Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

JGM arranca ponto no Buraco

J?lio Gaiano- Lobito - 26 de Junho, 2017

A formao lobitanga entrou de rompante e atacou mal o ltimo reduto do adversrio

Fotografia: Dombele Bernardo| Edies Novembro

A Académica do Lobito foi incapaz de fazer jus a sua condição de anfitriã ao deixar-se empatar diante do JGM do Huambo, a um golo, numa partida em que os forasteiros revelaram-se melhores organizados e disciplinados tacticamente, um desafio assistido por cerca de quatro mil pessoas para a a 17ª jornada do GirabolaZap2017.

O público afecto a formação lobitanga deixou o estádio do Buraco com o sentimento de frustração, um jogo em que, na verdade, teve um resultado que acabou por castigar a apatia dos estudantes que, diga-se de passagem, tiveram tudo a sua mercê. Por isso, só devem queixar-se de si mesmo, tanto é que, por aquilo que foi a sua actuação, ao longo da segunda metade da contenda, mereciam pior resultado (a derrota). Aliás, tal só não aconteceu porque do outro lado contentou com a repartição de pontos em casa alheia.

A formação lobitanga entrou de rompante e atacou (mal) o último reduto do adversário que, apesar de, no minuto 33, ter sofrido o golo de Bruno, manteve-se tranquilo e ciente de que os jogos ganham-se depois do apito final da contenda. Foi, justamente que aconteceu, ontem no estádio do Buraco.

Enquanto, os estudantes do professor José Silvestre “Pelé” erravam nos passes, os académicos do professor Águas da Silva, continham as jogadas e tudo faziam para não meter “água” num buraco que pareceu pequeno de mais para nele se afundar. Com paciência e destreza, o JGM jogou forte e feio nos detalhes e com a naturalidade que se lhe impunha, chegou ao empate no minuto 65, por intermédio de Deco que aproveitou um erro clamoroso de Bruno que, na zona de rigor deixou-se desarmar por um contrário que cruzou na área das grandes penalidades, para de seguida terminar em golo de Deco que silenciou por completo os milhares de adeptos afectos à Académica do Lobito.

A actuação da equipa de arbitragem liderada por Pedro Santos foi impecável. Esteve bem no capitulo técnico e físico. Correu à toda dimensão do campo, impondo ordem e disciplina no cumprimento das leis da arbitragem. Em suma, mostrou classe e por isso mereceu da nossa parte distinção máxima (10 pontos).

AMBIÇÃO
JGM acredita em melhorias


O técnico principal da equipa do JGM do Huambo, Águas Zeca da Silva, embora esteja-se  já na segunda volta,  considerou há dias aos jornal dos Desportos que a prestação da equipa  no Girabola Zap, por lado  foi positiva quanto aos objectivos traçados pela direcção  e Jorge Mangrinha  que passam pela manutenção no Girabola  e negativa na vertente da  competitividade que o grupo apresentou  ao longo da prova.

Águas adiantou que  os jogos que a equipa perdeu em casa, influenciaram negativamente para um melhor posicionamento do conjunto na prova."Uma equipa cujo objectivo principal é a permanência, não se deve  dar ao luxo de  perder, ou  mesmo empatar jogos em casa  com adversários do seu campeonato. Estes foram alguns elementos  que contribuíram negativamente para o fraco rendimento do grupo", lembrou.

O técnico  lamentou o facto de não ter  tido a oportunidade de seleccionar o plantel para época e aponta este como sendo o elemento  principal que esteve na base do descalabro da equipa no que tange ao rendimento."Levei a equipa a primeira divisão mas infelizmente razão de vária ordem levaram-me a estar fora da equipa e regressei apenas na  quarta jornada e não pode escolher o plantel para a prova. Assim tivemos que suportar o plantel  até a última jornada do campeonato", asseverou.

O jovem técnico, ainda assim, promete tudo fazer no sentido de corrigir os erros cometidos ao longo da primeira volta, recorrendo  mesmo no reforço do grupo.Aguas considerou salutar, o ambiente reinante no seio do grupo. A seu ver este o aspecto  é uma das pedras basilares para  o crescimento dos índices competitivo de qualquer grupo que se preze.

"Olhe que a maior arma de uma equipa é a harmonia. Nós não temos outros elementos fortes que os outros têm, por isso temos feito disso uma grande arma par os nossos desafios. Em função disso,  hoje não temos fofocas no nosso seio e somos uma grande família. É assim que transformei o grupo desde que cá cheguei e graças a Deus culminou com resultados positivos ainda na segunda divisão", recordou o técnico.

Para o técnico da turma Huambo, o Girabola deste ano está bastante competitivo, justificando que "Hoje são mais de quatro equipas a lutarem pela topo e até mesmo na cauda a luta é  tenaz. "Nota-se alguma evolução em termos de trabalho nos clubes, mas ainda assim. Peço aos técnicos que olhem mais  para os problemas de base, sobretudo no passe  e recepção para  uma maior qualidade nas tarefas que lhes são acometidas na selecção nacional",disse. MN                   

INVESTIMENTO
Técnico defende
aposta  na base


O técnico Águas pede uma maior atenção para o JGM, porque, na sua opinião, é nesta fase onde se constrói o jogador do futuro que pode ser uma grandeza para o país quer na vertente dos clubes como das selecções."Sou jovem e penso assim, alias  trabalhei sempre com jovens desde a equipa do 1º de Maio de Benguela até chegar a sénior. Por isso, tenho  argumentos suficientes para falar do trabalho da formação", disse.

"Basta ver que o JGM é toda formada por jovens  e  tem dado mostra de evolução",disse o técnico, que tem uma visão positiva do futebol na província do Huambo, embora a seu ver não tenha a acutilância de outros tempos."Penso que estamos a trabalhar para voltarmos a  ser a terceira potencia do futebol angolano. O presidente da Associação, o senhor  Rosário está a trabalhar com  todas as forças que superintendem particularmente o futebol e para isso temos muitos jovens com apetência para este desporto", acrescentou.

A terminar, Águas da Silva foi peremptório em dizer que " sabemos que o país não está bom devido a crise mas ainda assim estamos a fazer alguma coisa para alavancar o sector e acho que a acontecer será um caminho para o desenvolvimento do futebol angolano".