Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Jos Dinis fica mais um ano no ASA

Valdia Kambata - 15 de Setembro, 2018

A equipa do ASA tem estado mergulhada numa crise de falta de apoios e longe dos ttulos nacionais, depois das conquistas nas pocas de 2002, 2003 e 2004,

Fotografia: Jornal dos Desportos

O português José Dinis, técnico que foi contratado para devolver o Atlético Sport Aviação (ASA) à primeira divisão do futebol nacional, vai continuar por mais uma temporada no clube aviador, segundo deu a conhecer o próprio.
José Dinis que falava após a conquista do Campeonato Nacional de Futebol da Segunda Divisão, garantiu ter quase tudo acertado com a direcção aviadora, para permanecer por mais uma temporada no comando da equipa.
\"Neste momento, estamos acertar alguns pormenores, ao que tudo indica devo ficar por mais uma temporada, pois como sabem, o ASA tem alguns problemas, mas creio que devo ficar, o processo de conversação está adiantado\", disse.
Quanto aos reforços para a próxima época, o técnico disse ser ainda prematuro avançar nomes, porém, tem certeza de uma coisa: vai contar com os jogadores que conquistaram a Segundona.
\"Como sabe, existem algumas situações por resolver, penso que, por enquanto, ainda é prematuro falar de reforços, vamos contar com estes bravos rapazes e procurar fazer um bom campeonato\", referiu.  
José Dinis orientou, pela primeira vez, o ASA em 2010, tendo ficado até 2013, altura em que rumou para o Petro de Luanda, conseguindo um modesto quarto lugar, com 49 pontos. Depois de ter deixado Angola, o técnico orientou, em 2016, o Desportivo Vieirense de Leiria, clube no qual iniciou a carreira de jogador em 1970. 
José Dinis, de 60 anos, tem várias passagens por emblemas da II Liga portuguesa, nomeadamente  o Sporting da Covilhã, Varzim, Marco, Naval, Feirense e União de Lamas, tendo treinado, também, o União de Leiria, clube que ajudou a subir, por duas vezes, enquanto jogador, ao escalão principal.
A equipa do ASA tem estado mergulhada numa crise de falta de apoios e longe dos títulos nacionais, depois das conquistas nas épocas de 2002, 2003 e 2004, sob comando do treinador português Bernardino Pedroto.