Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Goleador do Desportivo augura regresso em grande

Morais Canmua, no Lubango - 28 de Abril, 2016

Atacante dos militares da Regio Sul motivado para o trabalho e recuperao na formao liderada pelo treinador Ivo Raimundo Traa

Fotografia: Jornal dos Desportos

O atacante Chiquinho Nambalo pode regressar à competição nas próximas jornadas do Girabola Zap, depois de uma longa paragem motivada por lesão contraída na 24ª jornada 24 do campeonato do ano passado, no jogo com o despromovido Domant FC de Bula Atumba.

A lesão no joelho direito fez que fosse engessado durante mês e meio, depois o jovem atacante iniciou um longo período de recuperação junto do corpo clínico do Clube Desportivo 1º de Agosto. Naquela altura, o filho de Basílio Nambalo que foi antigo goleador do Desportivo da Chela, era o "abono de família" do Clube Desportivo da Huíla.  Até o dia que contraiu a lesão, Chiquinho tinha "violado" 12 vezes as redes adversárias no Girabola, liderava a lista dos marcadores do conjunto militar da Região Sul.

Na pré-época deste ano, Chiquinho estava ainda longe da recuperação, razão por que não esteve no período de preparação, está a recuperar o tempo perdido em sessões de ginásio  para debelar a pequena atrofia da perna, sessões fisico - técnicas para igualmente recuperar à sua condição.

O goleador do Desportivo da Huíla começou na semana passada a treinar sem quaisquer limitações, facto que deixa satisfeito o técnico Ivo Traça que depois da saída do camaronês Emanuel Mbongó,  a equipa conta na posição com o experiente Kembwa e os jovens Mendes, Yuri e Beto Chicafa. Chiquinho Nambalo não escondeu ao Jornal dos Desportos a sua satisfação por voltar ao convívio dos colegas. Ainda assim, o jogador mostrou-se reservado ao ser confrontado com a recuperação física, dado que ficou parado mais de seis meses sem competir.

"Agora sinto-me bem melhor e pronto para dar o meu contributo em prol da equipa. Já não sinto qualquer dor. Sei que terei de fazer um grande esforço para recuperar. A minha motivação é tão grande que brevemente estarei apto e entregue às opções do treinador", disse.

Sem desprimor aos colegas que actuam no sector atacante da equipa, uma vez que a equipa marcou até agora dez golos no campeonato, o que considera escassos, Chiquinho revelou que "revela um trabalho aturado e bom sentido de baliza dos meus colegas de sector".

Motivado pela elevada concorrência, o goleador militar disse que vai enfrentar com "normalidade e respeito o trabalho que os colegas desenvolvem e procurar, nesta perspectiva,  melhorar os meus níveis para convencer o treinador".

Apontou o plantel como " equilibrado" e "capaz de ir o mais longe possível,  caso os potenciais candidatos o deixem".
O atacante recusou-se apontar o dia da estreia no presente campeonato, preferiu aludir que "isso depende do técnico que é quem deve avaliar a minha condição", porém,  manifestou-se "pronto" para fazer o que mais gosta: jogar e marcar golos.

CAMPANHA
"Segredo do sucesso
 é o árduo trabalho"


A sensacional campanha do Clube Desportivo da Huíla no Girabola Zap 2016, em que ocupa o quarto lugar na tabela de classificação com 17 pontos, os mesmos que o Petro de Luanda na terceira posição, resulta do árduo trabalho da equipa técnica chefiada por Ivo Traça e da determinação dos dirigentes do clube, segundo o avançado Chiquinho Nambalo.

"O segredo do sucesso da equipa neste campeonato, resulta do trabalho árduo que os técnicos e atletas empreendem, bem complementados pelos esforços da nossa direcção que não poupa esforços para a criação de condições de trabalho, sociais e incentivos vários", disse o ponta-de-lança para quem o excelente balneário que a equipa possui, tem igualmente a sua quota parte no sucesso do grémio no Girabola Zap 2016.

"Não há dúvidas que a união do grupo e o bom ambiente no nosso balneário contribuem sobremaneira para a estabilidade psicológica da equipa", argumentou para em seguida reforçar que os atletas que a equipa contratou este ano, "estão socializados e integrados numa grande família. Somos de facto, uma família no Desportivo da Huíla", disse.

Um outro aspecto que Chiquinho Nambalo realçou são as condições de trabalho que na sua opinião,  "melhoraram substancialmente". Antes,  "treinávamos em terrenos baldios, mas hoje com imensa dignidade treinamos num campo com todas as condições, que é o Estádio de Nossa Senhora do Monte,  isso também é relevante e contribui para o êxito que estamos a  alcançar".                     

CAMPEONATO
Chiquinho exalta competitividade


A época futebolística de 2016 que viu disputar  já nove jornadas, com o 1º de Agosto na liderança com 21 pontos, fruto de sete vitória e uma derrota (tem menos um jogo) tem sido muito competitiva, a julgar pelos resultados e também pelo posicionamento da maioria dos chamados "grandes" do futebol nacional na tabela de classificação. A avaliação é do avançado Chiquinho Nambalo, do Desportivo da Huíla.

"Há uma luta renhida e nós (Desportivo da Huíla) só estamos a aproveitar o nosso ´pé de meia´ e desta forma assegurar os pontos necessários para a manutenção no Girabola Zap, que de resto é o nosso principal objectivo", disse.

Não obstante a  equipa ter sido goleada pelo Benfica de Luanda na passada jornada, por 4-0 na abertura da nona jornada do campeonato, Chiquinho Nambalo acredita que "podemos fazer mais e melhor" para assegurar o objectivo principal do grupo.

 "Foi um acidente de percurso (derrota diante do Benfica). Acredito que estivemos mal e por consequência, as coisas saíram também mal. Vamos trabalhar para mantermos os nossos níveis competitivos e arrecadar o maior números de pontos possíveis para termos uma segunda volta sem muitas aflições", referiu.

Em relação à actual classificação em que o grémio está, em quarto, o atleta do CDH aceita ser provisória, mas "pode ser constante se nos deixarem e se continuarmos a melhorar o nosso desempenho na competição".      


OBJECTIVO
"Quero continuar
a marcar golos"


Marcar golos e ajudar a equipa do Desportivo da Huíla a somar o maior número de pontos no campeonato são os objectivos de Chiquinho Nambalo no almejado regresso à competição, pois como disse, "na qualidade de ponta - de - lança, marcar golos é a minha principal missão".

Considerado o principal "abono de família" da equipa militar da Região Sul, que em épocas passadas fez parelha com o experiente Bena, Chiquinho Nambalo sabe que precisa de trabalhar muito para recuperar as performances.

Detentor de boa capacidade técnica,  boa altura, rápido, versátil e com bom posicionamento na área,  só perde na concorrência para o pai, por deficiências em marcar golos de cabeça,  coisa que o progenitor fazia inclusive com a nuca à época no Clube Desportivo da Chela, onde actuava com a “camisola 9”.

Aliás, foi o próprio Basílio quem o levou ao Benfica do Lubango, ainda garoto,  onde fez toda sua formação até chegar ao escalão sénior. Actuou durante várias épocas de águia ao peito, transferiu-se mais tarde para o Atlético Sport Aviação (ASA), por dois anos, onde não foi muito feliz devido a inúmeras lesões. Depois, regressou ao Lubango e ingressou nas "fileiras" do clube militar da Região Sul, onde diz  "sentir-se bem".
MC