Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Esso frustra expectativas da Acadmica no Girabola

Jlio Gaiano - 06 de Setembro, 2018

Podem crer, o problema est a ser resolvido e espero que sejamos bem-sucedidos, garantiu.

Fotografia: Jornal dos Desportos

O Jornal dos Desportos sabe, que durante um  encontro mantido com a direcção da Esso, Exploration -Angola, patrocinadora oficial da Académica Petróleos do Lobito, ficou acordado que a liderança do grémio lobitanga devia apresentar em tempo record um relatório de prestação de contas,  do exercício de 2017. Os valores, em questão, estavam avaliados em cerca de 130 milhões de kwanzas.
No entanto, cumpridas as recomendações avançadas no referido encontro, a Esso continua hesitante, para desespero da direcção da Académica, que apesar de tudo, ainda acredita na boa-fé e na idoneidade das pessoas envolvidas no processo.
“Há garantias de que tão logo seja possível, o dinheiro pode cair na conta do clube”, assegurou o presidente Luís Borges, que reconhece não ser obrigação jurídica da Sonangol, E.P., apoiar os clubes desportivos. “É preciso estarmos preparados, porque nos próximos tempos, as coisas podem piorar ainda mais. Com estas reformas que estão a ser operadas no ramo petrolífero, tudo indica que a Sonangol vai reduzir substancialmente os apoios às acções sociais, das quais estamos inclusos.
Não se sabe o que vem depois destas reformas. Há que se ajeitar para o pior”, preveniu. A Académica do Lobito agendou para o dia 15 do corrente, com os habituais exames médicos, a abertura da época de 2018/2019.
Na aludida reunião foram aflorados problemas diversos, que extravasaram o objectivo da reunião, que colocou a direcção em situação incómoda. Para além de reclamarem por oito meses de salários, um grupo de funcionários administrativos aproveitou o momento para manifestar-se apreensivo, face à regularização dos seus processos documentais, no Instituto Nacional de Segurança Social.
Sem precisar a data, o presidente da Académica do Lobito, Luís Borges, sustentou que este é um outro desafio que a sua direcção tenciona ultrapassar nos próximos tempos. “Estamos a trabalhar para corrigir a falha que herdámos das anteriores direcções.
Reconhecemos que alguns funcionários estão em idade de reforma. Precisam de descansar e usufruir das benesses daí resultantes, infelizmente não podem fazê-lo, porque lhe foram negados tal direito. Podem crer, o problema está a ser resolvido e espero que sejamos bem-sucedidos”, garantiu.

2018/2019
Académica sem dinheiro para nova época

O estado financeiro da Académica Petróleos Clube do Lobito inspira cuidados. A direcção condiciona o arranque dos trabalhos da pré-época, com a liquidez dos 300 milhões de kwanzas de dívidas contraídas durante a campanha futebolística que colocou a equipa na honrosa 5ª posição, com 38 pontos.
Recuperou a sua identidade competitiva há muito perdida, deixando para trás, os potenciais candidatos para aquela posição da tabela da classificação geral.
As informações prestadas pelo presidente da Académica do Lobito, Luís Gonçalo Borges, aos membros da sociedade desportiva local, no referido encontro que decorreu no passado fim-de-semana, confirmaram o quão sombrio se apresenta o quadro.
O clube acumulou um passivo avaliado na ordem dos 300 milhões de kwanzas, e mesmo que a Esso Exploration-Angola, via Sonangol, E.P, disponibilize os montantes “acordados” (130 milhões) não cobre, pois serviriam apenas para amenizar o problema que pode acabar com o sonho dos lobitangas.
A direcção não garante que nos próximos tempos consiga liquidar os 4 meses de salários para com os jogadores e técnicos. A incerteza tomou conta dos apoiantes do futebol e não só. Muitos questionam, se estarão reunidas as condições materiais e financeiras para a equipa participar do próximo campeonato nacional da 1ª divisão, Girabola Zap 2018/2019, cuja época arranque a 26 de Outubro. Da direcção as respostas divergem-se.
Alguns dirigentes são pela participação, os outros revelam-se contra, gerando daí confusão e inquietação no seio dos apoiantes. Pelo sim e pelo não (os indecisos também deram o seu palpite), a verdade, é que os cofres de clube estão vazios, daí o problema.

LOBITO
Administrador garante apoio institucional 

O administrador municipal do Lobito, Nelson da Conceição, foi o destaque no encontro com a direcção, sócios e adeptos da Académica Petróleos, pese embora, ter chegado já a meio das discussões. Grande parte das intervenções e sugestões apresentadas pelos associados não pôde ouvir. Ainda assim, foi uma presença saudada pelos presentes, que no fim, rendaram-se à forma aberta como atalhou o problema em abordagem.
 “Sou de opinião, que a direcção deva continuar a envidar esforços no sentido de angariar apoios necessários para manter a equipa na competição. No que estiver a meu alcance, estarei sempre aberto a prestar o meu apoio incondicional. Vamos ao nível da administração promover a advocacia junto das entidades empresariais do município, e quiçá da província, no sentido de angariar fundos necessários para mantermos a nossa Académica na primeira divisão”, prometeu.
Nelson da Conceição lembrou aos presentes, que a Académica Petróleos Clube do Lobito é o símbolo do município, que tem a dura missão de representar com dignidade a província, na mais alta-roda do futebol nacional. Por isso, deve merecer o apoio de todos os seus munícipes, está garantido o apoio institucional do governo local, no caso da Administração Municipal.
“A situação é deveras crítica, reconheço. Nem por isso, devemos baixar os braços. O momento é este. Nada de desistência, a sociedade lobitanga deve unir-se e juntar-se aos esforços dos dirigentes daAcadémica do Lobito.
Garanto-vos, que os apoios vão surgir e a direcção não vai mais ter motivos para pensar em desistência”, reforçou o homem-forte do Lobito, para quem a resolução do passivo contraído pelo clube, apesar de pesado, pode ser superado, através de uma negociação entre as partes, a discutir os moldes da sua amortização. “Não há nada que não se resolva”, atirou.