Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Isolado

Jorge Neto - 21 de Outubro, 2019

Mdio ofensivo militar foi a figura do jogo na goleada da sua equipa

Fotografia: Vigas da Purificao | Edies Novembro

O Recreativo da Caála pagou caro pelo seu "atrevimento" ao tentar jogar de igual para igual diante do 1º de Agosto, terminando com uma pesada derrota por 4-0, num desafio em que os números contam uma história diferente daquilo que aconteceu em campo.Nelson da Luz em tarde de inspiração foi o homem do jogo, com dois golos de arte. Decidida em apenas quinze minutos, os militares aproveitaram da melhor maneira a saída do trinco Maninho para vincarem o comando.  Foi uma partida de futebol em que os dois conjuntos criaram oportunidades para marcar, com os avançados e os guarda-redes a protagonizarem grandes duelos, no primeiro tempo, saindo vencedor os homens das luvas. 

Tal como prometeu na antevisão do desafio, o técnico Hélder Teixeira traçou uma estratégia que complicou sobremaneira a formação orientada por Dragan Jovic, com Tchitchi, Balakay, Joca e Deco a movimentarem-se muito bem no ataque, dando trabalho aos defensores adversários.No segundo tempo os militares sabiam que tinham de arriscar mais para alcançarem os seus objectivos, pois estava diante de um adversário bastante motivado e disposto a mudar o quadro negativo de três derrotas consecutivas que trouxe para este jogo.

Os caalenses chegaram a marcar aos 67´, mas Maninho estava em posição irregular, prontamente sancionada pelo árbitro Hélder Martins. O jogo manteve uma toada de parada e resposta, com o perigo a rondar as duas balizas. Porém, a jogar em casa os militares tiraram dois "coelhos da cartola" e em dois minutos adiantaram-se no marcador. Primeiro através de uma jogada de génio de Nelson da Luz, aos 71´, tirou três defesas do caminho, e depois num contra-ataque de Paizo aos 73´.Daí para frente os agostinos geriram o resultado, apesar de tentarem dilatar o placar, mas sempre com a agressividade dos caalenses que não cruzaram os braços, procurando pelo menos o golo de honra, mas sem sucesso. 

Aos 80´ Mabululu abusou do individualismo para atirar a defesa de Kissi, numa jogada onde estava com três avançados. Pelo erro cedeu o lugar a Leonel. Contudo, Nelson da Luz aos 85´, com outro lance de mestria marcou o terceiro e o jovem Melono aos 86´ fechou as contas.  O árbitro Hélder Martins fez vista grossa ao deixar passar uma grande penalidade aos 10´, quando o capitão Silva cortou a bola com a mão dentro da área, num movimento irregular. Um trabalho regular.