Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Está fofo

12 de Março, 2018

Rubro negros vencem com grande exibição de Fofó e conquistam primeira vitória no Campeonato

Fotografia: kindala Manuel| Edições Novembro

A terceira foi de vez. O campeão nacional festejou ontem um bom resultado e excelente para aquilo que são os seus objectivos, mas não conseguiu esconder alguma falta de eficácia na finalização.
O 1º de Agosto foi competente, marcou primeiro e esteve sempre a frente no marcador. Não temeu o golo do Kabuscorp, precedido de uma falta duvidosa contestada pelo banco e que culminou com a suspensão de Zoran Maki.
O dérbi não defraudou às expectativas dos espectadores. As duas equipas jogaram ao ataque, tendo a vitória sorrido aos militares com uma exibição convincente alcançando assim a primeira vitória no campeonato, mercê dos golos marcados por Ibukun e um bis de Fofó, enquanto Arouna fez o tento de honra dos palanquinos.
O primeiro perigo do desafio aconteceu aos 5´, após uma perca de bola de Isaac obrigando Neblú a abandonar os postes para tirar a bola dos pés de Nary. No ressalto Filhão atirou para a baliza, mas já lá estava Bobó para cobrir o seu colega daquela posição.
Minutos depois foi a vez de Élber tentar oferecer um peru antes do Natal a equipa rubro e negra, deixando escapar a bola por baixo dos pés, de forma displicente, mas contou com a sorte da mesma não ter levado a direcção da baliza.
O jogo decorria num bom ritmo com os dois conjuntos a responderem aos ataques do adversário na mesma moeda, ou seja, obrigavam os guarda-redes a intervirem sob pena de sofrerem um golo cedo. Mongo reencontrou os seus antigos colegas. 
Na marcação de um livre directo obrigou Élber a uma defesa apertada e evitar o golo com uma defesa segura. Do lado dos palanquinos Filhão foi quem mais rematou no primeiro tempo, mas sem conseguir o efeito desejado.
No primeiro remate que fez a baliza Jacques quase festejou. O avançado rematou a meia volta e com o guarda-redes já batido, a bola saiu ao lado do poste. Com o sinal mais para os rubro negro, numa jogada de belo efeito protagonizada por Fofó, este serviu Ibukun, que isolado atirou a contar, aos 27´, colocando os militares em vantagem no marcador.
Minutos despois, os campeões nacionais sofreram uma contrariedade com a saída de Neblú, por lesão, ressentindo do choque com Nary nos minutos iniciais e cedeu o lugar a Tony Cabaça que estreou-se neste campeonato.
Na etapa complementar os dois técnicos apostaram no mesmo onze, dando um voto de confiança aos seus pupilos. Mas, foram os palanquinos os primeiros a mexeram no xadrez, com a entrada do argentino Calero para a saída de Dário.
Apesar das alterações operadas por Sérgio Traguil o golo surgiu do lado contrário. Fofó aos 56´, aproveitou a oferta de um defesa contrário para bater Élber. Os militares procuraram tirar proveito da subida no terreno do adversário e exploraram o contra-ataque.
Em dia de inspiração Fofó aos 73´, fez estremecer o travessão de Élber com um remate forte. Na resposta, Arouna aos 75´, acertou no alvo e reduziu a desvantagem da sua equipa. O caso do jogo aconteceu precisamente nesta altura, pois, o técnico Zoran Maki reclamou um empurrão um defesa seu, antes de Arouna cabecear para o golo, um facto que originou a sua expulsão do banco.
Essa situação não desmotivou o conjunto militar, pelo contrário, serviu como um tónico, resultando no bis de Fofó aos 83´, numa jogada onde o mérito é todo seu, pois, acreditou que era possível, depois de ganhar a bola a um adversário.
Calero ainda viu mal anulado um golo seu já no período de compensação que podia servir de alento para os palanquinos. 

Arbitragem
Apito contestado


João Goma realizou um trabalho com alguma contestação do ponto de vista disciplinar.  O juiz não caiu nas graças dos atletas Kabuscorp do Palanca, em função das inúmeras reclamações feitas por estes, mas infundadas. O árbitro internacional foi obrigado a mostrar quatro cartões amarelos no primeiro tempo aos palanquinos, que abusaram das faltas duras para travar os adversários, principalmente contra Geraldo. Prejudicou mais o 1º de Agosto ao não expulsar um jogador palanquino que já tinha o cartão amarelo e por validar o golo do Kabuscorp do Palanca, precedido de uma falta do avançado Arouna sobre um defesa do 1º de Agosto.  Invalidou mal um golo de Calero aos 94´, por alegado fora de jogo. A pressão do jogo terá influenciado o trabalho do juiz internacional.

Melhor em campo
A eficácia de Fofó


O avançado do 1º de Agosto deu nas vistas pela primeira vez com a camisola do 1º de Agosto, mostrando que está preparado para os grandes e que é de facto um reforço. Bisou no desafio aos 56 e 83 minutos dando a primeira alegria aos exigentes adeptos agostinos.
Além dos dois golos que marcou assistiu Ibukun aos 30', tornando-se no homem do jogo. O avançado começa a ganhar confiança e a dizer ao técnico Zoran Maki, que é uma forte opção para o ataque.

DECLARAÇÕES
“Vitória
moralizadora”

"É um 1º de Agosto que jogo após jogo está a melhorar. Estamos a trabalhar para isso e criamos as condições para ganharmos. Conquistamos bem a vitória e não há qualquer contestação quanto a isso. Não deixamos o Kabuscorp jogar como fez no primeiro tempo. No intervalo falamos com os jogadores e melhoraram um pouco neste aspecto. Queríamos fazer uma melhor exibição, não foi possível, mas conseguimos uma vitória moralizadora que era o nosso principal objectivo".

Ivo Traça
Adjunto do 1º DE AGOSTO

“Os meus atletas
foram guerreiros”

"Falhámos muitos golos e acabamos por sofrer dois de forma ridícula e quando assim acontece perde-se o jogo. Depois de estarmos em desvantagem arriscamos, marcamos um, mas perdemos alguns lances de forma infantil. Está de parabéns o 1º de Agosto pela vitória, porém felicito também os meus jogadores pela atitude, porque foram guerreiros, sobretudo no segundo tempo. Foi um bom jogo onde as duas equipas procuraram sempre o golo".

Sérgio Traguil
Técnico Kabuscorp