Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Ivo Traa condiciona ttulo

Jorge Neto - 06 de Junho, 2017

Traa rejeitou a equipa sentir dificuldades

Fotografia: Jornal dos Desportos | Edies Novembro

O auxiliar de Dragan Jovic antevê um segundo turno do campeonato bastante difícil, daí defender que terão de redobrar os esforços mais do que qualquer outra equipa de modos a atingir os seus objectivos. JGM do Huambo, Recreativo da Caála, 1º de Maio, Académica do Lobito, Desportivo da Huíla e FC Bravos do Maquis são os adversários assinalados pelos actuais campeões nacionais na segunda etapa inicial da prova.

"Nós estamos conscientes que será uma segunda volta muito difícil, teremos de trabalhar duas vezes mais do que qualquer adversário, os primeiros cinco ou seis jogos serão muito importantes para nós, pois não podemos claudicar nestes primeiros cinco ou seis jogos. Ai é onde nós podemos começar a definir se podemos ganhar o campeonato ou não", destacou Ivo Traça quando fazia o balanço da primeira volta da prova, em conferência de imprensa, no ex-RI20, na passada sexta-feira.

O antigo médio militar referiu que pretendem ter um conjunto mais coeso e melhorar as exibições, tendo consciência de que nem sempre será possível.

"Precisamos de ter uma equipa coesa, que se sente confiante, para podermos ganhar jogo após jogo e fazermos as grandes exibições que agrada ao público. A nós também nos agrada, gostamos de ver a nossa equipa a ganhar e com boas exibições, mas há momentos em que é difícil aliar as duas coisas", disse.  O técnico-adjunto agostino atribuiu a luta do título a seis equipas, pelo que, prevê uma luta muito renhida até ao final da competição.

"São cinco ou seis equipas que lutam pelo título, mas neste momento está o Petro, o 1º de Agosto, o Kabuscorp e os outros que vêm atrás. O objectivo do 1º de Agosto é ganhar o campeonato, mas também posso dizer que o Petro e o Kabuscorp estão a jogar bem e tem mais equipas. Mas eu estou confiante de que a nossa equipa vai trabalhar e só depende de si, nós até a sétima jornada já sabemos se vamos ganhar o campeonato ou não", considerou. Os actuais campeões nacionais terminaram a primeira volta do Girabola Zap com 33 pontos, menos um em relação ao líder, Petro de Luanda.



Militares negam dificuldades
frente ao Sagrada e Kabuscorp


Ivo Traça rejeitou a ideia de a equipa sentir dificuldades em reverter o resultado quando se encontra em desvantagem logo nos primeiros minutos do jogo, preferindo analisar cada caso à parte, olhando para as derrotas diante do Sagrada Esperança por 1-0 e Kabuscorp do Palanca por 2-0.

O antigo médio agostino apontou as causas emocionais que muitas vezes envolvem os jogadores, além das finalizações que não resultam em golos.

"Contra o Sagrada Esperança preparamos uma coisa, mas sofremos o golo muito cedo, ainda assim a equipa lutou para conseguir reverter a situação, infelizmente não deu. Tivemos a oportunidade de ganhar o jogo, mas naquele dia as bolas não quiseram entrar. Em relação ao jogo com o Kabuscorp, em primeiro lugar, é um dérbi e o adversário é diferente ao Sagrada Esperança, e os aspectos emocionais também contam muito, alteram bastante nestes jogos. Isto é algo que estamos atentos e vamos trabalhar", frisou.

Fazendo uma retrospectiva da primeira volta Ivo Traça considerou que a equipa mostrou um melhor desempenho a partir da nona jornada, com algum destaque entre as demais.

"O futebol é feito de vitórias, de ganhos, conforme se diz: o treinador vive de vitórias. É verdade que o 1º de Agosto não fez grandes exibições nos primeiros jogos no inicio do campeonato, mas foi ganhando jogo após jogo, que era o objectivo da equipa. A partir da nona jornada para a frente começou a encontrar-se e foi uma das equipas que melhores jogos fez na primeira volta", concluiu.