Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Estudantes assustam palanquinos

Manuel Neto - 07 de Maio, 2017

Luís Tati marcou o golo do triunfo da equipa às ordens de Romeu Filemon no desafio de ontem à noite nos Coqueiros

Fotografia: José Cola Edoções Novembro

O  Kabuscorp do Palanca colocou ontem, nos Coqueiros, um basta na \"onda\" de empates no Girabola Zap 2017.  Os palanquinos regressaram ao topo do campeonato, mercê a vitória, por 1-0, sobre a formação do JGM do Huambo, em jogo referente à 13ª  jornada da competição. Luís Tati, aos 21´, apontou o único tento do desafio.

Uma vitória bastante suada, pois a formação do Huambo teve capacidade para jogar de \"peito aberto\" com o candidato Kabuscorp. Aliás, vezes sem contas a equipa de Águas da Silva estremeceu a defensiva palanquina.

Os minutos iniciais  foram bastante tácticos, com as duas equipas a jogarem afuniladas no centro do terreno. Mas a turma que veio do Huambo, moralizada  pela vitória  sobre o ASA na jornada anterior, acreditou que a segunda vitória fosse possível. Pressionou o adversário e os palanquinos, sem um fio de jogo, tentavam  jogadas esporádicas, quer   por Lamy, como pelo lateral esquerdo Ebongá, que  não constituíam  preocupação para os visitantes.

O JGM do Huambo mais ousado protagonizava jogadas de realce e por pouco, aos 17 minutos, não chegou ao golo por displicência do seu atacante que no momento  do remate fê-lo de forma defeituosa. Os palanquinos que estavam decididos a regressar às vitórias, aos poucos foram subindo as  suas linhas com o fito de travar o caudal ofensivo adversário. Ganharam um canto. Lamy marcou e Luís Tati cabeceou com perfeição, fazendo o primeiro e único golo do jogo, eram corridos 21 minutos.

Os visitantes não acusaram o golo sofrido, partiram em busca do empate, pena é que as suas jogadas, bem delineadas, não eram premiadas com golo, porque os seus avançados continuavam perdulários.

No reatamento a equipa do Palanca apareceu mais movimentada, procurando a todo o custo o golo da consolidação, mas o adversário muito atrevido e sem receio diante do candidato ao título não dava espaço. O jogo decorria de forma equilibrada com os dois conjuntos a criarem inúmeras  oportunidades de  golo que pecaram apenas pela falta de eficácia. O árbitro do jogo realizou um trabalho aceitável. Esteve bem, quer do ponto de visto técnico, como disciplinar.

INTERCLUVE VS ACADÉMICA
Polícias mostram dúvida na assimilação


A ambição do Interclube me regressar à vitórias no campeonato, depois da derrota no jogo passado, diante do 1º de Agosto, não passou de intenção.  Embora sem o seu principal municiador do jogo ofensivo, no caso Paty, os polícias muito cedo assumiram o controlo da partida, não dando espaços à equipa da Académica do Lobito, com quem empataram a uma bola.

O primeiro grande sinal de perigo dos polícias aconteceu aos 13 minutos, quando Baby, enviou a bola ao travessão, deixando clara a intenção do Interclube no jogo. Porém, a Académica do Lobito, sem medo, passou a atacar mais e com isso estancou a onda ofensiva dos visitados e conseguiu levar o empate até ao intervalo. No segundo tempo os polícias entraram mais determinados em marcar nos primeiros minutos.

O técnico Paulo Torres fez entrar Chabó para o lugar de Baby e logo a seguir fez entrar Kiloy para o lugar de Dasfaa. A partir daí o Interclube se transfigurou e foi uma equipa perigosa,  chegando facilmente à baliza dos lobitangas. Kiloy, muito confiante, assumiu o ataque dos polícias, criando vários perigos, realce para as jogadas de um para um, não dando sossego aos seus marcadores.

Não satisfeito, Paulo Torres fez ainda entrar Chiló para o lugar de Pirolito, com intenção clara de dar mais velocidade ao ataque dos polícias. Vendo o Interclube bastante ofensiva, a equipa do Lobito foi obrigada a recuar no terreno de jogo, procurando sair apenas em contra-ataques rápidos. As 63 minutos, Tó Carneiro, numa jogada individual passou por toda defesa da Académica do Lobito e já na grande área assistiu Kiloy que só teve que empurrar a bola para o fundo da baliza.Apesar de estar a perder os estudantes não baixaram os braços.

E quando todos acreditavam na vitoria do Interclube, numa jogada de ataque , o lateral direito da Académica do Lobito cruzou para a grande área, atrapalhado Baca cortou mal a bola e esta foi para o fundo da baliza de Neblú. Sem tempo para reagir os polícias procuraram apenas conservar o empate. A equipa de arbitragem liderada por Mauro Oliveira fez um bom trabalho.
VALÓDIA KAMBATA