Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Falta de ambio resulta em nulo

Jorge Neto - 23 de Julho, 2018

Progresso em tarde de fraca inspirao conforma-se com o resultado

Fotografia: Paulo Mulaza | Edies Novembro

A falta de inspiração ofensiva das duas equipas, resultou no empate nulo, ontem no Estádio dos Coqueiros, entre o Progresso do Sambizanga e o FC Bravos do Maquis.
Quando tudo parecia que os sambilas, depois das duas vitórias consecutivas, estariam a progredir, tudo voltou a primeira forma.  É bem verdade que tentaram mudar o quadro, mas sem ambição para vencer.
Com as bancadas às moscas devido ao horário do jogo, já que coincidiu com o grande clássico nacional, aspecto que deve merecer  mais atenção por parte da Federação Angolana de Futebol e da Zap, as duas equipas conformaram-se muito cedo com o resultado.
Contudo, a jogar em casa o Progresso assumiu um maior pendor ofensivo e obrigaram o guarda-redes Mig a fazer várias defesas, para negar o golo aos pupilos de Hélder Teixeira, numa tarde de fraca inspiração.
O capitão sambila, Yano esteve simplesmente irreconhecível. A unidade de maior referência da equipa sambila rematou a baliza contrária, tão-somente de bola parada no primeiro tempo.
Por outro lado, os comandados de Zeca Amaral tentavam contrariar, com uma consistência defensiva e com algumas jogadas rápidas, mas sem criar grandes perigos a Titi, que foi um mero espectador na etapa inicial.
O empate nulo na primeira metade justificou-se, em função dos dois conjuntos não conseguirem traduzir em golos, as poucas investidas que tiveram, embora a equipa da casa tenham rematado mais vezes e com maior perigo.
 No reatamento, as coisas não se alteraram de forma substancial. O sinal mais pertenceu sempre aos sambilas, enquanto os maquisardes adoptaram uma atitude de expectativa, apesar de  rematar algumas vezes.
O jogo foi decaindo de ritmo e parecia que as equipas estavam conformadas com o empate. Faltava ousadia nas acções ofensivas. Os dois conjuntos, a dada altura, amarraram em demasia o jogo, penalizando o ingrediente máximo de uma partida de futebol: os golos.
O Progresso ainda esgotou todas as substituições, no intuito de mudar o rumo dos acontecimentos, porém insuficiente para fazer as redes balançarem e agitar os poucos adeptos presentes nas bancadas.
Uma distracção do guarda-redes Titi, quase oferecia o golo ao Bravo do Maquis, mas recuperou a tempo de evitar que a bola entrasse na sua baliza, após uma má recepção de um passe feito por um colega seu.

ARBITRAGEM
O árbitro Bernardo Nangolo realizou um trabalho sem contestação, por isso, não teve influência no resultado final. O juiz acompanhou as jogadas de perto e esteve certo no aspecto técnico e disciplinar. As equipas facilitaram o trabalho do trio de arbitragem e jogou-se num ambiente de fair play, embora tenha havido muitas paragens, com os atletas a queixaram-se de dores musculares.

DECLARAÇÕES
Hélder Teixeira Progresso sambizanga/
\"Assim é difícil jogar\"
“Veio cá uma equipa com uma cama e uma toalha para fazer praia, assim é difícil jogar. Mas o futebol também tem destas coisas. Acredito que fomos a equipa que fez mais para ganhar e a outra veio disposta para empatar. Sabíamos que iria ser um jogo difícil, pois, conhecemos bem o adversário e fizemos uma boa preparação, infelizmente não marcamos e deixamos que o Maquis fizesse o seu jogo”.

CUANDO CUBANGO VS ACADÉMICA
Cassinda “congela” estudantes

Depois de um jejum sem vitórias no campeonato, pois não triunfavam há seis jornadas, o Cuando Cubango FC, a jogar em casa, conquistou ontem, três pontos, ao derrotar a Académica do Lobito por duas bolas sem resposta. O avançado Cassinda, com o \"pé quente\" em tarde fria, foi o \"homem do jogo\".
Com vontade de vencer a partida, o Cuando Cubango Futebol Clube partiu para cima do adversário e aos cinco minutos de jogo, Paulito na cobrança de um pontapé livre, rematou forte para a defesa do guarda-redes Ndulu. Minutos depois, numa jogada de insistência, Mussa dentro da área adversária, depois de receber um belo cruzamento de Geuda, rematou para cima da baliza lobitanga com o guardião completamente batido.
O mesmo Paulito, aos 22´, à entrada da área adversária, rematou forte, mais a bola não levou a melhor direcção.
A insistência da equipa treinada por Abel da Conceição teve resultado aos 28´, quando Cassinda, depois de ter falhado dois minutos antes, marcou o primeiro golo do jogo, depois de tirar dois adversários da frente, rematou colocado e sem hipóteses de defesa para o guarda-redes da Académica do Lobito.
O golo sofrido nem por isso abalou os alicerces da Académica. Aos 40´, por exemplo, Jiresse, depois de rasgar todo o corredor esquerdo da equipa da casa, diante do guarda-redes  Rochana, rematou forte mas a bola passou ao lado da baliza.
O dia estava escrito que seria de Cassinda. O avançado do Cuando Cubango FC, aos 49´,  voltou a fazer gosto ao pé, depois de aproveitar bem um ressalto de bola dentro da área adversária, chutou forte e de forma vitoriosa.
Apesar da desvantagem no marcador, os estudantes não esmoreceram, pelo contrário. A equipa de Rui Garcia procurou, em várias ocasiões, reduzir a desvantagem no marcador, porém, teve pela a bem estruturada defensiva do Cuando Cubango FC, em certos momentos, e  em outros a fraca pontaria dos atacantes da Académica. 
LOURENÇO BULE, MENONGUE