Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Futgest busca atletas para mercado europeu

Paulo Caculo - 22 de Setembro, 2018

Nuno Maia promete levar pelo menos dez a doze talentos angolanos para a Europa

Fotografia: Mota Ambrsio | Edies Novembro

A transferência de futebolistas angolanos, com potencial e capacidade técnica reconhecidas para o mercado europeu, pode tornar-se mais fácil nos próximos dias, mercê da oportunidade que a Futgest, empresa de gestão de atletas, pretende proporcionar.
Segundo o seu administrador, Nuno Maia, pelo menos dez a 12 jogadores devem seguir viagem para o velho continente. O também ex-futebolista falava em entrevista ao Jornal dos Desportos, não precisou datas, mas assegurou a existência de contactos com vários clubes do Girabola.
Sublinhou que jovens talentos de referência podem partir para experiência no futebol europeu, nomeadamente, Portugal, Inglaterra e Espanha. \"A ideia de levar jogadores angolanos para a Europa, sempre esteve na nossa mente, desde que começamos a trabalhar com o futebol\", revelou.
\"Já temos os jogadores angolanos identificados, e os clubes para onde pretendemos levar. Estamos a falar, numa primeira fase, entre dez a 12 jogadores no máximo. Não vale a pena darmos o passo maior que a perna e depois, as coisas não correrem bem\", referiu e citou em seguida alguns dos atletas catalogados para evoluírem no campeonato português.
Destacou mais adiante,que esta intenção\"esteve sempre nos nossos planos, por uma razão muito simples: sou um antigo praticante, a minha mulher é angolana e sempre estivemos atento ao Girabola. A Futgest é uma empresa sediada em Belo Horizonte, no Brasil, que está com um projecto que visa potenciar os jogadores angolanos\", justificou.
\"O Filipe, da Académica do Lobito, e o Jarde que fez a última época no Libolo, são exemplos de jovens que queremos colocar na Europa. Temos vários exemplos de jogadores jovens e que temos a certeza que podem impor-se com facilidade, em campeonatos europeus\", avaliou confiante.
 \"O objectivo é fazer que sejam vistos nos outros campeonatos, porque a realidade é que nos últimos anos assistimos a breves passagens de jogadores angolanos por campeonatos na Europa, concretamente, o português. Mas acabam por regressar a Angola, sem vincarem. Não é, isso, que nós queremos\", acrescentou.
Nuno Maia reforçou que o grande propósito são os principais campeonatos europeus, sobretudo, o espanhol e inglês. Garante ser possível concretizar o sonho, porque acredita no valor dos futebolistas que evoluem no Girabola, pois, têm \"qualidade mais do que suficiente\" para estarem na Europa.
O administrador da Futgest, salientou por outro lado, ser necessário que haja também uma forte aposta na formação de futebolistas, porque considera que Angola precisa de vender jogadores para o futebol europeu, como fazem os outros países em África e no mundo.

“Brasileiros
vão dar
visibilidade
à prova”

A Futgest não tenciona limitar-se, apenas, em levar atletas angolanos para o exterior, o seu administrador disse que pretendem também trazer para a competição nacional, médios e avançados de referência, que estejam a evoluir no Brasileirão, principal campeonato de futebol do Brasil.
De acordo ainda com Nuno Maia, existe no país do samba vários jogadores descontentes, face à grave crise financeira que atravessam os clubes locais. "Queremos aproveitar o facto de haver atletas brasileiros que desejam deixar o Brasileirão e abraçar novas experiências", destacou.
Avançou ser esta uma "grande possibilidade, de trazer brasileiros de qualidade e contribuir também para que o Girabola tenha mais visibilidade, e os jogadores angolanos possam ser observados e despertem o interesse de clubes na Europa", comentou.
Garante, no entanto, que os atletas brasileiros catalogados não são caros para a realidade angolana, preferem ter a certeza de que vão receber alguma coisa, que viver de promessas de empresários no Brasil.
"Encetamos vários contactos com clubes, que neste momento têm saúde financeira para contratar, aguardamos as respostas. Tivemos o cuidado de fazer o trabalho de casa, antes de apresentar a proposta aos clubes, pois, queremos que tenham em nós um importante aliado", destacou. PC