Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Ivo traa pretende projectos exeuveis

Gaudncio Hamelay-Lubango - 18 de Outubro, 2016

Ivo Traa descarta nomes de candidatos e apoia programas altura de reverter o quadro actual

Fotografia: Arimatia Batista

O técnico do Clube Desportivo da Huíla, Ivo Traça, defendeu no Lubango que os candidatos à presidência da Federação Angolana de Futebol (FAF) para o quadriénio 2016-2020, devem apresentar projectos exequíveis na prática, para tirar o futebol da letargia em que se encontra mergulhado. Ivo Traça argumentou não olhar pelo nome do candidato, mas apoia o programa que esteja à altura de reverter o actual quadro negro que assombra o futebol nacional.

“Gostava de não falar muito em termos das candidaturas para a FAF, porque sou treinador e não fica bem às vezes apoiar a lista A ou B. Mas devo apoiar o projecto que seja capaz de desenvolver o futebol no país. O projecto que for exequível para tirar o futebol em que está mergulhado. Não importa a pessoa, mas qualquer candidatura que apareça com um programa credível, prático e com ambição de tirar o nosso futebol de onde está mergulhado. Aí sim, vou apoiar seja qualquer for, mas não importa o nome deste, ou daquele candidato”, afirmou.

Na opinião do treinador do Clube Desportivo da Huíla, para tirar o futebol nacional do marasmo em que se encontra mergulhado, é necessário primeiramente, primar pela organização administrativa, na aposta da formação dos dirigentes desportivos, e nos treinadores que têm vontade de trabalhar.

“No meu ponto de vista, as pessoas dizem que a crise no futebol está identificada, e apostam como solução a formação. Mas eu digo que não podemos só ver o futebol na vertente de formação de talentos. O que temos que fazer, primeiramente, é organizar-nos administrativamente, e os nossos dirigentes.

Dar formação aos nossos dirigentes desportivos, àqueles treinadores que têm vontade de treinar os mais novos, porque é ali onde aprendem, e também termos mais estruturas disponíveis para podermos ter maior número de jovens para praticar futebol, sobretudo nos bairros”, apontou. Ivo Traça sustentou que se houver maior número de jovens nos bairros a praticar futebol, e aparecerem mais clubes nos bairros como na década de 80, veremos o futebol a ter uma progressão muito rápida.

“Mas volto a dizer, que a formação não deve ser dirigida aos técnicos de futebol. A formação é também para os dirigentes desportivos,  depois começarmos a descer para os técnicos. Abranger muitos técnicos, e não só para 2 ou 3 pessoas. Temos de capacitar muitos técnicos nas províncias. Eu creio que todas as províncias gostam de jogar futebol", sublinhou. " Agora é preciso ter nas províncias pessoas capacitadas, e que saibam organizar, criar boa organização para podermos cumprir”, acrescentou.

DESPORTIVO DA HUÍLA
Técnico intrigado com a fragilidade na defesa  

O técnico principal do Desportivo da Huíla, Ivo Traça, está intrigado com a forma ingénua como a equipa continua a consentir golos despropositados, no Girabola Zap 2016,  não encontra respostas para justificar os erros clamorosos de forma reiterada no sector defensivo da equipa, que precisa de pontuar o máximo possível nas próximas últimas três jornadas, para cimentar a permanência na prova.

O trabalho de profundidade há muito está direccionado, para debelar as sucessivas falhas defensivas, na perspectiva de conferir a solidez necessária na defesa, que parece não estar a surtir os efeitos desejados por Ivo Traça,  por força disso, voltou a lamentar os erros que permitiram o empate a duas bolas com a Académica do Lobito, depois da equipa estar a vencer por 2-0, no Estádio do Buraco, desafio a contar para a 27ª jornada, disputado no sábado.

“Uma equipa como a nossa, que compete em alta competição, não pode sofrer golos como sofreu. Merecíamos ganhar. Tínhamos uma vantagem de 2-0 e os erros na defesa uma vez mais, permitiram que o adversário empatasse. Não pode”, desabafou o técnico da equipa afecta à Região Militar Sul.

O desabafo de Ivo Traça é a continuidade do descontentamento reiterado, motivado pela fragilidade da defesa, que após revelar erros imperdoáveis diante do 4 de Abril, na jornada anterior, voltou a claudicar frente a Académica do Lobito, uma situação que muito inquieta o técnico Ivo Traça. Para dotar a equipa de consistência defensiva e debelar fragilidades para  o desafio de recepção ao Progresso da Lunda Sul, válido para a 28ª jornada, espera-se uma semana envolta em trabalhos redobrados.

O técnico Ivo Traça e seus coadjutores voltam a dar atenção à vertente defensiva. Trabalho correctivo e de aperfeiçoamento, com treinos de ensaio, em que os defesas são chamados a parar as investidas dos médios e avançados, devem integrar o plano de preparação dos militares da Região Sul.
O Desportivo da Huíla vê-se obrigado a vencer o Progresso da Lunda Sul na próxima jornada, para somar 33 pontos e reforçar a pretensão da permanência, ocupa a 12ª posição na tabela geral do Girabola Zap 2016 com 30 pontos,  dispõe de grandes possibilidades de evitar a despromoção.
BN

FORMAÇÃO
“Podemos encontrar mais Gelson e Ary”


O técnico dos militares da Região Sul defendeu a criação rápida de um modelo a ser seguido no futebol em todo o país, assim como fazer as nossas selecções sub-15, 17, 20, olímpica e de seniores.

De acordo com Ivo Traça, se a Federação Angolana de Futebol cumprir com os pressupostos, “acredito que vamos dar um salto muito rápido e qualitativo no desenvolvimento do futebol nacional, em todos os escalões”.

Reconheceu que jogadores no país existem,  justificou estar mais que provado que temos muitos jovens a evoluir nas principais equipas, com excelentes potencialidades para jogar.

“Agora, se nós técnicos aprimorarmos bem os talentos, acredito que encontramos muitos Gelson, Ary Papel, Carlinhos, Gogoró, Nandinho, Malamba, entre outros, porque acompanho e vejo a sua evolução. Por isso, devem aparecer muitos jogadores com boas qualidades”, destacou.                                         
BN