arqui-rival, Petro de Luanda, que também estava na luta pelo troféu até a última jornada. 

O golo marcado pelo avançado brasileiro aos 35´foi como um balde de água fria, mas rapidamente os "karagóis" ganharam motivação e continuam a apoiar o seu emblema.

Os sambilas não se fizeram rogados e cumpriram a palavra do seu técnico que seria complicar a vida aos petrolíferos. O golo de Chiló aos 50´ foi festejado no estádio 11 de Novembro como se fossem os agostinos a marcar. À  medida que o tempo passava a ansiedade apoderou-se do banco do 1º de Agosto, o técnico Dragan Jovic ainda quis acelerar as coisas com a entrada de Buá e pedia ao árbitro João Goma para apitar pela última vez. 

No final os adeptos militares não se limitaram a ver das bancadas os festejos e entraram para o relvado para estar juntos dos seus heróis, uma situação que originou a reacção da polícia de intervenção rápida a agir com gás lacrimogéneo para dispersar os eufóricos "karagóis".