Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Estica o passo

Benigno Narciso, no Lubango - 13 de Fevereiro, 2020

Um golo solitário de Ary Papel, aos 80’, permitiu ao 1º de Agosto vencer ontem o Desportivo da Huíla, por 1-0, no estádio do Ferroviário, no Lubango, em desafio de acerto a 17ª jornada do Girabola Zap 2029/2020 e conservar a sua posição de líder.
Com o triunfo “arrancado” num terreno sempre difícil e diante de um adversário aguerrido, o campeão manteve a tendência e a tradição de sair vitorioso nos confrontos em casa da formação afecta à Região Militar Sul.
Espevitada e lançada para o ataque, os rubro e negros foram obrigados a aplicarem-se ao fundo para lograrem os seus objectivos, ante um oponente que durante largos minutos do jogo dominou e submeteu os visitantes em apuros defensivos.
Com arte, engenho e capacidade individual, os avançados do Desportivo tudo fizeram para transpor o último sector do 1º de Agosto e chegar em condição privilegiada ao golo, mas o labor das unidades mais adiantadas não passava da intenção.
O mérito recaia sempre aos defesas, que mais afoitos e aguerridos, superavam os atacantes contrários. Foi fruto do mérito da solidez defensiva das últimas unidades das duas equipas, que ouviram o apito do juiz para o intervalo, sem as suas balizas violadas.
Pressionados pela obrigação de vencer e o estatuto de campeão nacional em título, o 1º de Agosto entrou para a segunda parte com outra disposição, em busca do golo que lhe daria uma certa tranquilidade. 
A equipa orientada por Dragan Jovic suportou com firmeza e determinação a avalancha ofensiva da aguerrida formação huilana, impondo a sua força e maturidade diante das adversidades.
Ary Papel e Mongo saíram do anonimato e destacaram-se com acções individuais. O número trinta dos rubro e negros por duas vezes e o congolês democrático, num dos mais flagrantes falhanços do jogo, aos 67´, não tiveram arte para terminar com êxito as investidas em posição frontal ao guarda-redes Benvindo.
Aos 80´, Ary Papel, uma das unidades mais inconformadas da sua equipa, desfez o nulo no marcador, ao concluir da melhor maneira um cruzamento dentro da pequena área. O atacante fez passar a bola entre o guarda-redes e o poste, ante a passividade defensiva dos donos da casa.
Estava feito o resultado do encontro em que o Desportivo deu boa conta de si. Criou ocasiões de golo, diante de um adversário que teve inúmeras dificuldades para impor o seu futebol.

OPINIÃO DOS TÉCNICOS
Ivo Traça
1.º DE AGOSTO

“Não é fácil jogar
no Lubango”


“Entramos bem. Criamos oportunidades de podermos sair a ganhar nos primeiros 45 minutos, mas não conseguimos porque o nosso meio campo não conseguia transportar a bola para o ataque. Aliás, não é fácil jogar no campo do Desportivo da Huíla. Aliado a isso, o aspecto clima complicou ainda mais a nossa pretensão. Se queremos ser campeões, temos que lutar, correr, conforme fizemos aqui hoje (ontem) no Lubango”.

Paulo Francisco  
Desportivo

“Perdemos
numa distracção
defensiva”


“Temos que nos queixar pelas várias oportunidades de golos criadas para marcarmos e não concretizamos. O adversário teve a oportunidade e a sorte de fazer o golo. Contudo, perdemos o jogo na distracção defensiva e na ausência de alguns jogadores influentes na manobra da equipa, influenciando o nível competitivo do grupo, já que têm mais rodagem, aspecto que foi fatal para nós.