Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

guas destaca prestao de JGM

03 de Dezembro, 2017

Treinador lamentou o anuncio de desistncia e admite que afectou o desempenho dos atletas

Fotografia: Vigas da Purificao /Edies Novembro

O técnico principal do JGM do Huambo considerou  positiva a prestação da sua equipa, no Girabola Zap 2017. Águas da Silva afirmou que, apesar das dificuldades enfrentadas ao longo da época cumpriram com os objectivos traçados pela direcção de Jorge Mangrinha, que passava pela manutenção na prova.
\"Sabem que foi pela primeira vez que o nosso grupo fez parte de uma competição do género e não obstante as vicissitudes que passamos, acho que no final de tudo acabamos bem\", avaliou de forma satisfatório a prestação do seu conjunto.
 O treinador reconheceu que tinham possibilidades de fazer melhor se não perdessem infantilmente alguns jogos em casa e que influenciou bastante para uma melhor classificação no ano de estreia na maior prova do futebol nacional.
\"É bem verdade que os jogos com a Académica e Bravos do Maquis, foram os mais marcantes para mim. Acho que perdemos mal numa altura que estávamos a ganhar e apenas quase no final do jogo fomos surpreendido com derrotas que embaraçaram a nossa pontuação\", recordou.
Disse mais adiante que uma equipa com o objectivo do JGM não pode dar-se ao luxo de desperdiçar pontos em casa e diante de adversários do seu nível e considerados do seu campeonato.
\"Uma equipa cujo o objectivo principal é a permanência, não se deve dar ao luxo de perder ou mesmo empatar jogos em casa com adversários do seu campeonato. Estes foram alguns elementos que contribuíram negativamente para o rendimento do grupo\", admitiu.
O técnico recordou que o facto de ter assumido o comando da equipa apenas na 4ª jornada foi um dos factores que concorreu para a não formação de um plantel a sua maneira.
\"Levei a equipa a primeira divisão, mas infelizmente razão de vária ordem levaram-me a estar fora do grupo e regressei apenas na 4ª jornada. Ainda assim, pelo nosso grande esforço na primeira volta fizemos 13 pontos e na segunda 17, perfazendo um total de 30 pontos que foram suficientes para a nossa permanência\", sublinhou.
O técnico enalteceu os reforços conseguidos na segunda volta e considerou que foram bastante preponderantes para a manutenção da equipa  na prova, apesar de ter sido em número reduzido, mas defende que o objectivo foi cumprido.
\"Sabem que tivemos uma equipa sem experiência no Girabola com excepção do Zé que passou pelo Benfica de Luanda e o Interclube. Nelson Desportivo e Académica do Soyo e Mazua Benfica de Luanda. Eram cinco reforços, mas no final ficamos apenas com dois, o Barnabé e o Mazua que deram um grande contributo ao grupo\", destacou.

DESISTÊNCIA
“Norberto de Castro foi solidário”


Águas da Silva recorda com nostalgia o dia que recebeu a informação da sua direcção, sobre a desistência da equipa no Girabola. Afirmou que a decisão abalou o grupo que encontrava-se bastante motivado para a ponta final do campeonato.
\"Foi um dia que jamais esquecerei. Aconteceu numa altura que o grupo estava bastante concentrado e decidido para defrontar o Petro de Luanda para a Taça de Angola. Pretendíamos fazer um jogo de encher os olhos do público, mas aconteceu o triste anúncio. Respeitamos a decisão, a julgar pela falta de apoio que enfrentávamos, mas o melhor mesmo foi a mudança de ideia e hoje continuamos de pé firme na prova\", enalteceu.
O treinador não deixou de rebater o comportamento da direcção do Progresso da Lunda Sul em não aceitar a decisão da FAF em relação a sua despromoção.

\"É lamentável a forma como os dirigentes do Progresso da Lunda Sul reagiram a punição da federação, prometendo recorrer à FIFA, mesmo  sabendo que cometeram. Isso é triste, por isso, já é tempo de mudarmos as nossas consciências para o bem do desenvolvimento do nosso futebol\", aconselhou.
O jovem técnico reconhece o apoio que a equipa recebeu do Norberto de Castro e considera ter jogado um papel importante para o que o seu conjunto cumprisse com os seus objectivos.
\"Foi a única pessoa que nos deu sempre apoio em Luanda. Tínhamos direito a alojamento e transporte sem pagar algum dinheiro. Isso moralizou bastante o grupo para as empreitadas que tínhamos pela frente e acredito que se houvesse mais pessoas do género o quadro futebolístico angolano seria melhor\",asseverou.

DESAFIO  
Técnico defende resgate  da “mística”


Vinculado ao JGM até o dia 31 de Dezembro, o técnico aguarda pelo pronunciamento da direcção para definir o seu futuro. Águas da Silva defende que a prioridade continua ser a equipa do Huambo.
\" Estou na equipa há dois anos, mas caso não chegar a acordo com a direcção vamos ver o que o futuro vai nos reservar. A decisão depende da direcção. Por isso, só nos resta esperar que as coisas aconteçam\", avançou.
O treinador pede uma maior atenção dos dirigentes da província para o relançamento do futebol no Huambo. Defende que se existirem mais pessoas com a coragem do senhor Jorge Mangueirinha podem recuperar a mística do futebol nacional.
\"O Huambo tem potencial para recuperar o terceiro lugar de outra hora como uma das maiores forças do futebol no país, atrás de Benguela e Luanda. Sigam o exemplo de Jorge Mangrinha, uma pessoa incansável e que está sempre a inovar para o bem de todos, por isso, vamos estender a nossa mão para o bem do futebol angolano\", precisou.
Águas da Silva aponta a necessidade de melhorarem as infra-estruturas e outros elementos importantes inerentes ao desenvolvimento da modalidade na província. \"Tem de existir muito mais diálogo a cerca disso\", asseverou.
O técnico recordou que não obstante o fraco trabalho que se verifica na modalidade a nível da província o Huambo continua a fornecer atletas ao nosso futebol.
\" Vou citar apenas alguns nomes como são os casos de Caranga e Tó Carneiro, ambos do Interclube e Lelas, Sagrada Esperança, só para citar estes. Por isso, o réptil está lançado e acredito que caso sigam teremos bons resultados\", assegurou.