Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Fraca imaginao dita derrota dos estudantes no Ombaka

Julio Gaiano, no Lobito, em Benguela - 01 de Abril, 2019

Foi uma tarde carregada de tristeza e decepo, tanto mais que j no declinar da contenda, acabou por sofrer um golo

Fotografia: Vigas da Purificao | Edies Novembro

A fraca imaginação e irresponsabilidade no jogo ditaram a derrota da Académica do Lobito frente ao Kabuscorp do Palanca, por 0-1, num jogo em que o adversário não precisou de empenhar-se ao fundo para vencer e confirmar o favoritismo que detinha. Os estudantes pagaram pela falta de arte e engenho para, no mínimo evitar a derrota no seu reduto.

 Mais uma vez, o público lobitanga e benguelense deixaram o estádio nacional de O’mbaka aos prantos. Foi uma derrota consentida e que acabou por confirmar que algo vai mal nas hostes da Academica do Lobito. Faltou de tudo um pouco no colectivo dos jogadores, com a equipa técnica liderada por Júnior Paulino a revelar-se impotente e, por isso, acabou apupado. 

 Foi uma tarde carregada de tristeza e decepção, tanto mais que já no declinar da contenda, acabou por sofrer um golo, resultante de uma grande penalidade (89’), a castigar mão à bola dentro na área das grandes penalidades. Amaro chamado a cobrar, fê-lo com mestria, ante a imponência de Fany fez-se mal à bola e acabou mal batido. 

 O golo aconteceu, justamente, em que os palanquinos tomaram conta da situação e passaram ao comando das operações, justificando daí a diferença no embate. Ouviram-se choros e lamentos nas bancadas, com a assistência a clamar pela substituição do técnico Júnior Paulino. Alguns jogadores não escaparam da chacota dos adeptos. Guelor e Marcio Luvambo foram vítimas de escárnio. 

 Não foi fácil para que viveu na pele daqueles jogadores e do técnico que, nada mais fizeram senão acabarem cabisbaixos. 

 A Académica do Lobito só pode culpar-se de si próprio. Fartou-se de desperdiçar uma mão cheia de golos feitos, com o atacante Guelor a evidenciar-se pela negativa. Ainda assim, acabou mal substituído, visto que, apesar dos falhanços, remeteu a equipa adversária à defesa. Dificilmente, subia no terreno, um facto mal interpretado pelo seu técnico. Deixou-se levar aos clamores dos adeptos e tirou-o, colocando para o seu lugar Gaston Tshabalala. 

 Na verdade, foi uma aposta errada, pois o jovem atacante não acrescentou nada, pelo contrário, facilitou a tarefa do adversário que, aproveitou-se da situação para subir as linhas e tomar conta do jogo e no fim, confirmar o triunfo por intermédio de Amaro já no declinar da contenda (89’).

VITÓRIA
Desportivo afunda ASA nos Coqueiros

Sargento ao 55 minutos, Beto  aos 71 e Pedro saído do banco aos 84 minutos,   marcaram os golos do Desportivo, ao passo que  Kibeixa apontou o único golo  do ASA,  na vitória gorda dos huilanos,  por 3-1, em jogo da 21ª Jornada do Girabola Zap, realizado ontem no Estádio dos Coqueiros. Ansiosa em regressar as vitórias, a equipa do  ASA entrou a todo gás,  procurando encurralar o adversário no seu sector defensivo com o intuito de fazer golos que lhe permitisse alcançar três ansiosos  pontos para afirmar o seu sonho na luta pela manutenção no Girabola . 

A  turma que veio da Huíla  com pinta de sensação da prova apareceu apática sem um fio de jogo que lhe permitia executar com competência as suas qualidades  competitivas como nos jogos anteriores. Desse modo, o ASA era a equipa mais esclarecida em campo, mas as suas incursões ofensivas acabavam  na muralha defensiva huilana por falta de discernimento dos atacantes aviadores. 

Dos balneários regressaram duas equipas ambiciosas  pela vitória, ou seja o ASA na condição de anfitriã , apostava no ataque e o Desportivo no contra-ataque. Mas é bem  verdade,  que foi  os militares da Região Sul que tiveram  mais qualidade no seu futebol e desse modo levavam  muito perigo   a defensiva contrária, ou seja aos  51 minutos Beto na cara do golo permitiu uma defesa de belo efeito de Feliciano e Nandinho aos 54 minutos falhou escandalosamente àquele que seria o primeiro golo do Desportivo .

Do lado do Asa   Guebusa e  Odilon foram os atletas que falharam na cara do golo. Nessa senda os huilanos foram mais ousados e aos 55 minutos, Sargento inaugurou o marcador e aos  71minutos  Beto fez o segundo e finalmente Pedro aos 84 minutos fechou o placard para os huilanos. Ao passo que kibeicha de grande penalidade descontou para os aviadores.