Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

FAF apoia associao de rbitos

Augusto Panzo - 27 de Dezembro, 2016

Presidente da Associao dos rbitros de Futebol reitera a disponibilidade em prol da classe

Fotografia: Joo Gomes

A Associação de Árbitros de Futebol de Angola (AAFA) conta nos próximos anos com o apoio da Federação Angolana de Futebol (FAF), no que toca ao funcionamento da instituição cujo elenco directivo tomou posse no sábado, dia 24 de Dezembro. A garantia foi dada a direcção daquela instituição pelo presidente eleito da FAF, Artur Almeida e Silva, no encontro mantido entre as duas personalidades, à margem da cerimónia realizada na Galeria dos Desportos, local onde decorreu o acto de empossamento.

Em entrevista ao Jornal dos Desportos, o presidente da AAFA, Vicente Garcia, mostrou-se satisfeito com a iniciativa do novo responsável da Federação, por testemunhar a actividade que legitimou a direcção eleita, para o quadriénio 2016/2020. "O senhor presidente da FAF veio ao nosso encontro, para assistir a nossa tomada de posse. Como é óbvio, trocámos algumas ideias, e tudo quanto falámos, o senhor Artur Almeida mostrou plena confiança na direcção da AAFA, e materializou um dos pontos do seu programa, em que defende a união de todos os seus parceiros", comentou  Vicente Garcia.

O dirigente da Associação de árbitros afirmou que durante o encontro Artur de Almeida reiterou a disponibilidade de trabalhar com a instituição que vela pela situação dos juízes de futebol do país, uma componente importante para o desenvolvimento da modalidade. "O facto da AAFA ser um dos parceiros fundamentais da FAF, o presidente da Federação veio ter connosco para manifestar a disponibilidade em trabalhar com a nossa instituição", reforçou.

Sublinhou que a nova direcção do órgão reitor do futebol no país, garantiu trabalhar no sentido das duas partes agirem em harmonia, numa clara demonstração de cumprir a profecia de dar "a César o que é de César". "Recebemos muitas garantias do senhor Artur de Almeida,  assegurou-nos que vai dar à AAFA tudo o que é dos árbitros. Pela primeira vez, um presidente da FAF mostra interesse de colocar um gabinete condigno à disposição da nossa instituição, para que possamos trabalhar em conjunto", revelou.

Outra acção que vai beneficiar a Associação dos árbitros, relaciona-se com a hipótese do  presidente da FAF ajudar a AAFA a tornar-se instituição de utilidade pública. "O presidente da federação deixou bem claro,  foi peremptório em dizer que vai ajudar a Associação nos aspectos administrativos, para tornar a AAFA uma instituição de utilidade pública,  nos próximos tempos. Isso, é encorajador para nós", reconheceu.

PATROCÍNIO
AAFA aguarda decisão da Sonangol


O presidente da AAFA, Vicente Domingos Garcia, revelou que a instituição de que é responsável tem como principal patrocinador a Sonangol, entretanto, na actual conjuntura em que se encontra a empresa, antevê-se dias complicados na gestão, já que nada está definido em relação à continuidade dos apoios.

"A AAFA tem como patrocinador principal a empresa Sonangol, entretanto, com as políticas que estão em curso na empresa não temos ainda o respaldo da patrocinadora, até ao momento. Neste contexto, aguarda-se pela melhoria da actual situação, enquanto, vamos viver das quotizações dos associados", assumiu.

Ainda assim, não descarta a possibilidade de assinarem contratos com outras empresas que manifestem interesse e capacidade para ajudar a Associação em referência, em prol do futebol nacional. “Apesar dessa ideia ser a mais segura, vamos viver de quotizações dos nossos associados, e procurar assinar contratos com outras empresas que se mostrem flexíveis em ajudar-nos”, destacou Vicente Garcia.

Na óptica do dirigente, a união dos árbitros constitui uma das premissas fundamentais do mandato,  não descura outras nuances referentes à classe, para torná-la forte. "A nossa meta, passa em primeiro lugar, na união da classe da arbitragem de futebol do país, para que os nossos associados sintam que estamos a fazer alguma coisa por eles. Depois, vamos lutar pela formação dos árbitros e não só", contou. 

Outra situação a que a AAFA se propõe resolver, relaciona-se com a criação de meios para a integração social dos árbitros, procurar  formas de dar empregos aos associados que se encontrem na condição de desempregados. "Vamos procurar formas de encontrar soluções junto do Ministério da Administração Pública Emprego e Segurança Social (MAPESS), no sentido de arranjarmos empregos para alguns dos nossos associados que se encontrem na condição de desempregados, em defesa da nossa classe", sublinhou. "Há dias foi dito que o MAPESS tem uma política de enquadramento social dos desportistas, e acho que nós árbitros fazemos parte desse grupo", realçou Vicente Garcia.                        
AP                    

DIFICULDADES
“Não temos
qualquer fundo”

A direcção da AAFA assume a determinação de trabalhar para a melhoria da classe, no próximo quadriénio, lamenta o facto de encontrar uma instituição completamente desprovida de fundos. "Encontramos uma Associação que está em más condições financeiras, mas quem vai à chuva é para se molhar. Não nos resta alternativa, senão arregaçarmos as mangas e trabalhar. É preciso financiamento e patrocínios. Creio que com o apoio visível da FAF, demonstrado pelo seu presidente, vamos dar os primeiros passos", afirmou.

De acordo com o nosso interlocutor, todos os árbitros são filiados, mas há a tendência de aumentar o número de associados nos próximos anos , para tornar a classe mais forte e unida em prol do desenvolvimento do futebol. Vicente Garcia garantiu apostar na formação, e cumprir na rígida com o seu programa de acção, de formas a tornar a Associação dos Árbitros de Futebol de Angola ma instituição em que os filiados se revejam.

"Todos os árbitros são filiados e dentro daquilo que é o nosso programa de formação, vamos aumentar o número de associados. Por tudo quanto sei, vou levar a bom porto o meu projecto, em função daquilo que são as minhas linhas de força", prometeu o homem forte da Associação dos árbitros.                               
AP