Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Ex-director do Progresso da Lunda Sul critica a FAF

Srgio V. Dias - 17 de Setembro, 2018

Floriando Quipossoa est agastado pelo facto de no se saldarem as dvidas consigo

Fotografia: Paulo Mulaza

Floriando Patrício Aníbal Quipossoa, ex-director desportivo do Progresso da Lunda Sul, manifestou-se “desapontado e bastante entristecido” pela suspensão de que foi alvo pelo Conselho de Disciplina da Federação Angolana de Futebol (FAF).
O ex-atleta das selecções nacionais de Sub-17 e Sub-20 foi suspenso de toda actividade desportiva, desde o dia 6 do corrente mês, mas sem ser notificado para o efeito e daí lamenta a situação, que considera como “negativa” por parte do órgão reitor do futebol.
“Estou farto das atitudes negativas da FAF”, sublinha ele, acrescentando que esta “deveria ponderar bastante, antes de fazer sair um comunicado”.
Na entrevista concedida ontem ao Jornal dos Desportos, Floriando Aníbal Quipossoa apontou o dedo indicador ao elenco dirigido por Artur de Almeida e Silva, em que todos se “sentem sábios” e “ninguém dá ouvidos a ninguém”.
O ex-director desportivo do Progresso da Lunda Sul vai mais longe, realçando o facto de que os dirigentes do organismo reitor do futebol nacional, esquecem-se que quem está de fora, tem uma percepção muito melhor do que quem está dentro.
“A FAF deveria respeitar, pelo menos, e ter alguma consideração por mim, antes de tornar público o comunicado nº 36, que lesa a minha pessoa. Fui jogador das selecções de Sub-17 e Sub-20, no tempo dos professores Belinho Costa e André Nzuzi, tendo representado estas com dignidade. Esperava que antes de qualquer posição dúbia, como esta que foi tomada, com este comunicado, que me respeitassem”, frisou.
Floriando Quipossoa lamenta a suspensão de que foi alvo pelo Conselho de Disciplina da FAF e questiona, por outro lado, porque razão este órgão não estipula também o prazo de liquidação da dívida do Progresso para consigo.
“Isto é triste e vergonhoso. Há quanto tempo o Progresso foi despromovido e desqualificado do Girabola Zap, campeonato nacional da primeira divisão, e até agora não salda a dívida que tem comigo”, interroga-se o ex-director do clube.
O interlocutor do JD vai mais longe e justifica que o “tempo de proteger quem é mais poderoso financeiramente acabou”. “Contactei, por telefone, o senhor António Jamba, presidente do Progresso da Lunda-Sul, a questionar sobre o tipo de guerra que querem comigo e este mostrou-se surpreendido”, argumentou.
Floriando Quipossoa justificou, por outro lado, que o dirigente do emblema da Lunda Sul, além de surpreendido com o assunto, admitiu, também, que desde que o contactara, há bastante tempo, nos últimos dias não falou de si com quem quer que seja.
Por essa razão, o ex-director desportivo da equipa lunda, manifesta-se, enquanto cidadão nacional, estar disponível para enfrentar o que vier.
“Não tenho medo de ninguém e aconselho a FAF e o seu líder a preocuparem-se mais em materializar os projectos, que prometeram durante a sua campanha eleitoral, para ascensão ao cargo do organismo e evitarem de sujar o meu nome”, justifica.
Apesar disso, Floriando Quipossoa revela o grande respeito que nutre por Artur de Almeida Silva e por Adão Costa, vice-presidente da FAF. “São pessoas que muito admiro, pese embora as situações despoletadas. Além disso, o senhor Adão Costa, já foi meu representante oficial, enquanto jogador”, recordou.
Porém, diante de toda essa situação que se terá despoletado, pela dívida de quase 5 milhões de Kwanzas que o Progresso da Lunda Sul tem para consigo e que levou a sua suspensão, em comunicado da FAF datado de 6 do corrente mês, Floriando Quipossoa promete levar o caso ao extremo. “Vou processar a Federação por ter sujado o meu nome, neste comunicado assinado pelo seu secretário-geral, senhor Rui Costa”, disse.

