Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Estudantes caem no prprio Buraco

J?lio Gaiano ,no Lobito - 17 de Julho, 2017

Foi uma tarde para esquecer, com os\

Fotografia: Jornal dos Desportos

A Académica do Lobito mostrou-se impotente de fazer jus à sua condição de anfitriã, perdendo, ontem, no Estádio do Buraco, diante do 1º de Maio de Benguela, por 3-1, , em partida pontuável para a vigésima jornada do GirabolaZap2017, o onde despediram-se, assim, de forma inglória.

Foi uma tarde para esquecer, com os\" estudantes\" a revelarem-se desinteressados no jogo. Entraram apáticos e acabaram derrotados, ante a aflição dos seus adeptos que questionaram a forma como os comandados de José Silvestre \"Pelé\" se apresentaram em campo.

Estiveram aquém do esperado, tanto que, no fim do jogo, os jogadores deixaram o estádio sob os apupos dos adeptos que responsabilizavam o técnico pela derrota.

Na verdade, assistiu-se a uma Académica desmobilizada ao jogo e que entrou apenas para cumprir com o calendário, a fazer fé, nos pronunciamentos do seu presidente que, ontem mesmo, reiterou a decisão de não mais fazer parte do GirabolaZap, por falta de apoios de quem de direito. 

Segundo o presidente, o clube está despido de recursos financeiros para se \"aventurar no Girabola\". O triunfo proletário começou a ser construído no minuto 23, por intermédio de Caporai, que diante da transponível defensiva lobitanga, atirou a contar.

Os outros golos surgiram na segunda metade da contenda, justamente, na altura em que os estudantes denotavam cansaço e deram tudo a perder. Mona (46’) e Pedy (81’) foram os autores dos tentos que ditaram a vitória de 3 a 1, num campo que aparentava difícil, mas que acabou facilitada pelos anfitriões que se revelaram apáticos e repreensíveis.

 Aliás, isto mesmo se viu, quando, no minuto 83, o cabo-verdiano Jorge Kadú descontou para a sua equipa. O público não vibrou, remeteu-se um silêncio tumular, colocando os atletas numa situação difícil, pelo menos, foi o que pareceu.

 O árbitro internacional António Ndungula foi impecável. Mostrou frescura física ao longo dos 90 minutos da contenda, evidenciando competência e capacidade no ajuizamento dos lances susceptíveis de falta. Em suma, dignificou o espectáculo que saldou no triunfo da equipa que veio da vizinha cidade de Benguela. Por isso, mereceu da nossa parte a distinção positiva (nota 9).