Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Joo Pintar reprova conduta do AKC

Augusto Panzo - 02 de Maio, 2019

Comandante dos locomotivas do Huambo agastado com a desqualificao do seu oponente

Fotografia: Santos Pedro| Edies Novembro

O treinador do Clube Ferrovia do Huambo, João Pintar, manifestou-se desolado com a situação criada pela desqualificação da equipa do AKC do Cunene, no Zonal de Apuramento ao Girabola Zap 2019/2010, na medida em que veio criar outros transtornos à volta da programação e da pontuação das equipas, pondo mais uma vez em causa a verdade desportiva.
João Pintar disse, em curta entrevista ao Jornal dos Desportos, que a FAF deve ter mais cuidado e ser mais exigente na abordagem sobre a aceitação de propostas das equipas participantes às provas.
“Essa decisão, apesar de ser ao abrigo dos regulamentos, veio prejudicar as outras equipas e criar outros transtornos na programação. Estávamos acostumados a fazer contas para nove equipas, agora temos que fazer para oito, para além da retirada de pontos aos outros que, se calhar, já estavam a fazer contas sobre os seus objectivos”, disse o treinador.
O técnico da formação do Ferrovia do Huambo, lamentou ainda continuar a viver-se situações, que beliscam a imagem da própria federação e o bom nome do país, numa altura em que até a Selecção Nacional de Sub-17 se apurou para um Campeonato Mundial.
“Numa altura em que temos uma Selecção Nacional apurada, para ir disputar um Campeonato do Mundo, ainda vivenciamos situações pouco abonatórias, que podem colocar a imagem da própria federação em causa e mancham o bom nome do país. Isso é de lamentar. Se não existem condições para suportar os encargos nessas competições, que não se inscrevam essas equipas”, clamou.
Deixou o alerta de que no país existem clubes no verdadeiro sentido da palavra, e equipas simplesmente, facto que deve ser bem analisado pelas autoridades federativas, para que, no futuro, este tipo de coisas não voltem a acontecer.
“Isto demonstra que no país temos clubes na verdadeira acepção da palavra, e equipas, que não passam disso mesmo. Acho que o que acabámos de viver é uma situação relativa, a uma simples equipa e não de um clube de verdade. Isso é brincadeira de mau gosto, que só põe, mais uma vez, em causa a verdade desportiva em Angola. As entidades competentes devem encontrar solução para isso, para se pôr ponto final neste tipo de brincadeiras”, apelou João Pintar.

MOLDES DE DISPUTA
Técnico defende outro modelo


João Pintar, cuja equipa lidera, em igualdade pontual a prova de acesso ao Girabola Zap de 2019/2020, com o Benfica do Lubango, é de opinião que, para se evitar este tipo de constrangimentos, a Federação Angolana de Futebol (FAF) tem de encontrar uma saída, ainda que seja para organizar um campeonato do género do Zonal com duas ou três equipas, mesmo a dez voltas.
“Se for necessário, a FAF que passe a organizar um campeonato do género do Zonal de Apuramento com apenas duas ou três equipas a dez voltas, já que o objectivo dessa prova é mesmo de apurar as três equipas, que vão suprir as vagas deixadas pelas outras três que descem de divisão. Assim até, se calhar, essas equipas iriam aparecer com maior pendor competitivo, mas sem mais faltas de comparências, que prejudicam a programação gizada”, afirmou.
Indagado se uma prova com três equipas teria mesmo um carácter nacional, João Pintar respondeu que sim, desde que a FAF exigisse que ela fosse antecipada de campeonatos disputados por três zonas, cujos vencedores viriam então disputar essa Segundona.
“Se fossem organizados campeonatos zonais com o país dividido em três séries, cujos vencedores viessem depois disputar a Segundona, acho que iria acabar com este tipo de coisas e a prova teria na mesma o condão nacional”, salientou.                                       

FERROVIA PERDE PONTOS
Decisão cria equilíbrio no topo

A decisão federativa, ao abrigo dos regulamentos desportivos em vigor, que desqualifica a equipa do AKC do Cunene da disputa do Zonal de Apuramento ao Girabola de 2019/2020, por ter consumado a segunda falta de comparência numa só volta, trouxe consigo um novo equilíbrio na luta pela liderança da competição.
Com a decisão, o Ferrovia do Huambo perdeu um ponto, fruto do empate a uma bola que consentira diante da equipa desqualificada na sétima jornada, da mesma forma que ao Benfica do Lubango foi retirada a derrota, que sofreu contra essa mesma formação.
Em função disso, o conjunto do Planalto Central, que estava bem lançado no comando, com uma diferença de dois pontos, viu-se alcançado pelo Benfica do Lubango e agora lideram em igualdade pontual a prova.
Aliás, a decisão não trouxe apenas o tal equilíbrio, como provocou outra consequência ao Ferrovia do Huambo, pois, perdeu a liderança a favor dos encarnados da Serra da Chela, em função da derrota de 0-2 sofrida na primeira volta no Lubango, a favor do Benfica local.
Com isso, o conjunto dirigido por João Pintar tem duas árduas tarefas ao mesmo tempo, pois, para além de tentar recuperar a liderança perdida, tem ainda de procurar vencer o concorrente no jogo entre si, previsto para este sábado, em sua casa, por uma margem igual ou superior a dois golos, para reaver o comando.
Na mesma linha, embora com ligeiro atraso que trazia sobre os primeiros, a formação do Jackson Garcia FC de Benguela, Estrela Clube 1º de Maio e Domant FC do Bula Atumba, começam a ver os objectivos ameaçados, porque a mesma decisão também afectou as respectivas pontuações.
Do trio, a equipa mais afectada é a do Domant FC do Bula Atumba, que viu a sua pontuação baixar para sete, facto que origina que o conjunto do Bengo tenha de considerar, a partir deste momento, todos os jogos que tiver pela frente, como autênticas finais, se quiser atingir o seu desiderato de regressar ao Girabola Zap 2019/2020.
No entanto, o Domant FC defronta esta tarde, no Municipal do Dande, o conjunto do Sporting de Benguela, partida referente à conclusão da décima-primeira jornada da prova, que teve início na quarta-feira.