REACÇÃO
Dirigente do clube lunda
descarta envolvimento


Interpelado ontem pelo Jornal dos Desportos, António Jamba, presidente de direcção do Progresso da Lunda Sul, descartou qualquer envolvimento do clube, no caso despoletado em torno da suspensão de Floriando Patrício Aníbal Quipossoa, seu ex-dirigente.
António Jamba admitiu os pendentes que o grémio lunda tem para com os atletas e com alguns responsáveis, lembrando, por outro lado, que está ser difícil equacionar a situação, depois de o empresário Santos Bikuku deixar de patrocinar o clube.
“Tentamos angariar patrocínios junto Banco BIC, Endiama e do Governo Provincial da Lunda Sul, mas, infelizmente, só tivemos algum apoio da primeira instituição”, disse António Jamba. O presidente de direcção do Progresso da Lunda Sul assegurou, ainda, que, com o apoio recebido da instituição bancária, foi possível pagar alguns prémios de jogo dos atletas e o próprio senhor  Floriando Quipossoa também foi contemplado.
Voltando a transcorrer no leito do caso, que culminou com a suspensão do ex-director desportivo do Progresso da Lunda Sul este mês, disse tratarem-se de questões, que não têm qualquer relação com o clube lunda.Porém, lembrou que Floriando Quipossoa foi alvo de punição no clube, por envolvimento em acções pouco dignas, como as de falsificação de documentos.       

INCOMPREENSÃO
Advogado
de Quipossoa
é barrado


Num outro ângulo da abordagem que fez ontem ao nosso jornal, Floriando Patrício Aníbal Quipossoa revelou a sua incompreensão, em relação ao facto de o seu advogado ser barrado, na tentativa de acesso ao Conselho de Disciplina da Federação Angolana de Futebol. “Não percebo o porquê dessa situação”, argumenta.
O ex-director desportivo do Progresso da Lunda Sul, disse ao Jornal dos Desportos, que sempre que este se dirige ao organismo, duas senhoras que lá funcionam vetam-lhe a entrada, argumentando “não querer ter problemas com ninguém”.
Por esse andar da carruagem, Floriando Aníbal Quipossoa opina, que a FAF deve preocupar-se com coisas mais sérias. “A Federação Internacional de Futebol Associado (FIFA) precisa saber das brincadeiras de mau gosto que se passam na FAF”, sentencia.
O nosso interlocutor argumenta, por outro lado, que o seu advogado está a acompanhar a passo-a-passo todo este processo, na perspectiva de o Progresso da Lunda-Sul, resolver todos pendentes que tem para consigo.
Contudo, descarta a atitude da FAF se o julga como o lado mais frágil da corda. “Enganam-se redondamente se assim o julgam. Não temo ninguém, apenas respeito. Porém, se quiserem levar este assunto ao extremo, eu estou preparado. Se quiserem guerra comigo idem aspas”, disse claramente aborrecido, o ex-dirigente do clube lunda.
E mais ainda: Floriando Aníbal Quipossoa deixa clara a ideia de que o organismo reitor do desporto-rei no país, não pode agir de livre arbítrio e ao seu belo prazer.
“A FAF não pode pensar, que por ser o órgão reitor da modalidade-rainha, o que anuncia num comunicado e o que decide, está acima da razão. Por outro lado, o Conselho de Disciplina também não pode agir, como se fosse o único departamento que tem o domínio das leis. Enfim, sinto-me bastante entristecido com tudo que vem ocorrendo na FAF. As coisas estão demais”, sublinha o ex-responsável do Progresso da Lunda-Sul.
Contudo, o JD apurou, ainda, que Enoque Carvalho, advogado de Floriando Aníbal Quipossoa já apresentou uma reclamação junto da Procuradoria Geral da República (PGR), dia 13 do corrente mês.