Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Estudantes com prova difcil

Jlio Gaiano | Lobito - 22 de Junho, 2018

Acadmica reconhece o grau de dificuldade na recepo ao Libolo

Fotografia: Jos Soares | Edies Novembro

 

A Académica Petróleos do Lobito tem a pontaria afinada, para receber e vencer esta tarde, a partir das 16h00, no Estádio do Buraco, o Recreativo do Libolo, em partida pontuável para a 18ª jornada do Girabola Zap2018.
No clube lobitanga, os atletas, equipa técnica, dirigentes e apoiantes do clube estão ligados num único pensamento (a vitória), não obstante, reconhecerem o potencial do adversário. 
Em declarações ao Jornal dos Desportos, o técnico dos estudantes, Rui Garcia, garantiu que a equipa está bem do ponto de vista psicológico, para o embate de mais logo. Admitiu ser um jogo de alto risco e carregado de um elevado grau de dificuldades.
Afirmou que os donos da casa estão condenados a jogar fácil e errar menos que o adversário, sob pena de deitarem por terra toda uma estratégia montada, para derrotarem a formação do Cuanza Sul.
“Vamos defrontar uma grande equipa e que vem de um resultado animador (venceu o Bravos do Maquis em Calulo) e de certeza, está disposta a manter-se na senda das vitórias, para fazer jus à sua condição de favorita”, vaticinou.  O técnico justificou a sua precaução nos seguintes moldes: “trata-se de uma partida delicada para os nossos intentos. Ainda assim, estamos cientes da responsabilidade e do padrão futebolístico que nos é característico, por isso queremos vencer, pois, trabalhámos para isso”, salientou. 
Rui Garcia fez questão de reconhecer, que tem um grupo de trabalho à altura das encomendas, pelo que o poderio do adversário não o assusta. No desafio da primeira volta, a formação da Académica perdeu pela margem mínima (1-0), numa partida em que os estudantes bateram-se bem, mas sofreram o golo da derrota aos 86’, devido ao desentendimento dos centrais.
O técnico dos lobitangas defende que, esta tarde, as coisas tendem a ser diferentes. Para o efeito, pretende apostar num esquema táctico ofensivo, mas com fortes cautelas defensivas, partindo do pressuposto que “para ganhar um jogo, é preciso não sofrer golo”, sublinhou.
Nesta perspectiva, pode apostar em Ndulu, na baliza; Germano, Zebedeu, Johnson (ou Milambo) e História, na defesa; Lourenço, Lindala, Kapita e Vander, no meio campo; Jiresse e Lelas, no ataque.