Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Interclube antecipa estgio para duelo com a Acadmica

Paulo Caculo - 30 de Abril, 2010

Polcias trabalham para o jogo com os estudantes

Fotografia: Jornal dos Desportos

A equipa do Interclube começa a trabalhar, a partir de hoje, às 8h30, em regime de estágio, visando a difícil recepção à Académica do Soyo, amanhã, no Estádio 22 de Junho. O desafio referente à nona jornada do Girabol´2010, está a ser encarado pelos pupilos de Álvaro Magalhães com enorme responsabilidade, dada a obrigatoriedade de conquistarem os três pontos em casa.

O Interclube vai aproveitar o dia de trabalho que antecede o jogo de amanhã para efectuar os últimos acertos na vertente da finalização e movimentação ofensiva e defensiva da equipa, duas variantes treinadas durante quase toda a semana. Com os índices de motivação em bom nível, sustentados por resultados também muito bem conseguidos nas duas últimas jornadas, diante do ASA (5-1) e do Sporting de Cabinda (1-0), a equipa da Polícia tem criadas as condições para construir, em casa e diante dos seus adeptos, um bom resultado e, consequentemente, manter a senda vitoriosa que protagoniza no campeonato.

Optimismo

Sobre o jogo diante da Académica do Soyo, Álvaro Magalhães antevê enormes dificuldades, mas acredita que os níveis de confiança são altos, razão pela qual se mostra convicto de que o bom momento de forma que atravessa a equipa no Girabola pode ser fundamental para o alcance de uma nova vitória.

"Depois de uma vitória em Cabinda, os jogadores estão moralizados e confiantes para mais um embate, que não vai ser fácil, porque a Académica do Soyo provou já na época passada que é uma grande equipa do Girabola, tem um treinador que conhece bem o futebol angolano, escolhe bem os seus jogadores, portanto, é um adversário de grande qualidade que vamos enfrentar. Esperamos, naturalmente, um jogo difícil, mas, de qualquer maneira, vamos tentar trabalhar para ganharmos o jogo, com o apoio dos nossos adeptos", perspectivou Álvaro Magalhães.

Militares da Região Sul
fecham semana de trabalho

A transferência da partida Clube Desportivo da Huíla – Kabuscorp do Palanca do estádio Tundavala para o Ferroviário, no Lubango, nem por isso estrangula os objectivos do grémio militar da Região Sul, que vai contar já com o concurso de Tuabi e Letu. Os dois atacantes, ausentes do último confronto da equipa, no Soyo, em que perdeu com a Académica local, voltam ao onze inicial da equipa.

A equipa tem insistido nos aspectos de finalização para que os golos surjam, pois, como avançou Mozer, "serão necessários para que possamos fazer jus ao nosso princípio: os jogos em casa são para ganhar". Os 18 jogadores para o jogo do próximo domingo, no estádio do Ferroviário, serão conhecidos hoje após a última sessão de treinos da semana.

A meta traçada pelos militares huilanos mantém-se inalterável, ou seja, a vitória, ainda que o adversário atende pelo nome de Kabuscorp e que tem realizado uma prova regular, conforme fez questão de frisar Nfinda Mozer, o técnico que dirige ultimamente os trabalhos do grémio.  MC

Clube Desportivo da Huíla
adia baptismo da "Tundavala"

Contra todas as expectativas, não é desta que o Estádio Nacional Tundavala, na cidade do Lubango, vai ser "baptizado" com jogos do Girabola. É que,  ao contrário do que estava previsto, o desafio Clube Desportivo da Huíla – Kabuscorp do Palanca, para a nona jornada da competição, já não se disputa naquele majestoso palco.

Razões de ordem financeira, ligadas às receitas, podem estar na base da tomada de decisão da direcção do Clube Desportivo da Huíla, conforme avançou ao "Jornal dos Desportos" uma fonte do grémio huilano, embora tenha afirmado que, em nenhum momento, garantiram a realização do referido jogo no Estádio Nacional Tundavala.  

"Em nenhum momento dissemos que o jogo teria lugar naquele recinto (estádio Tundavala). Apesar de termos indicado à FAF três campos para a realização dos nossos jogos na condição de visitados, nomeadamente os estádios do Ferroviário da Huíla, da Nossa Senhora do Monte e da Tundavala, não será desta que utilizaremos o Estádio Nacional, simplesmente por razões óbvias", disse de forma lacónica Ezequías Domingos, director administrativo do CDH.

Para o administrativo do CDH, "existem algumas razões objectivas e estratégicas para que não joguemos já naquele recinto". O dirigente esquivou-se a apontar as razões, mas o "JD" apurou de outras fontes ligadas ao clube que a direcção pondera avançar por esta decisão, devido ao factor receitas e outras razões que não conseguimos apurar. Tudo porque o Estádio Nacional Tundavala, além de grande, situa-se fora do centro urbano, a 8 km do centro da cidade, e isso, na opinião das nossas fontes, "pode ter sido a causa principal do recuo dos militares".

Quem se mostrou surpreendido com a posição da direcção do CDH foi Fernando Moutinho, presidente da Associação Provincial de Futebol da Huíla, que disse desconhecer as razões da "fuga" à última hora do grémio militar. "Não sabemos porquê. Tínhamos tudo alinhavado para que o CDH pudesse jogar no próximo domingo, no estádio Tundavala, mas, não sei porque razão a direcção do clube pediu que cancelássemos tudo", disse Fernando Moutinho. Deste modo, o jogo entre militares da Região Sul e os palanquinos  realiza-se no estádio do Ferroviário da Huíla.


                                                     Morais Canâmua, no Lubango