Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Furacão tricolor

Jorge Neto - 08 de Maio, 2017

Eficácia do Petro de Luanda colocou em cheque todo o sistema defensivo do Sagrada Esperança

Fotografia: M.Machangongo

A eficácia apresentada pela equipa do Petro de Luanda acabou por colocar, ontem, em cheque todo o sistema defensivo do Sagrada Esperança que não conseguiu travar o ímpeto ofensivo dos tricolores, que coroou a sua boa exibição com números expressivos 5-1, retirando os diamantíferos da liderança do campeonato e entregando ao arqui-rival, 1º de Agosto. 

Os dois conjuntos entraram com os olhos postos nos três pontos, mostraram que estavam em campo para apresentar um futebol ofensivo, sempre com a intenção de chegar ao mais breve possível a baliza adversária. Porém, pertenceu aos petrolíferos os primeiros sinais de perigo, com Manguxi a estar próximo do golo. O Sagrada respondeu na mesma moeda por Femi, num remate de fora da grande área.

A nota negativa prende-se com o facto do pouco público que se deslocou ao Estádio 11 de Novembro, deixando as bancadas da nova catedral do futebol nacional, com enormes  clarões, a clamar por mais assistência para o jogo de maior cartaz da 13ª jornada. Com o brasileiro Tiago Azulão, o artilheiro da equipa, no banco de suplentes, os tricolores não alteraram a sua forma de jogar e dominavam na posse da bola, mostraram que queriam marcar cedo, mas o adversário estava bastante motivado e sabia que tinha de ganhar para reassumir a liderança do campeonato.

Apesar disso, os petrolíferos adiantaram-se no marcador aos 23´, por Mateus, que saltou para cabecear um cruzamento de Job, num lance em que é notória claramente uma falta de marcação ao médio da equipa da casa. O segundo golo não tardou, estiveram envolvidos os mesmos intervenientes mas com os papéis trocados, Mateus cruzou para a cabeça de Job aos 29´fazer um chapéu a Yuri.

Os pupilos de Ekrem Asma demoravam a responder e os comandados de Beto Bianchi mantinham o pé no acelerador, após uma sequência de remates dentro da área, Manguxi, aos 32´, fez estremecer o poste com um remate, causando calafrios ao adversário. Com o tempo os diamantíferos acreditaram mais e conseguiram assustar a defesa tricolor por intermédio de Trésor.

No segundo tempo, os tricolores voltaram a marcar cedo, desta pelo brasileiro Tony, estreando-se a marcar no Grirabola Zap, após uma assistência de Job. Quando se aguardava pela resposta, os pupilos de Beto Bianchi dilataram o placar com mais dois golos, Carlinhos aos 57´, num golaço e Tony, que bisou aos 61´, após cruzamento de Job.

O técnico Ekrem Asma não quis acreditar no que via, os seus jogadores estiveram aquém do que esperava deles, pois foram vulgarizados pelos petrolíferos. Com a goleada consumada restava apenas aos lundas marcar o golo de honra, que aconteceu aos 77´, através de uma cabaça de Lelas. 

Este resultado dilatado a favor do Petro de Luanda galvaniza-o na luta pela conquista do campeonato que o ano passado falhou depois de estar no encalço do 1º de Agosto até às últimas jornadas. Na posição em que se encontra neste pomento ainda pode sair se ganhar tdas as partidas que estam pela frente e, assim, posicionar-se ao lado de outros favoritos, como o 1º de Agosto e Kabuscorp.

MELHOR EM CAMPO   
O “garçon” Job

Com um golo e três assistências Job destacou-se na recepção ao Sagrada Esperança da Lunda Norte, comandando de forma exemplar a formação do Petro de Luanda. O capitão tricolor mostrou toda a sua experiência e encaminhou a sua equipa para uma goleada que era de toda inesperada, mas que coroou a maior determinação da formação da casa. Job foi o \"garçon\" do dia, jogando sempre em equipa, deixando o individualismo de lado, cumprindo com a táctica traçada pelo técnico brasileiro Beto Bianchi, bastante interventivo no desafio, puxando sempre pelos seus pupilos.

TÉCNICOS
“Os jogadores
fizeram bom trabalho”

Nejó (Petro de Luanda)-
\"Jogámos com uma equipa muito forte que é o Sagrada Esperança, que também luta pelo título, felizmente fizemos um bom jogo e conseguimos uma vitória tranquila. Felicito os meus jogadores por esta vitória e vamos continuar a trabalhar para atingirmos os nossos objectivos. Naturalmente que é um triunfo que estava nas nossas intenções, os jogadores fizeram um bom trabalho e estão de parabéns\".

“É um resultado
muito dilatado para nós”
Ekram Asma -
\"É um resultado muito dilatado. Não contávamos com esse resultado que podia ser menor, mas o Petro aproveitou bem os nossos erros defensivos da melhor maneira possível. Também tivemos as nossas oportunidades mas não marcamos e isso faz parte do futebol. Viemos a Luanda para ganhar mas infelizmente saímos daqui com uma derrota pesada que não estava nas nossas previsões\".

ARBITRAGEM

Apito regular

Hélder Martins realizou um trabalho isento de comentários negativos, apitou apenas o que tinha de apitar e não teve influência nenhuma no resultado final do desafio. Os jogadores das duas equipas ajudaram imenso na sua actuação, pois primaram por jogar apenas futebol e não incorrer em práticas que nada têm haver com o futebol. O juiz foi bem auxiliado por Jerson Emiliano e Wilson Ntyamba nas situações de fora-de-jogo.