Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Frango Sambila d vitria ao Kabuscorp

Manuel Neto - 26 de Abril, 2018

Kabuscorp do Palanca viu-se de desejou-se para vencer ontem no estdio dos Coqueiros o Progresso Sambizanga

Fotografia: Jos Cola | Edies Novembro

O Kabuscorp do Palanca viu-se de desejou-se para vencer ontem no estádio dos Coqueiros o Progresso Sambizanga, por 3-2, para a 12ª jornada do Girabola ZAP.

Espevitado pelas vitórias consecutivas nas jornadas anteriores, o Kabuscorp do Palanca entrou de rompante com o fito de conseguir a terceira vitória  consecutiva, desta feita, diante do Progresso Sambizanga. 

Por isso, o engodo à baliza era  cada vez mais evidente no inicio da partida, mas sem oportunidade flagrante de golo. Apesar da intenção, o  primeiro aviso surgiu da parte dos sambilas, quando  Maria Pia, depois de galgar o centro do terreno, atirou a escassos metros da baliza de Elber. 

O Kabuscorp assustou e organizou-se melhor no centro,  com Dário e Magola a serem os senhores da organização do jogo da equipa e foi nesta esteira que  Arouna com um passe magistral isolou Nandinho que, num gesto, igualmente genial, aos 17 minutos  fez  o primeiro golo da partida.O Progresso acusou o golo sofrido e deixou de desbobinar a sua qualidade de jogo inicial e os palanquinos moralizados pelo golo foram  melhorando  cada vez mais a sua qualidade de jogo, explorando quer os flancos como o centro do terreno e nesta senda aos 38 minutos Nelito que substituiu Arouna lesionado aos 38 minutos fez o segundo golo para gáudio  dos seu grupo e os adeptos presentes. 

Inconformado com o resultado, o técnico Hélder Teixeira, do Progresso do Sambizanga, avançou as sua linhas , mandando Maria Pia ao lado de Yano e esta leitura valeu-lhe o golo de Yano marcado aos 42 minutos de jogo. O golo marcado pelos sambilas foi um oxigénio  para o grupo, pois, o acreditou  que o empate era  uma  questão de momento, mas o intervalo retirou-lhes esta vontade. 

Tal como terminou a primeira parte, no  reatamento  os sambilas voltaram com mais pressão encurralando o adversário no seu último terço, na tentativa de cedo chegar ao golo de empate, tudo por culpa  dos Palancas Negros que  com o medo de sofrer o empate baixaram  as linhas que eram bem explorados pela turma de Hélder Teixeira.

Em face disso, o caudal ofensivo era cada vez mais volumoso, com jogadas a toda a dimensão do terreno, aos 74 minutos, o  esforço do Progresso foi premiado com o golo de empate marcado por Popó que saíra do banco. 

Sem motivações para vitória  e com os sambilas a queimarem tempo, conformados com empate, e quando ninguém mais acreditava, o jovem guarda-redes, depois de ter a bola controlada, deixou escapá-la e Calero ,que viera do banco,  fez o terceiro para a sua equipa. 

A equipa de arbitragem, chefiada por Sabino de Carvalho, teve uma postura aceitável. Esteve sempre bem, quer no capítulo técnico, quer no disciplinar. Aliás,  a boa  conduta  das equipas  acabaram por facilitar o trabalho da equipa de arbitragem.