Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Interclube aprimora aspectos fsicos

Valdia Kambata - 21 de Junho, 2016

Polcias em prontido para segunda volta do campeonato nacional e os oitavos de final da Taa de Angola

Fotografia: Jos Soares

Depois de dez dias de pausa, o Interclube regressa aos trabalhos hoje, às 8h00, no Estádio 22 de Junho, para a segunda volta do campeonato nacional e para os oitavos de final da Taça de Angola.

Para a primeira semana de preparação, em sessões bi -diárias, a equipa técnica agendou trabalhos de recuperação física com o objectivo de manter o grupo nos níveis desejados, para os compromissos que se avizinham.

Segundo o programa a que tivemos acesso, para colmatar o interregno que se regista no Girabola Zap, os polícias realizam alguns jogos - treinos com equipas da II divisão, com objectivo de manter os atletas com os níveis competitivos que se exige, em função das prova em que estão envolvidos.

Definidos os objectivos para esta época, a conquista do campeonato nacional é a prioridade da direcção, enquanto a Taça de Angola é a segunda opção, sem descurar a possibilidade de fazerem a dobradinha esta época, o que era inédito para a formação do Rocha Pinto.

Para materializar a meta preconizada, o plantel foi reforçado com atletas do mercado nacional e internacional, num total de 11, com destaque para  Dax e Kibeixa que representaram o Kabuscorp do Palanca e Mabululu oriundo do Petro de Luanda. 

Alguns dos jogadores apontados como reforços, não se impuseram no 22 de Junho, foram dispensados pela equipa técnica, com destaque para Dax, uma referência no Girabola, Abianda e Historia, trio que não conseguiu impor-se no conjunto orientado pelo croata Zdravko Logarusic.

  Com o nome de possíveis reforços ainda em segredo dos deuses, o plantel dos polícias para a segunda volta, é composto, por enquanto, pelos guarda-redes ; Jb, Neblu e Nelson. Defesas, Fabrício, Rico, Cristiano, Filipe, Valdez, Mvon. Médios - Pirolito, Kibeixa ,Bebe, Dasfaa, Karanga, Bártolo, Paty, Paz, Mfede, e Poulson. Atacantes- Moco, Chico e Mabululu.
A equipa técnica espera nesta segunda volta, um plantel veloz e forte em termos ofensivo, com muita coesão defensiva, de forma a corresponder com as exigências da direcção e da massa associativa.

O Interclube, que terminou o nacional passado, na quinta posição, com 45 pontos, já venceu edições do Girabola, 2007 e 2010 e quatro Supertaças ( 1986, 2001, 2008 e 2012) e três Taças de Angola (1986, 2003 e 2011). Depois de três anos sem erguer nenhum troféu, os polícias estão apostados em voltar ao top do futebol nacional.


REFORÇOS
Polícias pesquisam
médios e atacantes


A equipa técnica aproveitou a pausa concedida ao plantel, para encetar contactos com alguns atletas no mercado interno, para reforçar os sectores que mostram certa fraqueza e atacar com mais segurança a etapa crucial do Girabola.

O JD sabe, que o meio campo é o que mais preocupa o croata Zdravko Logarusic, e os seus colaboradores. Para colmatar a debilidade, a equipa técnica espera nos próximos dias chegar a  acordo com os atletas contactados.

A falta de golos é outra preocupação da equipa do Rocha Pinto, que tem merecido uma atenção especial. A ineficácia dos atacantes, influenciou nos últimos resultados do Interclube.
Ao longo da primeira volta, a equipa técnica dos polícias lamentou em várias ocasiões a falta de golos, preocupação que esperam colmatar com a integração, no mínimo de um avançado.

Neste momento, o plantel tem três pontas de lança, nomeadamente, Moco, Chico e Mabululu, mas a eficácia não é das melhores, sem produzir os golos que se esperam para vencer os jogos, e por conseguinte, manter o despique na disputa pelo título.

De acordo com o director para futebol, Nuno Martins, alguns deste jogadores para preencherem o vazio que se regista no ataque, devem vir do estrangeiro, por serem relativamente mais baratos, com agravante de a nível interno estarem todos comprometidos.

"Vamos procurar alguns jogadores próximo da nossa fronteira, de formas a facilitar o pagamento em moeda nacional, já que nesta altura é difícil pagar em dólar, salientou o dirigente da formação do Rocha Pinto.

  Os polícias  terminaram a primeira volta do campeonato nacional, com 24 pontos, fruto de sete vitórias, quatro empates e cinco derrotas. Marcou 15 golos e sofreu 12, um saldo positivo de três.