Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Job foi decisivo

Paulo Caculo - 13 de Julho, 2016

Tricolores ficaram ontem com os trs pontos na deslocao ao Cuando Cubango onde disputaram o jogo adiado para o campeonato

Fotografia: M. Machangongo

Um golo solitário de Job, rubricado aos 11 minutos, acabou por ser o melhor atractivo e a única grande lembrança para a pequena falange de adeptos que  assistiu ao jogo entre o Petro de Luanda e o 4 de Abril, disputado ontem, no estádio Municipal de Menongue.

Num jogo quase sem grande história para contar, realce para o facto de o conjunto de Luanda ter procurado justificar o favoritismo que lhe era atribuído à priori. Embora tivessem, em dado período,  dificuldades em traduzir em campo a superioridade do seu plantel, fruto também uma clara postura aguerrida dos donos da casa, pertenceu quase sempre aos tricolores a maior posse de bola e o maior volume de jogadas de perigo.

Fruto da enorme pressão a que esteve sujeito a equipa de João Machado, não admirou que fosse pertencer também à equipa de Beto Bianchi a iniciativa de jogo e as ocasiões mais flagrantes de golo. Depois de Fabrício e Azulão terem espreitado o marcador nos instantes iniciais, o golo acabaria mesmo por surgir no minuto 11, na sequência de uma falta, perfeitamente cobrada por Job.

O 4 de Abril chegou a abanar com o golo sofrido, mas jamais caiu. O conjunto do Cuando Cubango teve força anímica e capacidade ofensiva para procurar pelo golo, mas nem sempre o ataque teve arte e engenho para introduzir a bola nas redes contrarias. Dada a tal displicência atacante, a equipa caseira continuou a ver o tempo passar rapidamente, sem soluções aparente para descobrir o caminho do golo.

E, como se não bastasse os desperdícios do ataque, o 4 de Abril ainda revelava alguma dificuldade em fechar aos avançados do Petro os caminhos de acesso à sua baliza. Em face disso, aos 38' Fabrício podia ter dilatado a vantagem, não fosse o avançado petrolífero direccionado muito mal a trajectória do esférico.Na segunda parte a história da partida não se alterou, tendo a equipa forasteira continuado a revelar-se mais esclarecida no jogo, enquanto os donos da casa ripostavam como pôde as investidas do adversário, ou sacudindo quanto basta para longe da sua área as jogadas de perigo.

DECLARAÇÕES
João Machado (4 de Abril)
"Parabéns ao adversário"
- "Apesar de termos uma situação de ameaça de greve, a equipa aguentou-se bem e em alguns momentos do jogo até fomos superiores. Perdemos o jogo, mas penso que nunca deixámos de lutar e o Petro teve sorte no golo que fez. Temos de dar os parabéns ao adversário pela vitória".

Beto Bianchi (Petro)
"Vencemos com mérito" - "
Sabíamos que seria um jogo difícil num terreno habitualmente muito complicado. Fomos capazes de fazer o nosso jogo, criámos oportunidades, marcámos um golo, mas podíamos ter feito mais golos. Não precisámos de ajuda dos árbitros, porque procurámos vencer sempre com mérito".