Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Festa ofuscada

Jorge Neto - 06 de Novembro, 2017

Jogo decorreu num bom ritmo com as duas equipas a procurarem fechar o campeonato com um bom resultadorarem fechar o campeonato com um bom resultado

Fotografia: Vigas da Purificação | Edições Novembro

A festa do 1º de Agosto acabou por ter um sabor agridoce com a derrota ontem diante do Kabuscorp do Palanca, depois de estar a vencer ao intervalo. A reviravolta dos palanquinos surpreendeu os defesas rubro e negros, que em apenas dois minutos sofreram igual número de golos e fecharam o campeonato com um deslize, quando se esperava pelo contrário.
Com várias alterações no onze inicial à pensar na final da Taça de Angola no próximo dia 11 diante do arqui-rival Petro de Luanda, os agostinos entraram dispostos a marcar o mais cedo possível e depois de algumas tentativas, Diogo Rosado aos 13´, não se fez rogado e adiantou os campeões nacionais no marcador. O guarda-redes Elber ofereceu um "frango" antes do natal ao avançado militar.
O jogo decorreu num bom ritmo com as duas equipas a procurarem fechar o campeonato com um bom resultado para dar alegria aos seus adeptos, embora cada um com uma motivação diferente. Os militares ambicionavam fechar com chave de ouro, após a conquista antecipada do título, enquanto os palanquinos pretendiam redimir-se das duas derrotas nas jornadas anteriores.
Do lado dos rubro e negros Julião, Mingo Bile, Schow e Rambé regressaram a titularidade e tiveram um bom desempenho. Aliás, o guarda-redes (Julião) travou os remates dos avançados adversários no primeiro tempo mantendo a sua baliza imbatível.  
Os adeptos dois conjuntos esperavam por mais golos, em função do futebol ofensivos que se praticava no relvado do estádio 11 de Novembro, mas se não fossem os guarda-redes a entrar em acção eram os avançados que não tiravam proveito das ocasiões, até ao intervalo.
No reatamento Dragan Jovic não perdeu tempo e refrescou a sua equipa, com as entradas de Nelsn da Luz e Medá para os lugares de Diogo Rosado e Schow, ao passo que do lado de Romeu Filemon ficou tudo na mesma.
Os palanquinos encararam olhos nos olhos os campeões nacionais, apesar do melhor marcador da equipa, Jacques, passar algo tímido no jogo. Lami apareceu no momento certo, melhorando os problemas de finalização da formação orientada por Romeu Filemon. Houve momentos em que encostaram o 1º de Agosto ao seu último reduto, obrigando-o a defender-se e jogar no contra-ataque.
A entrada de Geraldo aos 73´ trouxe um novo alento aos rubro e negros que passaram a incomodar mais a defesa adversária, em dois lances o avançado podia ter bisado, mas tanto Elber como a má pontaria negaram-lhe o golo.
Contudo, os palanquinos não queriam participar da festa do 1º de Agosto e em dois minutos fizeram uma reviravolta ao marcador. Lami aos 88´, numa jogada de entendimento com Jacques e Luís Tati aos 90´ com o golo da tarde, um livre directo bem cobrado pelo médio ofensivo, sem hipóteses para o guarda-redes Julião.

INVASÃO
A invasão do relvado no final do desafio foi a nota negativa, pois originou o pânico, após a intervenção da Polícia Nacional, que teve de intervir para retirar os adeptos daquela zona do campo. A situação podia ter sido acautelada, em função do ambiente festivo que era previsível.
Pessoas há que foram levadas para o hospital mais próximo para os primeiros socorros. A relva acabou por ressentir o elevado número de pessoas que a pisaram. Além disso, colocaram em risco a integridade física da equipa do 1º de Agosto.
Em 2013  o  Tribunal Municipal de Polícia da Ingombota, em Luanda, condenou seis adeptos da claque do 1º de Agosto, a penas efectivas de 15 a 45 dias de prisão efectiva, por crimes de vandalismo durante o jogo da equipa frente ao Kabuscorp do Palanca (0-1), para Girabola.

OPINIÕES
1º de Agosto Ivo Traça      


“Vamos continuar a festejar"Queremos dar os parabéns as Forças Armadas, que é o nosso patrocinador, para nós podermos estar aqui hoje, aos nossos adeptos, à direcção do clube e vocês aos jornalistas pela cobertura. Falando do jogo, foi uma partida que estava tudo controlado, queríamos fechar com chave de ouro, paciência, não conseguimos mas vamos continuar a festejar, porque alcançamos o principal objectivo da equipa traçado no início da época".

 Kabuscorp
Romeu Filemon


“Podíamos ter feito mais“Penso que a nossa equipa poda ter feito muito mais no primeiro tempo, mas no segundo conseguimos reverter as coisas e felizmente conseguimos um bom resultado. Eu disse aos meus jogadores que era possível vencer o 1º de Agosto porque em termos de tradição o Kabuscorp ganha ao 1º de Agosto. Estruturamos bem a nossa equipa do ponto de vista táctico e atingimos o nosso objectivo. Acho que o jogo esteve aberto, o 1º de Agosto teve algumas oportunidades e decidimos o jogo nos últimos dois minutos". 

ARBITRAGEM
Trabalho regular


O trabalho do árbitro Inácio Rangel não sofreu nenhuma contestação de um modo geral, daí ser encarado como regular. Teve uma tarde de pouco trabalho, os atletas jogaram mais a bola, com o objectivo de proporcionar um bom espectáculo aos seus adeptos e deixaram de lado aqueles lances mais ríspidos. Nos fora-de-jogos os assistentes cumpriram com o seu papel, demonstração atenção e não influenciaram de forma negativa. O juiz mostrou poucos cartões amarelos em função do "fair play" apresentado pelos jogadores.

MELHOR EM CAMPO
Lamy jogou e fez jogar


O médio ofensivo do Kabuscorp do Palanca liderou a sua equipa a vitória no dérbi de ontem, dando o exemplo com o golo do empate. Deu muita luta aos defensores do 1º de Agosto e apareceu em melhor forma no segundo tempo, ou seja, no momento certo quando a equipa mais precisava dele. O grande golo marcado por Luís Tati chega a criar alguma rivalidade com a exibição de Lami, mas no computo geral o capitão liderou os colegas ao triunfo da sua equipa diante de um público que viveu o jogo do principio ao fim com muita emoção.