Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Falta de triunfos agita aviadores

Augusto Panzo - 02 de Abril, 2017

Clube está a obter resultados que deixam a direcção do clube céptica quanto aos objectivos traçados para a época

Fotografia: M.Machangongo

A equipa do Atlético Sport Aviação (ASA) continua sem vencer no Girabola Zap de 17, quer em jogos caseiros, como na condição de visitante, facto que deixa a direcção do clube preocupado, apesar do presidente do clube, Elias José, acalentar ainda as esperanças de que dias melhores virão, em função de muitas outras equipas do mesmo nível se encontrarem com diferença pontual muito reduzida, com relação ao ASA.

 Esse pensamento foi revelado por Elias José ao Jornal dos Desportos, numa breve entrevista antes da realização da partida entre os aviadores e os polícias, disputada sexta-feira para a abertura da oitava jornada do Girabola Zap de 2017.

“De facto preocupa-nos essa situação, mas ainda assim, sempre acalentando esperanças, pelo facto também de que,, uma grande parte das equipas não estarem muito distantes da nossa classificação, visto que, uma única vitória catapulta-nos para o meio da tabela. Portanto, devemos continuar a trabalhar”, afirmou o dirigente máximo do ASA.

Consultado a fazer uma abordagem mais concisa sobre possíveis medidas que possam facilitar a viragem dessa situação, Elias José anunciou  terem sido dadas instruções apropriadas à equipa técnica.


EM CASA
“Mais importante
é não perder ”

Elias José reconheceu que o ASA tem o outro lado positivo, que se traduz no facto de não perder em sua casa ao longo das sete partidas que já disputou neste campeonato.

“As vitórias tardam surgir, mas se compararmos bem, o ASA está a trilhar um caminho equilibrado, na medida em que ainda não perdeu nenhum jogo em sua casa. Temos estado a fazer o possível de pelo menos em nossa casa não perdermos. Sei que também ainda não ganhámos, mas o mais importante é não perdermos em nossa casa, procurar no mínimo pontuar, e é isso que temos feito, o que nos faz acalentar alguma esperança”, aludiu. 

O plantel do ASA para o Girabola Zap de 2017 está muito reformulado, apresenta cerca de 90 porcentos de caras novas, facto que se pressupunha ser uma das causas da ineficiência da equipa, mas o presidente Elias José descarta essa hipótese e atribui a culpa à falta de capacidade financeira.

“Em princípio devo dizer  que muitos dos jogadores que saíram, não foi por culpa da direcção ou da equipa técnica. Foi por razões financeiras que o clube vive. Temos jogadores que foram para o Progresso do Sambizanga e outros para outras equipas. Não era nossa satisfação, nem nosso desejo”, disse. O JD insistiu em saber do dirigente máximo do clube aviador sobre o que de facto está por detrás disso e, sem vacilar, Elias José foi ao confessionário e revelou as razões fundamentais. 

“Os jogadores não saíram ASA por nossa culpa, mas sim, atendendo à situação que o clube vai vivendo, porque não conseguimos honrar os compromissos financeiros que muitas das vezes firmamos com os atletas e com certo pessoal\", esclareceu.            

“Demos instruções à equipa técnica no sentido de fazer um esforço, para que as vitórias necessárias possam aparecer nos próximos tempos, a começar já por este jogo diante do Interclube. Acredito que, quem nos tem acompanhado sabe que a equipa tem estado a jogar bem, mas a sorte ainda não nos bateu à porta. Mesmo assim, acreditamos que vamos fazer um esforço, no sentido de que isso seja uma realidade”, prometeu. Como o seu discurso indicia positivismo, o JD indagou Elias José se essa firmeza significa atribuir um voto de confiança ao treinador João Machado, ao que o presidente do ASA anuiu. 

“Bem, se não déssemos um voto de confiança à equipa técnica diria que não estaríamos a criar um ambiente salutar para que essa pudesse trabalhar, nem teríamos um ambiente  saudável com os próprios jogadores. É necessário que haja ambiente saudável, para que os técnicos possam trabalhar, os jogadores também possam sentir que têm presente um timoneiro. Portanto, de qualquer das formas não podemos retirar o voto de confiança ao técnico tão logo, por causa da falta de vitórias”, garantiu Elias José.